Profissões do futuro: como será a perícia criminal em 2029

0
340
foto ilustrativa da equipe da série policial criminal minds
Como será a perícia criminal em 2029? Mãe de uma menina que tem hoje 14 anos já se preocupa em saber sobre as profissões do futuro. O Radar do Futuro busca as respostas.

Minha filha de 13 anos, fã de séries policiais, começou a se interessar pela profissão de perita criminal. Como alguém se torna perita, considerando que não há curso superior específico? Ela pensa em fazer direito para seguir a carreira. É isso mesmo?

Andressa G. Becker

Oi, Andressa,

Para entender o cenário de 2029, quando a sua filha, hoje com 13 anos, estiver finalizando um curso universitário, é importante levar em conta que o ambiente social, econômico, político e ambiental tende a ser diferente do atual. E a perícia criminal, responsável pelo exame de provas de um crime, terá o apoio ainda mais intensivo de ferramentas tecnológicas e biotecnológicas altamente desenvolvidas.

Novos crimes, como os cibernéticos, tendem a entrar na lista da produção de provas. Também novas drogas vão desafiar o profissional. Mas é possível supor que os roubos terão sido reduzidos pela perspectiva de digitalização de tudo. As pessoas não andarão com carteiras de dinheiro e cartões de crédito, nem com smartphones na mão ou no bolso ou notebooks. Tudo pode ser acompanhado, de bicicletas a carros e residências. O monitoramento será permanente com o uso de sensores e identificação de imagens pelo uso de inteligência artificial.

Inteligência artificial, internet das coisas, sensores, drones, biotecnologia e nanotecnologia, entre outras inovações aceleradas, dão a dica sobre as áreas de conhecimento da atividade. “Independentemente das tecnologias à disposição em 2029, a jovem deve ser orientada a se dedicar ao máximo à formação universitária, num curso de saúde ou exatas.

Para funções específicas, os melhores cursos são odontologia, farmácia, física, ciência da computação, engenharias, biologia, medicina e contabilidade”, avalia Guilherme Melo Franco, perito criminal da Polícia Civil de Minas Gerais. Formado em odontologia, ele considera que o curso é o mais completo e útil para quem pretende atuar na área.

Depoimento

Apaixonado pela atividade, Guilherme Franco aposta que o “glamour” que ronda a imagem do trabalho de perito criminal — ou crime scene investigator (CSI) — sempre vai existir, mesmo com os avanços que tendem a ocorrer na sociedade. Basicamente, são dois motivos. Primeiro, pelo fato de ser um trabalho intrigante, interessante, por causa dos mistérios a serem resolvidos. “E pelo fato de ter a ver com luta do bem contra o mal. Há pessoas más por aí. E o perito ajuda a fazer justiça contra elas”, assinala.

É certo que, nas condições políticas e econômicas de hoje, no País, nem tudo são facilidades. É possível, de fato, encontrar exemplos de investigações com recursos super modernos, como se vê nos filmes. Tecnologias avançadas são aplicadas em investigações de acontecimentos de grande relevância, como o crime ambiental em Brumadinho, que matou centenas de pessoas. Mas, no dia a dia, os recursos para as investigações podem ser escassos.

Guilherme Franco atesta que, hoje em dia, “já temos tecnologia para conseguirmos, com grau satisfatório de eficiência, identificar suspeitos e armas de crime através de bancos de dados de papiloscopia, DNA, balística e reconhecimento facial”. Graças a um desses recursos, a polícia do Paraná elucidou recentemente um crime ocorrido há 15 anos, envolvendo uma adolescente.

O investimento em tecnologia é, hoje, muito baixo, seja por falta de dinheiro, ou, principalmente, por falta de vontade politica. Investimentos que poderiam ser direcionados para a implantação de bancos de dados, por exemplo, acabam servindo para a compra de viaturas, que dão mais visibilidade para os políticos. Algumas das limitações tendem, no entanto, ser superadas. Em especial, a redução de custos de softwares e equipamentos informatizados tende a ampliar o acesso aos procedimentos de perícia.

Você gostaria de obter mais informações?

Entre em contato. Encaminhe as suas dúvidas

[wpforms id=”9754″ title=”false” description=”false”]

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.