Mercado de trabalho em 2020: OIT traça cenário pessimista para a sociedade

0
479
Estudo da Organização Internacional do Trabalho mostra cenário negativo para o futuro do emprego global. Foto: Pixabay
Estudo da Organização Internacional do Trabalho mostra tendência de crescimento do desemprego em 2020. foto: Pixabay

Radar do Futuro

Quase meio bilhão de pessoas trabalham menos horas remuneradas do que gostariam ou não têm acesso adequado ao trabalho remunerado. O dado consta do novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre o “Emprego Mundial e Perspectivas Sociais: Tendências 2020 (WESO)”. Mais pessimistas que versões anteriores, o estudo  mostra que o desemprego deve aumentar em cerca de 2,5 milhões em 2020. E que o cenário global demanda iniciativas governamentais que parecem pouco prováveis nos próximos anos.

O relatório anual da WESO Trends analisa as principais questões do mercado de trabalho, incluindo desemprego, subutilização do trabalho, pobreza no trabalho, desigualdade de renda, compartilhamento de renda do trabalho e fatores que excluem as pessoas do trabalho decente. O cenário traçado pelos técnicos da OIT constata que o desemprego global permaneceu praticamente estável nos últimos nove anos, mas a desaceleração do crescimento econômico global significa que, à medida que a força de trabalho global aumenta, não são gerados novos empregos suficientes para absorver novos entrantes no mercado de trabalho.

“Para milhões de pessoas comuns, é cada vez mais difícil construir uma vida melhor através do trabalho”, assinala o diretor-geral da OIT, Guy Ryder. “As persistentes e substanciais desigualdades e exclusões relacionadas ao trabalho estão impedindo-as de encontrar trabalho decente e melhores futuros. Essa é uma descoberta extremamente séria que tem implicações profundas e preocupantes na coesão social”, alerta.

“Para milhões de pessoas comuns, é cada vez mais difícil construir uma vida melhor através do trabalho”.
Guy Ryder, Diretor-Geral da OIT

O WESO mostra que o descompasso entre oferta e demanda de trabalho se estende além do desemprego até uma subutilização mais ampla do trabalho. Além do número global de desempregados (188 milhões), 165 milhões de pessoas não têm trabalho remunerado suficiente e 120 milhões desistiram de procurar ativamente por trabalho ou não têm acesso ao mercado de trabalho. No total, mais de 470 milhões de pessoas em todo o mundo são afetadas.

Desigualdades no mercado de trabalho

Novos dados e estimativas mostram que, no nível global, a desigualdade de renda é maior do que se pensava anteriormente, especialmente nos países em desenvolvimento. Em todo o mundo, a parcela da renda nacional destinada ao trabalho (e não a outros fatores de produção) diminuiu substancialmente entre 2004 e 2017, de 54% para 51%, sendo essa queda economicamente significativa mais pronunciada na Europa, Ásia Central, no Caribe e nas Américas. Isso é mais do que o projetado por estimativas anteriores, mostra o WESO.

Como consequência, a pobreza moderada ou extrema no trabalho deve ser ampliada em 2020-2021 nos países em desenvolvimento, aumentando os obstáculos para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) na erradicação da pobreza em todos os lugares até 2030. Atualmente, a pobreza no trabalho (definida como ganhar menos de US $ 3,20 por dia em termos de paridade do poder de compra) afeta mais de 630 milhões de trabalhadores, ou um em cada cinco da população ativa global.

Outras desigualdades significativas – definidas por gênero, idade e localização geográfica – continuam sendo características teimosas dos atuais mercados de trabalho, mostra o relatório, limitando tanto as oportunidades individuais quanto o crescimento econômico geral. Em particular, uns impressionantes 267 milhões de jovens (de 15 a 24 anos) não estão empregados, estudam ou treinam, e muitos outros enfrentam condições de trabalho precárias.

“Só encontraremos um caminho de desenvolvimento sustentável e inclusivo se enfrentarmos esse tipo de desigualdade no mercado de trabalho e lacunas no acesso ao trabalho decente”. Stefan Kühn, coordenador

O relatório alerta que a intensificação das restrições comerciais e do protecionismo pode ter um impacto significativo no emprego, direta e indiretamente. A avaliação do crescimento econômico demonstra que o ritmo atual e a forma de crescimento estão dificultando os esforços para reduzir a pobreza e melhorar as condições de trabalho nos países de baixa renda.

A WESO recomenda que o tipo de crescimento precise mudar para incentivar atividades de maior valor agregado, por meio de transformação estrutural, atualização tecnológica e diversificação. “A subutilização do trabalho e os empregos de baixa qualidade significam que nossas economias e sociedades estão perdendo os benefícios potenciais de um enorme conjunto de talentos humanos”, disse o coordenador do relatório, Stefan Kühn. “Só encontraremos um caminho de desenvolvimento sustentável e inclusivo se enfrentarmos esses tipos de desigualdades no mercado de trabalho e lacunas no acesso ao trabalho decente.”


  • Com informações da OIT

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.