O papel das vacinas da Índia no abastecimento para o Brasil e o mundo

0
91
Para países como o Brasil, a Índia terá papel essencial para a imunização da população. O país tem a Serum, maior produtora de vacinas do mundo

Carlos Teixeira
Radar do Futuro

Talvez uma grande surpresa para os brasileiros, assim como para populações de outras partes do mundo, o papel da indústria farmacêutica indiana não apenas será crítico para atender às necessidades domésticas de mais de 1,3 bilhão de habitantes, mas será igualmente importante para o resto do mundo, incluindo economias ricas. Em artigo publicado no site F1000 Research, o professor de epidemiologia e saúde global Philippe Guerin, da Universidade de Oxford, alerta que enquanto o mundo enfrenta a urgência da pandemia Covid-19, os formuladores de políticas devem planejar a resposta direta ao surto, minimizando seu impacto colateral tendo em mente a importância dos fornecedores indianos.

“No contexto da pandemia Covid-19, a dependência global dos genéricos indianos provavelmente se tornará um desafio internacional complexo”, assinala o especialista. Não há substitutos confiáveis ​​para o fornecimento de APIs, nem capacidade de produção disponível e, mais importante, qualquer país potencialmente capaz de estabelecer manufatura provavelmente se concentrará nas necessidades nacionais e não na exportação ou na ajuda ao desenvolvimento.

A mitigação e o controle do surto de Covid-19 na Índia são, portanto, de extrema importância não apenas para a própria Índia, mas para o mundo. Sua capacidade de importar matérias-primas, fabricar e exportar medicamentos não apenas determinará como a maioria dos países de baixa renda será capaz de responder ao surto, mas também afetará os países de alta renda. Como um componente importante da economia indiana, o estado de sua indústria farmacêutica também determinará o impacto da pandemia em um quinto da população mundial. Historicamente, a Índia demonstrou compromisso ao mais alto nível para garantir a saúde de milhões de pessoas em todo o mundo com uma indústria farmacêutica dinâmica e resiliente. Medidas excepcionais devem ser tomadas para apoiar e manter a operacionalidade das unidades de produção.

Os governos e organizações internacionais que dependem da Índia para seus suprimentos devem olhar além de suas demandas individuais e apoiar a cadeia de suprimentos farmacêutica indiana. É necessário examinar os planos de contingência para garantir o acesso a APIs e medicamentos em todo o mundo. Espera-se que, em alguns meses, ferramentas de diagnóstico, medicamentos e vacinas sejam aprovadas pelas agências reguladoras de medicamentos para diagnosticar, tratar e prevenir infecções por Covid-19. A produção em grande escala desses produtos farmacêuticos exigirá o apoio total de toda a indústria farmacêutica global. Considerando a capacidade de produção das empresas indianas, seu engajamento será crítico para o resto do mundo, bem como para a Índia, para retornar a algum tipo de normalidade pós-pandemia.

No texto, ele apresenta uma análise geral sobre o desenvolvimento e o papel estratégico do sistema produtivo do país. Manter a cadeia de abastecimento de produtos farmacêuticos não é apenas fundamental para cobrir a resposta médica imediata, mas será fundamental para reduzir a interrupção do sistema de prestação de cuidados de saúde, que requer medicamentos constantes, ferramentas de diagnóstico e vacinas para um bom funcionamento.

Sinais da crise

Philippe Guerin assinala a percepção de que a pandemia Covid-19 surgiu como uma crise de saúde global sem precedentes. Embora a extensão das ramificações ainda esteja para ser estabelecida, é evidente que ela terá um grande impacto no comércio global tanto no futuro imediato como distante. A cadeia de abastecimento de produtos farmacêuticos globais provavelmente será afetada. E o impacto no acesso global aos medicamentos, especialmente em países de baixa e média renda, terá consequências dramáticas.

Entre os anos de 2018 e 2019, a Índia exportou quase US$ 19 bilhões em produtos farmacêuticos para mais de 200 países, dos mercados altamente regulamentados da América do Norte e Europa a países com capacidade limitada da indústria farmacêutica, como a maior parte da África Subsaariana (ASS) 2 . O Departamento de Produtos Farmacêuticos da Índia relata que as formulações e produtos biológicos representam 77% do total das exportações indianas e as empresas indianas fornecem 20% do fornecimento global de genéricos.

As empresas indianas atendem 40% da demanda de genéricos nos Estados Unidos e um quarto da Europa. A Índia é responsável por 12% de todas as fábricas que atendem ao mercado dos Estados Unidos, e 50 empresas indianas têm uma autorização de mercado de pedido de novo medicamento abreviado (ANDA) para mais de 5 mil produtos médicos. Da mesma forma, a Índia tem 622 sites aprovados pela União Europeia e cerca de 1700 produtos com autorização de comercialização da Agência Reguladora de Saúde de Medicamentos do Reino Unido. No geral, a ASS importa quase 70% das suas necessidades farmacêuticas e a Índia também foi o maior fornecedor de medicamentos para a África em 2018, respondendo por um quinto das suas importações de produtos farmacêuticos.

As empresas indianas importam quase 70% de seus medicamentos a granel da China, onde a produção de ingredientes farmacêuticos ativos (APIs) e a logística da cadeia de suprimentos sofreram um grande golpe devido ao novo surto de coronavírus. Ao mesmo tempo, o governo indiano restringiu a exportação de 26 medicamentos a granel e suas formulações, incluindo vários produtos que fazem parte da lista de medicamentos essenciais da Organização Mundial da Saúde (OMS). Ppor exemplo, antibióticos como clindamicina, eritromicina, cloranfenicol, um antirretroviral aciclovir , que no total representam 10% de todas as exportações indianas de acordo com a Reuters. A capacidade de produção da Índia, bem como seu potencial de exportação, em outras palavras, já está impactando o acesso farmacêutico de forma significativa.

Além disso, os fabricantes indianos representam 67% (379) dos 563 produtos farmacêuticos pré-qualificados pela OMS para uma variedade de condições, como diarréia, hepatite (13), HIV / AIDS (197), gripe (10), malária (41), doenças tropicais negligenciadas (3), saúde reprodutiva (21) e tuberculose (93). Um total de 130 desses produtos dependem de APIs provenientes da China. Além disso, 15 empresas chinesas também fabricam 42 produtos pré-qualificados pela OMS.

Sem dúvida, os mais vulneráveis ​​ao choque da desestabilização da indústria indiana serão os mercados institucionais de medicamentos nos países de baixa renda. As empresas indianas, de fato, são responsáveis ​​por mais de 90% do fornecimento de anti-retrovirais (ARV) nos países de baixa renda, financiados por meio de aquisições de doadores. Dois terços dos medicamentos usados ​​por importantes atores globais da saúde, como Médicos Sem Fronteiras (MSF), para tratar HIV, tuberculose e malária são genéricos originados da Índia, bem como tratamentos para algumas doenças tropicais negligenciadas. Da mesma forma, 70% do fornecimento de vacinas pentavalentes ao UNICEF depende do fornecimento de empresas indianas, enquanto uma única empresa indiana elegível ‘Serum Institute of India’ fornece a vacina contra sarampo para o programa Gavi.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.