O veganismo, a proposta de eliminação total de alimentos de origem animal, se tornou uma indústria bilionária. Segundo a consultoria americana Allied Market Research, o mercado global de substitutos para a carne deve chegar a valer US$ 7,5 bilhões em 2025 se continuar crescendo quase 8% ao ano, como faz desde 2018.


Não conte com os  políticos

Entidades empresariais e investidores privados serão essenciais para a viabilização de avanços significativos de projetos de inteligência artificial no Brasil. Nos próximos anos, a tendência é de ausência de políticas públicas efetivas, tanto por parte do governo federal quanto da maioria dos estados. Programas de fomento com recursos e apoio governamentais serão raros, ou até inexistentes. De nada adiantarão as procissões de lideranças setoriais reivindicando atenção em palácios de governo ou ambientes parlamentares.

Entender a realidade adiante será uma necessidade para a comunidade da tecnologia, de pesquisadores a candidatos a empreendedores. O presidente da Associação Brasileira de Inteligência Artificial (Abria), Jhonata Emerick, reconhece, em entrevista publicada pelo site Época Negócios, que apesar da grande oportunidade representada pela tecnologia, o empreendedor vê o Brasil ficar para trás.

Mão na massa

Ele avalia que o desenvolvimento da tecnologia e de novos negócios requer impulsos de todo o sistema que envolve o tema. “Eu não vejo o governo falar de inteligência artificial. É preciso entender que a gente está ficando para trás. Se não tiver política pública ou minimamente um apoio sistêmico nessa discussão, vamos entrar numa guerra que já começa perdida”, reclama. É melhor colocar a mão na massa.

A preocupação dele sobre o papel do Brasil no cenário de IA é justa. Especialmente ao analisar a situação dos atuais líderes da área, China e Estados Unidos, onde os governos têm, por sinal, papel proeminente no apoio ao desenvolvimento de novas iniciativas. “Não temos dinheiro para competir. Vamos ser o campo de testes.” Para as startups brasileiras, portanto, é se mexer ou morrer. Ou melhor, se unir. “Se não tiver política pública, é preciso um espaço para os empreendedores se reunirem com um fim comum.” A proposta da ABRIA é preencher esse espaço. “Não há ninguém olhando o grande cenário de IA no Brasil”, diz.

A alternativa, para ele, é criar comitês de temas específicos, como inteligência artificial e ética, criação de proposta de valor nas startups e até auxílio na seleção e contratação de serviços de IA. “A proposta é trazer as empresas e a sociedade para a discussão.”


NÚMEROS

Apple: diversificação do poder

A Apple pode se tornar uma dez maiores emissoras de cartão de crédito nos Estados Unidos até 2024. O Apple Card, desenvolvido em parceria com o Goldman Sachs, tem potencial para gerar receita de US$ 1,5 bilhão no período, segundo estimativas da própria empresa, que se beneficia dos 146 milhões de proprietários adultos de Iphones.

Força do consumidor

A experiência do consumidor será totalmente impactada pela Realidade Aumentada (RA) e pela Realidade Virtual (RV). Até 2020, cerca de 100 milhões de consumidores efetuarão compras por meio de tecnologias de AR em lojas físicas ou online, estima o Gartner.


INOVAÇÕES

Madeira transparente

Um novo material translúcido desenvolvido por pesquisadores do Instituto Real de Tecnologia (KTH), na Suécia, pode substituí-lo com vantagens: a madeira transparente. Segundo seus criadores, ela é mais resistente e isola melhor o calor do que o vidro. Os cientistas suecos desenvolveram um processo que remove a lignina, molécula que estrutura a parede celular das células da madeira – e também absorve a luz. Isso já resultou numa madeira transparente.

Comércio: canais integrados

“Omincanalidade”. A expressão que define a integração do comércio eletrônico com as lojas físicas de uma mesma marca, tende a ganhar destaque efetivo a partir deste ano. Como reconhecem especialistas, o conceito é amplamente citado por consultores. A prática, porém, ainda é limitada. Agora, dadas as condições tecnológicas, econômicas e sociais favoráveis aos conceitos, é possível prever a aceleração de projetos.

Avanços e recuos

Os sistemas de energia do mundo tornaram-se menos acessíveis e não são ambientalmente mais sustentáveis ​​do que há cinco anos. Embora o acesso à energia tenha melhorado substancialmente, com menos de um bilhão de pessoas vivendo sem acesso à eletricidade, as preocupações quanto à acessibilidade e à equidade da transição energética estão aumentando. Estas são as conclusões da última edição do relatório Fostering Effective Energy Transition do World Economic Forum , que foi publicado hoje.

Ameaças de bactérias resistentes

Em 2050, mais de 10 milhões de pessoas podem morrer por problemas relacionados a bactérias resistentes, segundo um estudo do governo britânico coordenado por especialistas da área e divulgado em 2014. As “superbactérias” também custariam até 3,8% do PIB global, segundo o Banco Mundial. Os principais afetados serão regiões mais pobres e com menos acesso a hospitais de qualidade e saneamento básico, sobretudo na África e na Ásia.


ZEITGEIST

Os vencedores levam tudo

Sem contar com a China, 86% do mercado de publicidade digital global são investidos nas multinacionais Google e Facebook. Globalmente, as plataformas concentram 40,9% do mercado de publicidade, segundo dados do site português Dinheiro Vivo. Os números confirmam a tendência apontada por Eric Brynjolfsson e Andrew McAfee, no livro “A segura era das máquinas”, de que, nos próximos anos, os vencedores levam tudo na disputa por mercados.


PROSPECTORES

“Diz-se que as pessoas superestimam o que pode ser realizado a curto prazo e subestimam as mudanças que ocorrerão a longo prazo.” —Ray Kurzweil, A Era das Máquinas Espirituais.

 

Este relatório sobre tendências foi produzido pelo Radar do Futuro.
Se você deseja receber informações, envie um email para carlos@radardofuturo.com.br

 

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.