Clima, influência tecnológica, democracia instável e demografia: as megatendências que a União Europeia aponta como as principais forças de influência até 2050

União Europeia -
região destruida por tempestades na alemanha. foto: fotos públicas
Foto: Serviço médico do Bundeswehr / Fotos Públicas

Carlos Plácido Teixeira
Jornalista I Radar do Futuro

Mapa de países da união europeia. nomes de países membros da ue, ilustração  de mapas de localização da terra da europa | Vetor Premium

As alterações climáticas no contexto dos desafios ambientais são um tema prioritário na agenda de preocupações da União Europeia para o futuro. Neste ano em que tragédias climáticas severas impactaram vários países da região, o compromisso fica reforçado com o lançamento , agora em setembro, do relatório “Prospectiva estratégica de 2021 – reforçar a capacidade e a liberdade de ação da UE a longo prazo”. O documento apresenta dados, informações e análises que fundamentam a definição de quatro megatendências geradoras de grande impacto sobre a região.

São temas que devem receber a atenção especial no desenvolvimento de estratégias futuras dos governos. A comissão responsável pelo estudo também identifica dez áreas de ação com potencial para impulsionar a autonomia estratégica aberta e viabilizar a liderança global até 2050 da UE. Além da questão climática, a hiperconectividade digital e transformação tecnológica; pressão sobre a democracia e os valores e mudanças na ordem global e demografia são as outras tendências globais enfatizadas, como variáveis que, segundo as lideranças europeias, afetam a capacidade e a liberdade de ação da UE.

A produção dos estudos, desenvolvida com estratégias de prospecção de futuros, demonstra a preocupação com estratégias de antecipação multidisciplinar sobre a autonomia dos países integrantes da organização na ordem global. O cenário previsto para os próximos anos até 2050 avalia um planeta cada vez mais multipolar e de confrontação entre as nações.

A partir de 2020, todos do anos serão realizadas novas rodadas de prospecção de cenários com o objetivo de descrever as tendências e questões emergentes, olhando para a frente como eles podem evoluir ao longo do tempo e olhando para as oportunidades e riscos que envolvem. O relatório destaca formas como a UE pode começar a aproveitar os benefícios de acontecimentos positivos e formas de transformar riscos em potenciais favoráveis. 

“Os cidadãos europeus sentem quase diariamente que os desafios globais, como as alterações climáticas e a transformação digital, têm um impacto direto nas suas vidas pessoais”, avalia a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. Partiu dela a proposta de produção dos relatórios anuais de prospectiva estratégica, com base em ciclos completos de reflexões, para informar as prioridades do discurso anual sobre o estado da União, o programa de trabalho da Comissão e a programação plurianual.

A executiva avalia que todos os europeus já sentem que a democracia e os valores europeus devem estar no centro das atenções, tanto externa como internamente, ou que a Europa necessita de adaptar a sua política externa devido a uma ordem global em mutação. Assim, diz ela, “as informações precoces e melhores sobre as tendências vão ajudar a resolver questões importantes a tempo e a conduzir a a União Europeia em um rumo positivo.”

Megatendências globais segundo a União Europeia

Ós temas prioritários que tendem a impactar as decisões estratégicas sobre o futuro da região

Mudanças climáticas e outros desafios ambientais

As mudanças climáticas continuarão a se acelerar. Na trajetória atual, o aquecimento global provavelmente ultrapassará 1,5 ℃ nos próximos 20 anos e atingirá 2 ℃ em meados do século, piorando a pressão sobre a segurança da água e dos alimentos em todo o mundo. Em 2050, espera-se / projeta-se que 200 milhões de pessoas anualmente precisarão de assistência humanitária, em parte devido aos efeitos ecológicos. O estresse climático desafiará grupos vulneráveis ​​e contribuirá para impulsionar o deslocamento e a migração da população, a proliferação de conflitos e possíveis violações dos direitos humanos fundamentais.

Hiperconectividade digital e transformações tecnológicas

O número de dispositivos conectados globalmente pode aumentar de 30,4 bilhões em 2020 para 200 bilhões em 2030. O aumento da conectividade de objetos, lugares e pessoas resultará em novos produtos, serviços, modelos de negócios e padrões de vida e trabalho. A ambição de liderança global da Europa nas transições poderia posicioná-la fortemente em um mercado lucrativo emergente e criar novos tipos de trabalho, por exemplo, empregos verdes, em setores estabelecidos e emergentes.

A aceleração tecnológica e a digitalização transformarão cada vez mais áreas inteiras da sociedade, a economia, os mercados de trabalho, a indústria e o setor público, e podem representar um novo capítulo da hiperconectividade e da globalização nos serviços (das finanças ao turismo), a economia de dados, economia circular, produção primária e manufatura avançada.  

Pressão sobre a democracia e os valores

Em 2020, 34% da população mundial vivia em países onde a governança democrática estava em declínio. E apenas 4% em países que estavam se tornando mais democráticos. A desinformação em grande escala, alimentada por novas ferramentas e plataformas online, representará desafios crescentes para os sistemas democráticos e conduzirá um novo tipo de guerra de informação.

A pressão sobre os modelos democráticos de governança e valores provavelmente persistirá. A contestação geopolítica entre os modelos de governança, a polarização interestadual e as tensões ligadas às diferenças ideológicas devem continuar.

Mudanças na ordem global e na demografia

Há mudanças e fragmentações na ordem global. O mundo está se tornando cada vez mais multipolar, com o centro de gravidade econômico deslocando-se para o leste. Hoje, o peso econômico dos ‘7 emergentes’ (Brasil, China, Índia, Indonésia, México, Rússia e Turquia) equivale a cerca de dois terços do peso dos países do G7 (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, o Reino Unido e Estados Unidos), representando cerca de 40% do PIB global. 

O crescimento populacional permanecerá desigual entre as regiões, continuando na África Subsaariana e estagnando em muitas economias avançadas. A população mundial deverá atingir 8,5 bilhões em 2030 e 9,7 bilhões em 2050, enquanto a parcela da população da UE deverá cair para 4,3%.

10 áreas estratégicas de ação

O Relatório de Prospectiva Estratégica de 2021 prepara o terreno para políticas e compromissos concebidos e preparados para o futuro, para colocar a UE na melhor posição para alcançar os seus objetivos políticos a longo prazo e desempenhar um papel estratégico numa ordem global multipolar e contestada . Sublinha a importância de políticas internas e externas conjuntas e apela a uma abordagem abrangente.

A UE continuará a alavancar as suas estreitas parcerias internacionais para promover a paz, a estabilidade e a prosperidade, apresentar uma frente unida contra actores hostis e desafios comuns e cumprir a promessa de progresso. Ele fortalecerá relações mutuamente benéficas com seus vizinhos e parceiros mais distantes. Ele vai assumir a liderança na cooperação multilateral eficaz , ao mesmo tempo proteger os cidadãos da UE e para a economia de práticas desleais e abusivas.

Graças ao processo de prospectiva, as 10 áreas foram identificadas como estratégicas para garantir a liberdade e a capacidade de ação da UE nas próximas décadas:

Garantir sistemas alimentares e de saúde sustentáveis ​​e resilientes

Embora os sistemas de saúde e alimentação da UE estejam entre os mais avançados do mundo, a UE deve reduzir as dependências estratégicas de países terceiros para certos produtos essenciais, incluindo produtos farmacêuticos. A atual pandemia demonstrou a necessidade de uma revisão completa das estruturas e mecanismos da UE para a prevenção e resposta às ameaças transfronteiriças para a saúde. Uma União Europeia da Saúde reforçaria a capacidade da UE para enfrentar as crises de saúde que se avizinham.

Além disso, a adoção de um quadro legislativo para um sistema alimentar sustentável da UE poderia garantir que todos os alimentos colocados no mercado único são cada vez mais sustentáveis. A biotecnologia pode desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento de maneiras inovadoras e sustentáveis ​​de proteger as colheitas de pragas, doenças e os efeitos das mudanças climáticas.

Garantindo energia descarbonizada e acessível

Assegurar um fornecimento suficiente de energia descarbonizada e acessível é um marco importante no caminho para uma Europa mais verde e digital. A redução da dependência da UE em relação aos combustíveis fósseis envolve o aumento da utilização de energias renováveis ​​e a rápida diversificação do abastecimento de energia da UE. Requer também o desenvolvimento de infraestruturas energéticas, bem como novas soluções com baixo teor de carbono e amigas do ambiente na UE e com os principais parceiros de países terceiros.

Alcançar o seu objetivo de neutralidade climática até 2050 poderia ajudar a UE a reduzir a sua dependência energética, de cerca de 60% atualmente, para 15%. Isso deve ser apoiado por progressos significativos na economia circular.

Reforçar a capacidade de gestão de dados, inteligência artificial e tecnologias de ponta

A soberania digital da Europa dependerá da sua capacidade de armazenar, extrair e processar dados, ao mesmo tempo que satisfaz os requisitos básicos de confiança e segurança e respeita os direitos fundamentais. O principal desafio será posicionar firmemente a UE no desenvolvimento e produção de tecnologias de próxima geração, como semicondutores. A UE deve garantir o acesso a dados abertos, seguros e transparentes e a ligações com elevada classificação de dados. Deve também salvaguardar sua vanguarda no desenvolvimento e implantação de inteligência artificial confiável.

Garantir e diversificar o fornecimento de matérias-primas críticas

As matérias-primas críticas são essenciais para o sucesso das transições ecológicas e digitais da UE. Uma combinação inteligente de políticas industriais, de pesquisa e comerciais com parcerias internacionais poderia garantir um fornecimento diversificado e sustentável. Na maioria dos casos, a indústria está mais bem posicionada para reduzir as dependências estratégicas. O aumento da capacidade interna de matérias-primas primárias e secundárias poderia se basear no Plano de Ação sobre Matérias-Primas Críticas e no Plano de Ação da Economia Circular. Novas formas de obter recursos, como o fundo do mar e a mineração espacial, devem ser exploradas mais a fundo.

Garantir a posição global de pioneiro no estabelecimento de normas

As normas beneficiam as empresas na UE ao garantir a interoperabilidade e a segurança, reduzem os custos e facilitam a integração das empresas na cadeia de valor e no comércio. O histórico de realizações da UE na definição de regras internas e normas internacionais fornece uma base sólida para uma «vantagem do pioneiro» para salvaguardar e promover os interesses, garantindo simultaneamente a protecção e a segurança dos cidadãos da UE.

Criação de sistemas econômicos e financeiros resilientes e preparados para o futuro

O sistema financeiro da UE está passando por mudanças profundas em consequência das mudanças climáticas e tecnológicas e também do Brexit. A determinação política sustentada para remover os obstáculos remanescentes à integração do mercado e implementar plenamente a União dos Mercados de Capitais e a União Bancária é essencial para reforçar a capacidade da UE para absorver choques e construir mercados financeiros internos mais sólidos. O sistema financeiro da UE também desempenha um papel fundamental no financiamento da transição para uma economia neutra para o clima e no apoio à resiliência aos riscos colocados pelas alterações climáticas e pela degradação ambiental. O lançamento de um euro digital também pode criar novas oportunidades para os cidadãos e as empresas.

Desenvolver e reter competências e talentos que correspondam às ambições da UE

A futura mão-de-obra da UE será provavelmente mais pequena, mas mais bem educada e mais capaz de se adaptar à natureza mutável do trabalho, da automação e da inteligência artificial. Por conseguinte, a UE tem de garantir uma educação e formação de alta qualidade, incluindo uma educação digital eficaz. Eliminar as disparidades salariais entre homens e mulheres também melhoraria as taxas de emprego. Será necessário apoio contínuo ao emprego jovem por meio de esquemas de apoio direcionados, inclusive por meio de empregos verdes recém-criados. Uma visão positiva de longo prazo sobre a migração será importante para os mercados de trabalho no futuro.

Reforçar as capacidades de segurança e defesa e o acesso ao espaço

A UE tem de continuar a promover a paz, ao mesmo tempo que trabalha com os seus parceiros na diplomacia preventiva. O reforço da confiança e da coordenação entre os estados-membros, bem como o reforço da capacidade para antecipar melhor os desafios e riscos, pode dar à UE uma maior capacidade de ação em matéria de defesa e segurança. O maior desenvolvimento das capacidades de defesa autóctones aumentaria a capacidade da UE de promover uma ordem internacional baseada em regras, ao mesmo tempo em que reforçaria o papel dos estados-membros da UE na NATO.

Neste contexto, é essencial que a UE apoie o acesso ao espaço autónomo, fiável e económico, pois é fundamental para comunicações eficazes, observação da Terra, produção e segurança.

Trabalhar com parceiros globais para promover a paz, a segurança e a prosperidade para todos

Para aumentar a sua autonomia estratégica aberta no contexto das mudanças económicas e demográficas para o oriente, a UE tem de reforçar as coligações de países com ideias semelhantes em prioridades-chave e intensificar os esforços diplomáticos para reunir apoio para suas iniciativas. A UE terá de prosseguir a realização de parcerias de conectividade mais globais e ambiciosas com países e regiões específicos.

A UE deve também reforçar as suas parcerias com organizações internacionais fundamentais para a estabilidade europeia e global e ajudar a reformar as agendas. O multilateralismo deve se adaptar para permanecer adequado ao propósito.

Fortalecimento da resiliência das instituições

As instituições públicas e administrações precisam responder às preocupações da sociedade e ser eficazes na aplicação de políticas. A UE e os Estados-Membros precisam de uma governação antecipatória e de ferramentas orientadas para o futuro com base na ciência e nos dados, como a previsão estratégica, para avaliar a relevância dos riscos iminentes e se equipar melhor para lidar melhor com as crises. Uma maior preparação também implica um melhor monitoramento da resiliência para enfrentar os desafios e passar pelas transições de maneira sustentável, justa e democrática.

Megatendências: confira o relatório da União Europeia

Relatório prospectivo 2021

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.