PNUD e Impact Hub abrem inscrições para negócios sustentáveis

0
427
Programa apoiado pelo PNUD tem como meta objetivos sustentáveis, como combate à poluição
Contribuir para a viabilização de negócios com impactos sociais positivos é o objetivo do programa de aceleração lançado no Brasil e em mais 15 países

Radar do Futuro *

Identificar e contribuir para a viabilização de negócios inteligentes, inovadores e sustentáveis, já colocados em prática, que contribuam para o alcance de um ou mais dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e que possam ser aplicados em escala global. Este é o objetivo Accelerate2030, iniciativa lançada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e pela rede ImpactHub, nesta quarta-feira, dia 20 de março, em seis cidades brasileiras e em mais 15 países.

Até 30 de abril as empresas que preenchem os requisitos do programa poderão fazer inscrições no site brazil.accelerate2030.net. A terceira edição do Accelerate2030 foi oficialmente iniciada com eventos simultâneos em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis e Manaus. Empreendedores selecionados ganham acesso a um programa de aceleração que inclui treinamentos, desenvolvimento de um plano para escala global, fomento a conexões estratégicas e suporte especializado.

O papel do empreendedorismo social

Direto da Suíça, onde participou do lançamento mundial do programa, o coordenador do Accelerate2030 no Brasil e co-fundador do Impact Hub, André Maciel, destacou, por videoconferência, a importância do papel do empreendedorismo na busca de soluções para os desafios impostos a populações de todo o mundo.

“Os empreendedores podem apresentar soluções para resolver situações complexas em busca dos ODS, não só no Brasil, mas em todo o mundo. No entanto, eles precisam de mais do que um ecossistema favorável para prosperar. Necessitam de impulso e acesso a redes específicas de suporte em sua jornada para crescer seu impacto em nível global. É isso que o Accelerate2030 vem oferecer”, disse.

A expectativa é que 30 negócios sejam escolhidos e passem pelo programa de capacitação nas unidades do Impact Hub no Brasil. Os três projetos que apresentarem melhor desempenho serão indicadas para a etapa global. Em outubro, os responsáveis pelas iniciativas escolhidas irão para Genebra, na Suíça, para participar de encontros com agências internacionais e rodadas de negócio com potenciais investidores de vários países, além de receberem a chancela do PNUD em eventos como o Social Good Summit. A partir daí, seguem com apoio para abertura de portas ao redor do mundo.

Experiência de sucesso

Um dos empreendedores que já garantiu a inscrição no programa é Tiago Giusti, CEO da Portabilis, startup catarinense que ajuda governos locais a aumentar o impacto de políticas públicas nas áreas de educação e assistência social por meio da tecnologia e de dados.  A empresa que dirige já está em 90 cidades do país auxiliando no ensino de cerca de 300 mil alunos. Para Tiago o programa é uma grande oportunidade para quem quer ampliar o alcance ações.

“Acho muito importante pensar em resolver o problema da sua comunidade ou da sua cidade, mas por que não dar uma escala global para isso? Acho que os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável devem ser mais difundidos entre as empresas. E o Accelerate é bastante importante para esses negócios, como é o nosso caso, para atingirmos essa agenda tão importante para a nossa sociedade e para o mundo como um todo”, disse.

O programa conta com o apoio internacional do PNUD, da Pfizer e do International Trade Center e, no Brasil, com a parceria da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), da Fundação Grupo Boticário e também da Pfizer.

Etapas

O Accelerate2030 é composto por duas etapas, uma nacional e outra internacional. A primeira é a fase de preparação dos negócios para escala global. Nesse sentido, serão organizados encontros locais entre todos os selecionados no país, com o objetivo de capacitar os empreendedores, aprimorar práticas de mensuração de impacto, elaborar plano de escala global, oferecer suporte e fazer contato com especialistas, investidores, mentores e parceiros ao redor do mundo, de acordo com as necessidades de cada negócio.

Ao final desse processo, os negócios participarão de um evento nacional em Brasília, que reunirá os mais importantes agentes do empreendedorismo no Brasil e, em seguida, seguirão para a Europa para representar o Brasil na etapa global do programa.

A fase internacional tem início com uma imersão em Genebra, na Suíça, quando os finalistas dos 16 países passarão por diversas rodadas de negócio e serão destaque em eventos globais voltados aos ODS. Após essa imersão, receberão suporte por mais nove meses de organizações internacionais como o próprio PNUD e o International Trade Center para abertura de portas em seus mercados-chave.

Brasileiro finalista

A última edição do Accelerate2030 aconteceu em 2017, quando foram selecionados 50 finalistas entre mais de 500 projetos inscritos. Ao todo, 15 iniciativas foram selecionadas e receberam apoio para se tornarem iniciativas de impacto global.

Entre esses empreendedores estava Ezequiel Vedana, do Piipee. Ele desenvolveu e patenteou uma solução líquida que, ao ser borrifada em um vaso sanitário com urina, reage com o rejeito, dispensando a utilização da descarga e, consequentemente, economizando água. “Fui um dia ao banheiro e, depois de fazer xixi, pensei: ‘estraguei muita água limpa’. A partir daí tive a ideia de desenvolver algo que dispensasse a descarga durante a micção. Foram sete meses de tentativas até chegar em uma solução. Primeiro desenvolvemos um produto para ser usados em empresas, depois veio o spray para ser usado em casa”, conta.

O empreendedor se inscreveu no Accelerate2030, foi um dos finalistas e, em 2018, passou pela fase global do programa. “Hoje temos 400 clientes no Brasil e em outros cinco países. Nosso maior orgulho é que conseguimos economizar 400 milhões de litros de água desde 2015”, conta Ezequiel.

Serviço


  • Com informações do ImpactHub