Coleta de informações semanais feita pelo Economista Paulo Roberto Bretas

detalhe de mão de enfermeira aplicando vacina em braço foto: agência brasil
notas econômicas
Fotos: Myke Sena/MS

O Ministério da Saúde divulgou que 120 milhões de brasileiros já receberam a primeira dose de vacinas contra a covid-19 – o número corresponde a 75% da população adulta no país. Segundo as informações da Agência Brasil, a expectativa da pasta é que, com a chegada de 131,4 milhões de doses em agosto e setembro, todos os brasileiros adultos estejam imunizados até o fim do próximo mês. Ainda de acordo com o ministério, mais de 53,2 milhões de pessoas já receberam a segunda dose ou a dose única contra a covid-19. Ao todo, 207 milhões de doses foram distribuídas aos estados e ao Distrito Federal. Em contraste com a boa notícia, é crescente a preocupação com o impactos da variante delta do coronavírus. Especialistas alertam que os casos de infectados podem explodir em setembro em São Paulo, de acordo com projeções de ferramentas das universidades USP e Unesp.

Economia e Finanças

Cenário Nebuloso 1: Quando o ambiente externo deixa de ser tão favorável aos países emergentes, o aumento dos temores sobre a situação das contas públicas estressou os mercados e levou as condições financeiras a seu patamar mais restritivo desde o começo da pandemia. Segundo economistas, movimentos como a alta dos juros futuros e do risco-país, a desvalorização do câmbio e a queda da bolsa acabam se transmitindo à economia real, ainda que com alguma defasagem. Assim, o cenário para o crescimento da economia brasileira em 2022, que já era desafiador, fica ainda mais nebuloso. (Valor)

Cenário Nebuloso 2: O principal canal, mas não o único, pelo qual o aperto das condições financeiras afeta o crescimento é a política monetária. O Banco Central (BC) já estava retirando a Selic de um patamar de estímulo da atividade econômica devido às pressões inflacionárias e, diante do maior risco fiscal e dos ruídos políticos, um número cada vez maior de especialistas avalia que o aumento dos juros precisará ser mais expressivo. (Valor)

Diferenças de Percepção: Na equipe econômica do governo há uma leitura de que o mercado estaria exagerando no pessimismo e nos prêmios pedidos e enxerga uma dissociação entre a realidade fiscal e a percepção dos agentes econômicos. (Valor)

Pesquisa Ipsos: Segundo a pesquisa Global Views On Local Economic Recovery From Covid-19, feita pelo Ipsos para o Fórum Econômico Mundial, 29% dos entrevistados confiam que o governo será o grande responsável por essa recuperação, 19% jogam a responsabilidade para si como consumidores, 18% confiam nas grandes empresas, 9%, nos pequenos negócios, e 8%, nas organizações não governamentais. Ou seja, menos de 30% dos brasileiros confiam no governo como o grande responsável pela recuperação da economia pós-pandemia nos próximos anos. A consulta mostra ainda que 76% dos entrevistados acreditam que tardará dois anos ou mais para retomada total da economia no Brasil. (Valor)

Fusões e Aquisições no Brasil 1: O mercado brasileiro de fusões e aquisições movimentou US$ 59,4 bilhões até 6 de agosto de 2021. É mais que o registrado em todo o ano de 2020 (US$ 45,8 bilhões). Supera o recorde anterior, de 2017 (US$ 52,7 bilhões). (Poder 360)

Fusões e Aquisições no Brasil 2: Já são 334 operações em 2021, alta de 16% frente ao mesmo período de 2020, segundo a consultoria Dealogic. Até agosto do ano passado, o Brasil registrou US$ 16 bilhões em 288 negócios. O volume movimentado saltou 270% na mesma base. (Poder 360)

Atividade Econômica em Queda: A atividade econômica caiu 0,3% no segundo trimestre ante o primeiro trimestre, na leitura do Monitor do PIB, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre). Para Claudio Considera, economista responsável pelo indicador, o desempenho sinaliza que a economia não está numa rota de recuperação robusta, conforme se imaginava ao término do primeiro trimestre. O monitor da FGV indica que o setor de serviços, que representa mais de 60% da economia, ainda opera fraco sob impacto da pandemia da covid-19. (Valor)

Precatórios da União: O ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que, sem a adoção de regras para o parcelamento de precatórios devidos pela União, despesa que tem crescido de forma vertiginosa nos últimos anos, o governo teria que recorrer a um “shutdown”, isto é, à suspensão do funcionamento de órgãos públicos e até mesmo do pagamento de salários. (Valor)

Paulo Guedes: “O volume estimado de dividendos pago no Brasil é de R$ 400 bilhões. Em 2019, chegou a R$ 360 bilhões. Há uma fatia de 20 mil contribuintes que ganham mais de 320 salários mínimos por mês [R$ 320 mil ou R$ 3,84 milhões por ano]. Eles têm renda declarada acima de R$ 76 milhões, mas a alíquota efetiva de IR [depois de aplicar abatimentos com despesas como saúde e educação] que esse grupo paga é de apenas 1,6%. Se mantiver o capital aplicado na empresa, gerando investimento e lucros, os sócios não pagarão nada sobre dividendos. Ninguém deve ter vergonha de ser rico, mas, sim, de não pagar imposto”. (Valor)

Reforma do Imposto de Renda: O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que será um erro não aprovar a reforma do IR (Imposto de Renda). A votação do projeto já foi adiada 2 vezes pela Câmara dos Deputados, pois não há consenso sobre o assunto. A reforma do IR propõe o corte de 8,5 pontos percentuais do IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica) e de 1,5 ponto percentual da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido). Em contrapartida, propõe a taxação de 20% dos lucros e dividendos. (Poder 360)

Relatório Focus Selic: Para a taxa básica de juros (Selic), o ponto-médio das expectativas passou de 7,25% para 7,50% tanto no fim de 2021 quanto no de 2022. A meta de inflação a ser perseguida pelo BC é de 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, sempre com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. (Valor)

Relatório Focus Crescimento: O Focus trouxe ainda que a mediana das projeções do mercado para o crescimento da economia brasileira em 2021 voltou a cair, depois de interromper 15 semanas consecutivas de aceleração na semana passada, indo de 5,30% para 5,28%. (Valor)

Relatório Focus Câmbio: No caso do câmbio, a mediana das estimativas do mercado para o dólar foi mantida em R$ 5,10 no fim deste ano e R$ 5,20 no próximo calendário. (Valor)

Lucros do FGTS: Lucros do FGTS: O conselho do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) decidiu dividir entre os trabalhadores o valor de R$ 8,13 bilhões recebidos pelo fundo em lucros. O dinheiro não vai diretamente para o bolso, e sim para a conta do FGTS da pessoa. Cada trabalhador receberá de acordo com o saldo disponível na conta em dezembro de 2020. Segundo a Caixa Econômica Federal, os depósitos serão realizados até o dia 31 de agosto. (UOL) (Meio)

Bancos Digitais: Com a pandemia, os bancos digitais caíram no gosto dos brasileiros. Em 2020, o número de downloads de aplicativos desses novos players superou o de instituições financeiras tradicionais no Brasil. Segundo um levantamento da UBS Evidence Lab, a parcela dos grandes bancos em 2019 era de 52% contra 48% dos bancos digitais. Este ano, no entanto, foi a vez dos digitais, que já correspondem a 52%. Entre as vantagens, a ausência de agências físicas, taxas e tarifas atraíram muitos consumidores que aderiram à facilidade de uma conta digital. (Meio)

Educação Financeira: A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), em parceria com o Ministério da Educação (MEC), anunciou um programa de incentivo à Educação Financeira nas escolas. O projeto vai capacitar professores com o intuito de tornar temas como planejamento financeiro, gestão das finanças pessoais e investimentos mais presentes nas escolas de todo o país. Os cursos serão disponibilizados por meio de uma plataforma online. (Valor Investe) (Meio)

Retomada do Varejo Paulista: Depois do pior trimestre da história entre abril e junho de 2020, o comércio varejista paulista espera retomada mais equilibrada neste ano. Com a reabertura prevista nos grandes centros urbanos, a expectativa é de recomposição do gasto das famílias, com maior procura de itens de vestuário e veículos e menor demanda por produtos de higiene, alimentação e materiais de construção. A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) projeta para este ano crescimento em torno de 10% do varejo, após o avanço modesto de 1,9% em 2020. (Valor)

Confiança do Comércio: A confiança do empresário do comércio registrou, em agosto, maior patamar em 16 meses, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A entidade informou que o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) subiu 4,3% em agosto ante julho, para 115 pontos, com alta de 47,2% ante igual mês em 2020. Foi o maior patamar em pontos do indicador desde abril de 2020 (120,7 pontos). (Valor)

Petróleo e Gás: As atividades de exploração e produção de óleo e gás devem demandar investimentos da ordem de US$ 50 bilhões no Brasil entre 2021 e 2025, segundo a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A previsão é que, no período, 17 novos projetos entrem em operação no país, dentre os quais 13 projetos operados pela Petrobras. A expectativa é que a produção de petróleo suba do patamar atual de 2,9 milhões de barris/dia para 3,65 milhões de barris/dia em 2025. (Valor)

Inflação

Inflação do IPCA: A mediana das projeções dos economistas do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2021 subiu pela 19ª semana consecutiva, agora de 6,88% para 7,05% de alta, segundo o Relatório Focus, do Banco Central (BC), com estimativas coletadas até o fim da semana passada. Para 2022, a projeção também subiu pela quarta sondagem seguida, de 3,84% para 3,90% de aumento. (Valor)

Meio Ambiente, Sustentabilidade e Energia

Brasil em Chamas: Entre 1985 e 2020 cerca de 20% do território brasileiro pegou fogo ao menos uma vez. Segundo levantamento do MapBiomas, o país queimou em média 150 mil km² por ano, uma área maior que o território inglês. Cerrado e Amazônia concentram 85% de todo o território brasileiro queimado ao menos uma vez. (Globo) (Meio)

Redução na geração de Energia: Decisões da Petrobras no mercado de gás natural, em 2021, devem reduzir a geração de energia para o SIN (Sistema Interligado Nacional) em, pelo menos, 3.340 MW (megawatts) de potência, diariamente, em plena crise hídrica. Número equivale à potência de energia produzida pela Usina Hidrelétrica de Santo Antônio (RO), a 4ª maior do Brasil. Entre as decisões, estão a parada programada do gasoduto Rota 1, a transferência do navio de regaseificação de Pecém (CE) para a Bahia, deixando 3 usinas no Nordeste sem funcionamento, entre outras ações. Soma-se ao cenário a interrupção do fornecimento de gás boliviano para Usina Termelétrica Mário Covas, em Cuiabá, cuja potência é de 480 MW. (Poder 360)

Desmatamento Alarmante da Amazônia: Boletim do Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) publicado dia 19-08-2021 aponta que o desmatamento na Amazônia de agosto de 2020 a julho de 2021 atingiu o nível mais alarmante dos últimos 10 anos. Segundo o monitoramento, a Amazônia Legal perdeu 10.476 Km² de área verde no período, o que corresponde a um aumento de 57% em relação ao mesmo período da temporada anterior. (Poder 360)

Ambiente Social, Emprego e Renda

Subida do Preço do Gás 1: Em apenas um ano, até julho de 2021, o preço do gás de botijão já subiu 29,44%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação para as famílias com renda mensal entre um e cinco salários mínimos. A alta foi de quase três vezes a registrada pelo índice geral em igual período (9,85%). (Valor)
Subida do Preço do Gás 2: O aumento do gás de botijão se soma à alta de outros itens com forte peso para famílias de mais baixa renda, como energia elétrica e alimentos. (Valor)

Desempregados a Mais de Dois Anos 1: A parcela da população que ficou sem emprego por dois anos ou mais cresceu de forma constante entre 2014 e 2019, segundo a nota técnica “Caracterização da Taxa de Desemprego de Longo Prazo Brasileira”, da Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia. (Valor)

Desempregados a Mais de Dois Anos 2: O documento informa que esse grupo de desempregados é majoritariamente formado por mulheres, que representam dois terços do total. No corte por faixa etária, a parcela que tem de 17 a 29 anos corresponde a mais ou menos metade do contingente. Desse conjunto de jovens desempregados, aproximadamente 50% têm nível médio completo – outros 38% não têm sequer o nível médio e 12% tiveram algum contato com instrução de nível superior. (Valor)

Fuga de Cérebros: A busca dos brasileiros com alta qualificação profissional por um visto de permanência nos Estados Unidos ganhou força durante a pandemia. Para especialistas, a frustração com o mercado de trabalho por aqui – somada à política imigratória mais flexível do presidente americano Joe Biden – pode provocar um recorde no êxodo de mão de obra especializada. Considerando apenas os pedidos feitos nos consulados do Brasil, a demanda pelo green card de profissionais de “interesse nacional” ou com oferta de emprego nos EUA subiu 36%, de 1.389 para 1.899, no ano-fiscal 2020, encerrado em setembro. (Valor)

Trabalho Remoto: O dia de trabalho “on-line” não acaba nunca. É o que indica pesquisa realizada com 187 funcionários de seis empresas da lista Fortune 500 que fizeram a transição para o expediente remoto em 2020. O estudo, publicado este mês na revista americana “Harvard Business Review”, foi feito por quatro pesquisadores, incluindo um professor da Universidade Harvard e um PhD em ciência da computação. Os dados coletados mostram que, em uma medição conservadora, os executivos estão disponíveis para as chefias por mais de oito horas ao dia e que a jornada regular, de 9h às 17h, representa apenas 60% do esforço diário. (Valor)

Insegurança Alimentar: Um estudo realizado a partir dos dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) relativa a meados de 2017 a meados de 2018 mostra a situação de insegurança alimentar no país antes mesmo do início da pandemia. Naquele momento, os brasileiros gastavam com alimentação menos de dois terços do considerado mínimo necessário. O valor per capita direcionado para esse fim era de R$ 209,12 por mês, enquanto o valor apontado como mínimo necessário pelos entrevistados era 66,7% maior, de R$ 348,60 per capita, segundo os dados divulgados ontem pelo IBGE. (Valor)

Contas em Atraso: O estudo do IBGE também indica que quase metade dos brasileiros (46,2% ou 95,6 milhões de pessoas) pertencia a famílias que atrasaram o pagamento de pelo menos uma conta mensal fixa, entre água, eletricidade ou gás, aluguel ou prestação do imóvel e prestações de bens e serviços. (Valor)

Acesso a Serviços Financeiros: O trabalho do IBGE traz ainda informações sobre acesso a serviços financeiros: ao todo, 34,5 milhões de brasileiros (16,7% do total) não tinham acesso a nenhum dos principais tipos, como conta corrente, cartão de crédito, poupança e cheque especial. Quanto menor é a renda, mais escasso é o acesso a esses serviços. Na parcela dos até 10% mais pobres do país, quase metade (44,7%) vivia em famílias sem qualquer um desses serviços bancários. Entre os 10% mais ricos, apenas 1,5% vivia sem esse acesso. (Valor)

Monitor de Violência: Segundo dados do Monitor da Violência, o número de assassinatos no Brasil caiu 8% no primeiro semestre. Nos seis primeiros meses deste ano, foram registradas 21.042 mortes violentas, contra 22.838 no primeiro semestre de 2020. Apenas seis estados tiveram alta no número de homicídios: Roraima, Amazonas, Maranhão, Piauí, Paraíba e Bahia. (Meio)

Governo e Ambiente Político

Avaliação do Governo: O percentual de brasileiros que avalia o governo Bolsonaro como ruim ou péssimo chega a 54%, segundo Pesquisa XP/Ipespe divulgada ontem. O número apresenta uma variação de 2 pontos a mais, dentro da margem de erro, em relação ao levantamento anterior, em julho. Para 23% (2 pontos a menos), o governo é bom ou ótimo. A pesquisa também apurou as intenções de votos para 2022. No primeiro turno, o ex-presidente Lula (PT) tem 40% das intenções de voto, seguido de Bolsonaro (sem partido), com 24%, Ciro Gomes (PDT) (10%), Sergio Moro (sem partido) (9%), Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Eduardo Leite (PSDB) (4%). Num segundo turno, Lula venceria Bolsonaro por 51% a 32%. (Poder360) (Meio)

Avaliação da Pesquisa XP/Ipespe: A cientista política Carolina Botelho analisou os números. “A desaprovação do governo está altíssima. Para uma possível reeleição, a aprovação deveria beirar os 40%, 45%. Está bem longe disso e a reversão é difícil. Um dos pontos mais interessantes é a percepção das pessoas sobre prefeitos, governadores e congresso. Melhorou para todos. Efeito da CPI da Pandemia e das respostas dessas instituições. As pautas do bolsonarismo parecem que não se resolveram com o governo Bolsonaro. Percepção sobre corrupção e crime piorou. A maioria acha que vai aumentar nos próximos meses.” (Twitter) (Meio)

Ameaça de Golpe: O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, reforçou ontem o discurso em favor de um golpe militar que se origina no Planalto. “O artigo 142 é bastante claro”, afirmou a respeito do trecho da Constituição que trata das Forças Armadas, em entrevista à Rádio Jovem Pan. “Temos de verificar qual será a atitude deste poder moderador, que como o nome diz serve para moderar uma situação de crise em que os Poderes têm de retomar sua situação no cenário nacional e serem limitados e respeitados.” Para não deixar em suspenso o debate a respeito de quem invocaria este poder, Heleno ainda pontuou. “O presidente é o comandante supremo das Forças Armadas.” A fala do ministro veio um dia depois do vazamento de um WhatsApp em que o presidente Jair Bolsonaro conclamava manifestações de apoio e falava num “necessário contragolpe”. Segundo assessores, ele ficou muito irritado com a divulgação pública da mensagem. (Metrópoles) (Meio)

Sérgio Abranches: “Há um golpe em curso no país. Ele está em processo de execução. Bolsonaro coleta pretextos e provoca reações que deseja ver escalar até o que poderia classificar como desordem civil ou convulsão social. Os analistas descartam o golpe clássico, escorado em um pronunciamento militar, porque as transformações recentes de regimes democráticos em autoritários se deram por desmonte interno dos regimes. Mas nada impede que Bolsonaro tente os dois e termine executando um híbrido.” (Meio)

O Silêncio do Procurador-Geral: Após 13 dias de silêncio da Procuradoria-Geral da República, a ministra do STF Cármen Lúcia deu ontem um ultimato ao procurador-geral Augusto Aras: ele tinha 24 horas para se manifestar sobre o pedido de inquérito contra Jair Bolsonaro por ter usado a TV Brasil na transmissão de uma live em que ele fez mais acusações sem provas de fraude eleitoral. Aras respondeu dizendo que abriu uma investigação preliminar sobre o caso. A questão é que esse tipo de inquérito corre internamente na PGR, sem passar pelos ministros do Supremo. (Globo) (Meio)

Sobrou para o André Mendonça: O conflito entre Bolsonaro e o Supremo sobrou para o ex-advogado-geral da União André Mendonça. Indicado pelo presidente a uma vaga no STF, ele viu crescer novamente a resistência a seu nome na Corte e no Senado. A sabatina com os senadores ainda não foi marcada. (CNN Brasil) (Meio)

Jefferson na Cadeia: A prisão de Jefferson irritou e assustou Bolsonaro. O medo envolve a possibilidade de prisão do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), o filho Zero Dois, que é citado no mesmo inquérito. (CNN Brasil) (Meio)

Ascânio Seleme: “Jefferson, um aliado incondicional de Jair Bolsonaro e de seus métodos ultradireitistas, é o maior farsante da política nacional dos últimos 50 anos. Ao longo de sua carreira política, já ocupou espaço em todos os lados do espectro político. Jefferson, como o partido que preside, faz o ziguezague característico de gente ou agremiação fisiológica e sem firmeza ideológica.” (O Globo) (Meio)

CPI da Covid: A CPI da Pandemia estuda incluir adulteração de documentos entre os possíveis crimes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro no gerenciamento da crise da Covid-19. Em junho ele anunciou um “relatório” atribuído ao Tribunal de Contas da União (TCU) apontando possível supernotificação de mortes por Covid-19 nos estados. O documento então começou a circular nas redes com os timbres oficiais da Corte. Ontem, o autor do levantamento, o auditor do TCU Alexandre Marques, disse à CPI que seu estudo não era oficial e foi considerado inconclusivo. Mais ainda, que a versão entregue por seu pai, o militar da reserva Ricardo Silva Marques, a Bolsonaro, não tinha qualquer marca oficial do TCU. (Estadão) (Meio)

Bolsonaro e o Senado: Há um afastamento entre Bolsonaro e o Senado. O presidente da República insiste em apresentar o pedido de impeachment contra ministros do STF, a Casa não vai avaliá-los. Voltou a esfriar a possibilidade de se votar logo a indicação de André Mendonça para o Supremo. E as pautas do governo estão parando. (Globo) (Meio)

Ataque às Escolas Inclusivas: Não passou em branco a nova declaração polêmica do ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro. Em entrevista, ele criticou a política de inclusão de crianças com deficiência em escolas regulares, afirmando que elas “atrapalham o aprendizado de outros alunos”. O senador Romário (PL-RJ), pai de uma adolescente com Síndrome de Down, chamou o ministro de “imbecil” nas redes sociais, dando início a um bate-boca virtual. Defendidas pela pedagogia moderna, as escolas inclusivas são alvo do governo Bolsonaro desde 2019. (UOL) (Meio)

Notícia-Crime Contra Aras: Senadores apresentaram ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma notícia-crime contra o procurador-geral da República, Augusto Aras. O pedido foi direcionado à ministra Cármen Lúcia, para que ela encaminhe ao Conselho Superior do Ministério Público Federal, a fim de que Aras seja investigado por eventual infração penal, particularmente pelo crime de prevaricação. (Valor)

Reforma Política: Aprovada em dois turnos na Câmara, a reforma política, que resgata as coligações proporcionais e restringe o poder de fiscalização da Justiça Eleitoral, não deve passar no Senado, segundo o próprio presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). “A tendência é de manutenção do sistema atual. Sistema proporcional, sem coligações, com a cláusula de desempenho para que possa projetar ao longo do tempo um cenário positivo, com menos partidos políticos e, consequentemente, com melhor legitimidade do povo brasileiro em relação à classe política”, disse. (UOL) (Meio)

Estratégias de Dória: O ex-presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (sem partido), será secretário de Projetos e Ações Estratégicas, cargo do primeiro escalão do governo João Doria (PSDB), em São Paulo, conta Alberto Bombig. É Doria se articulando nacionalmente. (Estadão) (Meio)

Pesquisa PoderData 1: Pesquisa PoderData realizada na semana de 16 a18 de ago.2021, mostra que o governo Bolsonaro atravessa seu momento de maior reprovação. Hoje, 64% reprovam a gestão palaciana, uma alta de 6 pontos percentuais em comparação a duas semanas antes. Outros 31% aprovam o governo e 5% não sabem como responder. (Poder 360)

Pesquisa PoderData 2: Em relação ao trabalho pessoal do presidente, o quadro é semelhante ao de 15 dias antes: 56% consideram Bolsonaro ruim ou péssimo, 28% o avaliam como bom ou ótimo e 13% o consideram regular. Os 3 percentuais oscilaram dentro da margem de erro do levantamento anterior. (Poder 360)

Militares no Governo: Pela 1ª vez, mais da metade dos brasileiros acha que a participação de militares no governo e na política é prejudicial para o país. Pesquisa PoderData realizada nesta semana (16-18.ago.2021) mostra que 52% consideram a presença de representantes das Forças Armadas nestes campos “ruim” para o Brasil. É um aumento de 7 pontos percentuais em relação ao levantamento anterior, feito no final de abril. (Poder 360)

Ambiente Tecnológico

Ciberataque ao Detran-SP: Em mais um caso de vazamento de dados, o Detran-SP (Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo) sofreu um suposto ciberataque, dia 16-08-2021. Uma base de dados com 2 milhões de linhas compostas por informações sensíveis de motoristas, como nome completo, número do documento e placa do carro, foi colocada à venda no mercado ilegal. (TecMundo) (Meio)

Futuro do Mercado Financeiro: Não é só o Open Banking que pode moldar o futuro do mercado financeiro – no caso do Brasil. O mundo também passa por uma transformação no setor, influenciada pela pandemia e a transformação digital que aceleraram a indústria de pagamentos em dois a três anos. Entre as tendências, o e-commerce via smatphone será um desafio para o varejo físico tradicional. Além disso, a crescente penetração da tecnologia sem contato deve impulsionar cada vez mais os pagamentos móveis. (Business Insider) (Meio)

Leilão 5G: O leilão do 5G no Brasil está previsto para acontecer em outubro, segundo o ministro das Comunicações, Fábio Faria. O anúncio foi feito após a aprovação pelo Tribunal de Contas da União (TCU) das regras do edital do leilão. O documento agora segue para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e, após sua publicação, será possível a realização do leilão em 30 dias. A expectativa é atrair cerca de R$ 40 bilhões em investimentos. (Agência Brasil) (Meio)

Tesla Bot: Mais de dois anos depois de anunciar planos para transformar os veículos da Tesla em táxis autônomos que ainda não se concretizaram, o bilionário Elon Musk realizou uma apresentação altamente técnica sobre outro projeto: como os robôs sobre rodas ainda parecem distantes, ele agora quer desenvolver um que tenha pernas. O Tesla Bot foi idealizado para eliminar “tarefas perigosas, repetitivas e chatas”, como se curvar para pegar algo ou ir ao mercado comprar mantimentos, disse Musk. “Essencialmente, no futuro, o trabalho físico será uma escolha.” (Valor)

Um Musk Mais Comedido: Na sua apresentação Elon Musk estava mais comedido do que durante o ‘Dia da Autonomia’ da Tesla, em abril de 2019, abstendo-se de fazer qualquer previsão sobre quando os veículos da empresa poderão ficar sem motorista. Ele também evitou o assunto da investigação formal aberta pela Administração Nacional de Segurança no Tráfego Rodoviário (NHTSA, na sigla em inglês) sobre defeito no piloto automático dos carros, após quase uma dúzia de colisões. (Valor)

Ataque de Ransomwar: Um ataque de ransomwar na Renner derrubou os sistemas e o site oficial da rede. Os criminosos cobravam um resgate em torno de US$ 1 bilhão (R$ 5,24 bilhões) para liberar os sistemas criptografados da empresa. De acordo com a rede varejista, a maior parte das operações foram restabelecidas e o banco de dados foi preservado. (Canaltech) (Meio)

Ambiente Empresarial

Papel do Líder: É comum que, quando uma equipe de trabalho enfrenta problemas, exista a tentação do líder de fornecer as respostas. Um artigo escrito por Darrell K. Rigby, sócio da Bain & Company e autor especialista em inovação, aponta que uma melhor abordagem para essa situação pode ajudar a equipe a chegar às respostas por si mesma. Perguntas como “O que você recomenda?”, “Como podemos testar isso?” ou “O que você precisa de mim?” podem ensinar os times a evoluir na resolução de conflitos e ser mais independente. (Harvard Business Review) (Meio)

Desempenho Financeiro: O segundo trimestre foi marcado pela evolução positiva nos indicadores de desempenho em situação financeira das pequenas indústrias, de acordo com levantamento divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que avalia que, nos próximos meses, a retomada da economia deve favorecer a consolidação das perspectivas em patamar otimista. O Índice de Desempenho das Pequenas Indústrias subiu de 0,7 ponto de maio para junho, indo de 47,6 para 48,3 pontos, depois de já ter mostrado aumento de 3,9 pontos de abril para maio, quando passou de 43,7 para 47,6 pontos. Essa melhora do desempenho nos últimos dois meses interrompe a instabilidade apresentada no início do ano: houve queda de 0,6 ponto de janeiro para fevereiro, aumento de 0,3 ponto de fevereiro para março, e queda de 0,2 ponto de março para abril. (Valor)

Problemas da Pequena Indústria: A falta ou alto custo de matéria-prima e a elevada carga tributária permanecem nos primeiros lugares do ranking de principais problemas enfrentados pela pequena indústria no segundo trimestre de 2021, o que tem dificultado o aumento dos estoques para o nível desejado. (Valor)

Chinesa Compra Fábrica Paralisada da Mercedes: A Great Wall, uma das maiores fabricantes de veículos da China, é a nova dona da fábrica que a Mercedes-Benz tinha em Iracemápolis, interior de São Paulo. A informação foi confirmada pela Mercedes. Segundo a companhia alemã, o acordo de venda foi assinado dia 18-08-2021. (Valor)

O Game dos Bancos 1: A pandemia intensificou o universo “gamer” – os videogames já são a maior indústria de entretenimento do mundo – e fez os grandes bancos brasileiros perceberem que deviam mergulhar de cabeça nesse mundo. (Valor)

O Game dos Bancos 2: Participar dessa comunidade significa conversar com um público jovem enorme e bastante ligado em tecnologia, mas ainda não totalmente integrado aos serviços financeiros, um filão que está cada vez mais na mira das instituições financeiras. Sem falar que muitos atletas dos esportes eletrônicos (eSports) são verdadeiras celebridades, com dezenas de milhões de seguidores nas redes sociais. (Valor)

Ambiente Internacional

Regulando os Mais Ricos: O presidente da China, Xi Jinping, delineou um plano para promover a “prosperidade comum” da população, em um esforço que incluiria uma “regulação mais forte” sobre os rendimentos elevados e medidas para garantir a redistribuição de renda no país. (Valor)

Variante Delta nos EUA: Por causa do avanço da variante delta, os Estados Unidos registraram ontem mais de mil mortes por Covid-19 em um dia, o que não acontecia desde março. O país tenta acelerar o ritmo da vacinação, mas enfrenta o negacionismo de parte da população e a disseminação de notícias falsas sobre as vacinas. (Globo) (Meio)

Economia Chinesa 1: Os indicadores chineses divulgados nesta semana indicaram uma desaceleração acentuada da produção industrial e das vendas no varejo da segunda maior economia do mundo, em meio aos temores sobre a disseminação da covid-19 e a uma disparada dos preços das matérias-primas. (Valor)

Economia Chinesa 2: O Banco Popular da China (PBoC, o BC do país) anunciou nesta sexta-feira que manterá as suas taxas de juros de referência estáveis pelo 16º mês consecutivo. A taxa de juros de um ano fica estável a 3,85% e o de cinco anos, a 4,65%, em linha com a expectativa do mercado. (Valor)


Notas econômicas: fontes das informações

Jornal Valor, Folha, Estadão, Canal Meio Newsletter, Carta Capital, Poder 360, Twitter, UOL, CNN Brasil, Metrópoles, TecMundo, Agência Brasil e G1.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.