Segundo relatório, a alta das temperaturas neste ano foram alarmantes

Redação
Radar do Futuro

O ano de 2015 e as temperaturas de janeiro e fevereiro deste ano bateram todos os recordes, segundo relatório emitido pela Organização Meteorológica Mundial. Segundo o alerta da instituição, as mudanças climáticas avançam a uma velocidade “sem precedentes”.

De acordo com um comunicado do novo presidente da organização, Petteri Taalas, as mudanças climáticas nos primeiros dois meses deste ano elevaram-se a novos patamares, seguindo um ano de 2015 que já tinha “batido todos os recordes por uma ampla margem”.

“A alarmante taxa de mudanças que estamos registradas no nosso clima, como resultado das emissões de gás com efeito de estufa, não tem precedentes nos registos modernos”, acrescentou o responsável. Já no ano passado, salientou Taalas, estas alterações tiveram como efeito uma diminuição do gelo nos oceanos e eventos meteorológicos extremos em diferentes regiões do planeta.

A subida das temperaturas neste ano foram especialmente alarmantes, como um “estalo na cara”, disse o diretor do Programa de Pesquisa sobre o Clima Mundial, Dave Carlson, quando apresentava o relatório aos jornalistas, em Genebra.

“Há uma tendência de aumento [das temperaturas] incontrolável”, assinalou, acrescentando que “as chocantes altas temperaturas até agora, neste ano, mandaram ondas de choque para toda a comunidade científica que estuda o clima”.

Fevereiro foi o mês mais quente desde que há registos modernos, com uma temperatura média de 1,21 graus Celsius acima da média do século XX.

“O nosso planeta está enviando uma mensagem poderosa aos líderes mundiais para que assinem e implementem o Acordo de Paris agora, antes de passarmos o ponto de não retorno”, disse o responsável. Ele ressalta que “os planos e acordos nacionais que foram até agora adotados não são suficientes para impedir um aumento da temperatura de três graus”, o dobro do que foi acordado em Paris.

* Com informações de Jornal de Notícias, de Portugal

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.