O Guia do Caçador de Tendências

0
1166

Para o sueco Magnus Lindvist, para antecipar as transformações do futuro as pessoas devem prestar nos fenômenos invisíveis da sociedade.

Heraldo Leite
Colunista Webmilk / Radar do Futuro

 

Longe de ser um otimista incorrigível, uma Poliana da era tecnológica, o sueco Magnus Lindkvist consegue fazer o leitor pensar. E muito. Seu livro não é daqueles que apontam o futuro e suas inovações e no ano seguinte, face a dezenas de fatores, acontecimentos e variáveis, já está desatualizado. Como o próprio título propõe, o livro é uma espécie de manual para enxergar tendências. Só que para isso – e o autor aponta caminhos – é preciso mudar a forma de pensar e enxergar o presente.

Dividido em sete capítulos, Magnus cria o termo “Tendências Invisíveis” e daí em diante trata das sete nuanças da invisibilidade (veja quadro abaixo). Ele fala sobre como as coisas se tornam imperceptíveis porque temos cegueiras naturais. E, ao final de cada capítulo, um Manual com instruções bem simples como forma de incentivar a “pensar fora da caixa”, que é para empregar um termo muito usado ultimamente.

A partir daí, Magnus discorre muito mais sobre nossos aspectos psicológicos do que sócio- econômicos ou tecnológicos. E apesar de ser sueco de nascimento e ter escrito o livro em 2010, chama a atenção para o excesso de pessimismo que ainda norteia boa parcela da população. E, de quebra, ainda dá um puxão de orelha na mídia e seu sensacionalismo. “O problema surge quando vemos o mundo da mídia como um retrato exato de tudo que está acontecendo no mundo”. E ainda apregoa: “Se precisamos de pessimistas para identificar certos problemas, necessitaremos de otimistas para resolvê-los”.

Entre tantos conselhos sugeridos em seu manual ao final de cada capítulo, um demonstra o quanto Magnus traça o caminho para o futuro e uma trilha particular e original: Aliás, visitar qualquer pessoa mais velha seria útil ao nosso propósito. Questione sobre como era a vida no passado. Anote as informações e procure por anomalias. O que era diferente na época e o que isto pode nos dizer sobre como o mundo mudou.”

No entanto, o mais original em “O guia do caçador de tendências” seja mesmo sua classificação. Ele se acomoda muito bem na seção ‘Administração e Negócios’ e até um desavisado funcionário pode colocá-lo na seção ‘Auto-ajuda’. E quem lê-lo sob a ótica do “administrador-atrás-de-oportunidades- de-negócios” vai achar o livro muito poético e pouco prático. Em contrapartida, quem buscar em seu conteúdo o faça-você-mesmo da auto-ajuda, vai se desencantar com o pensamento às vezes cortante, seco e iconoclasta de Magnus Lindkvist. Neste quesito, ponto para a originalidade do livro.

Invisibilidade

Sete nuanças que nos fazem ter dificuldade de enxergar tendências

1 – Invisibilidade por gradualismo – as mudanças são muito lentas para percebermos
2 – Invisibilidade por mudanças minúsculas – com todas aquelas malditas árvores, não pudemos ver a floresta
3 – Invisibilidade pela rapidez – piscamos os olhos e perdemos
4 – Invisibilidade por pensarmos linearmente – não conseguimos fazê-lo de maneira exponencial
5 – Invisibilidade por nos apegarmos ao presente – acreditamos que o amanhã será mais ou menos igual ao hoje
6 Invisibilidade por miopia – acreditamos que nosso mundo é o mundo
7 – Invisibilidade por pessimismo – se estamos todos condenados, como as coisas podem ficar melhores?
O Guia do Caçador de Tendências – Como identificar as forças invisíveis que moldam os negócios, a sociedade e a vida – Magnus Lindkvist – 188 páginas, Gente Editora

 

 

 

 

 

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.