LAR Imóveis prepara o lançamento de um aplicativo que a empresa define como inovador
LAR Imóveis prepara o lançamento de um aplicativo inovador para busca de ofertas

Carlos Teixeira
Radar do Futuro

Empresa tradicional no mercado imobiliário mineiro, a LAR Imóveis prepara o lançamento de um aplicativo que a empresa define como inovador. A solução, baseada em filtros de busca, possibilita ao comprador ou locador de imóveis comerciais ou residenciais identificar as ofertas disponíveis em torno de um ponto de referência. Uma escola, um clube ou um shopping, por exemplo.

O sistema é resultado de um ano de desenvolvimento, com a proposta de inovar em relação ao que existe no mercado. O cliente pesquisa a partir de um ponto específico, uma “âncora para o cliente”, segundo a definição de Hermano Rodrigues, diretor de inovação da empresa. O investimento em inovação reflete a convicção de que a digitalização amplia a influência nos processos envolvendo todos os tipos de imóveis.

Quem passou a conviver apenas agora com as imobiliárias não tem a menor ideia do que era a atividade no passado. E no que está se transformando. Hoje, as equipes são focadas em atendimento digital. E em gestores que incorporam a mudança de mentalidade empresarial, focados na antecipação das tendências que vão revolucionar o mercado.

Os administradores que estão chegando, da geração nascida e crescida no ambiente da computação e da internet, tendem a mudar as definições sobre os conceitos de imobiliárias. Agora, há mudanças de modelos de negócios como objetivo. E há a introdução da linguagem em que clientes são os leads, há jornada de compras e uma atenção especial com a experiência do cliente. A valorização da experiência do consumidor faz parte da alma do negócio.

Mudanças exponenciais

Características das corretoras imobiliárias do passado estão sendo substituídas irremediavelmente. Quando Luiz Antônio Rodrigues iniciou as atividades da LAR Imóveis, há mais de 40 anos, havia uma dependência absoluta dos classificados de jornais impressos. Os anúncios em papel representavam uma das principais fontes de despesas das imobiliárias. Plantões de corretores eram essenciais, apenas para aguardar telefonemas que podiam nem mesmo vir. 

O fim da receita com os classificados representou uma parte considerável da crise atravessada pelos veículos de comunicação atualmente. E o desenvolvimento da telefonia celular e de novas mídias eliminou a dependência de corretores disponíveis em endereços físicos para receber ligações. Basta um celular para atender a qualquer momento, de qualquer lugar.

“Hoje temos maior nível de profissionalização”, reconhece Luiz Antônio Rodrigues. O empresário mantém uma rede com cinco unidades em Belo Horizonte por conta da crença, compartilhada por outros proprietários de empresas, de que ainda é necessário manter os pontos de referência para relacionamento com os clientes potenciais e os já conquistados. 

O reposicionamento é essencial no atual momento em que o segmento atrai fortes interesses. Segundo especialistas, existem hoje mais de 200 startups imobiliárias recebendo investimentos e revolucionando o setor. As empresas sentem — muitas se ressentem, na verdade — das mudanças dos comportamentos. As novas gerações têm o smartphone como extensão do corpo e buscam novos modelos de trabalho e de moradia.