Antes arredios às tecnologias, os corretores de imóveis se rendem à digitalização da atividade. foto: Pixabay
Antes arredios às tecnologias, os corretores de imóveis se rendem à digitalização da atividade. foto: Pixabay

Livia Rigueiral *

De acordo com a Pesquisa Paradigma Digital, realizada pela Talenses e Digital House, 85% das empresas do setor de serviços estão em busca de profissionais digitais. A procura tão grande se explica não apenas por uma aposta maior em pessoas com habilidades tecnológicas, mas é sobretudo um indicativo da transformação digital no mercado de trabalho.

De fato, muitas profissões estão passando por mudanças drásticas no que diz respeito às suas funções e impacto gerado da sociedade. Uma delas é a do corretor de imóveis. Se antes a imagem que tínhamos deste profissional era de alguém avesso à tecnologia, atualmente o cenário é o oposto. Na verdade, hoje é difícil imaginar um corretor que não reconheça o benefício da tecnologia em seu trabalho.

Para dar clareza a estes panoramas tão distintos, vale fazer uma comparação: tradicionalmente, os corretores trabalhavam com uma cartela de clientes e imóveis bastante restrita, voltada a uma região específica ou área de atuação do seu interesse, como venda ou aluguel. Em contrapartida, hoje, com a ajuda de tecnologia, é possível que um mesmo corretor tenha acesso a um portfólio infinitamente maior de imóveis e tenha a oportunidade de fechar mais parcerias com outros corretores a partir do uso de aplicativos — apps — que facilitam o seu trabalho. Atualmente, o corretor trabalha como um verdadeiro curador de sugestões de imóveis.

Estes aplicativos ajudam a conectar corretores e servem como ambiente seguro para negociações imobiliárias. Ao colocar o profissional no centro das atenções, tais iniciativas valorizam o trabalho do corretor e permitem que eles tenham mais agilidade no seu dia a dia, além de servir como ferramentas gratuitas de networking.

Neste sentido, a tecnologia, que antes era vista como uma ameaça à profissão do corretor, hoje deve ser entendida como uma facilitadora e uma ferramenta que pode ajudar corretores a impulsionar suas vendas.

Como as pessoas compram e vendem um imóvel poucas vezes em sua vida, e uma vez que as opções são imensas devido ao acesso facilitado a informações pela internet, é ainda mais importante que o cliente conte com a ajuda de um especialista no assunto para ajudar no momento da escolha. É como em um restaurante com cardápio muito variado: o cliente costuma ter dúvidas sobre o que pedir e então conta coma ajuda de quem entende – neste caso, o garçom.

Além disso, a transformação digital ainda permitiu que o trabalho do corretor se tornasse mais humano e produtivo. Como as aplicações digitais liberam o profissional de tarefas repetitivas para se concentrar nas reais necessidades de quem o procura para comprar ou vender um imóvel, a tendência é que o corretor tenha mais condições de estabelecer relacionamentos de confiança com toda sua cartela de clientes. Neste sentido, é ainda mais importante que o corretor saiba estabelecer conexões genuínas com seus clientes, exercendo empatia genuína e entendendo a fundo do que cada pessoa precisa.

Assim como qualquer carreira em transformação digital, como é o caso do marketing, finanças e RH, o corretor de imóveis deve ser inovador, desenvolver habilidades de aprendizado contínuo e ter facilidade de adaptação, e dar uma especial atenção para a necessidade de reciclagem constante, com a participação de cursos, palestras e eventos de aperfeiçoamento profissional. Aprender nunca é demais.


  • Lívia Rigueiral é CEO do Homer e sócia-investidora da venture builder Ipanema Ventures. Engenheira de formação, a executiva ainda colaborou como Gestora de Produto e Projetos da CorretorVIP.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.