Farmacêutico: as oportunidades reservadas para futuro da profissão

0
423
farmacêutico: imagem ilustrativa de um profissional avaliando tubos de testes person holding test tubes
Farmacêutico: Photo by Polina Tankilevitch on Pexels.com

Combinação de variáveis, desde tecnologias até mudanças sociais, traz novas oportunidades para profissionais e sinaliza futuro próspero para quem deseja ser farmacêutico

Uma das piores experiências dos indivíduos, o tratamento de câncer tende a ser enfrentado com novas armas ainda nesta década. A artilharia de recursos de enfrentamento à doença será fornecida por pesquisas e estudos desenvolvidos por áreas de suporte à medicina. Como a farmacêutica. Em um cenário em que as intervenções genéricas, como a quimioterapia, dão espaço para procedimentos individualizados, o profissional farmacêutico tende a ganhar relevância cada vez maior.

O tratamento será personalizado, em resumo, com o apoio de remédios biológicos. A medicina de precisão, substituta das práticas empíricas tradicionais, preconizadoras do tudo igual para todo o mundo, já está sendo viabilizada em instituições de pesquisas no mundo. Na indústria farmacêutica, há quem aposte em uma nova era.

Principais empregadoras, as farmácias tendem a buscar novas regulamentações que possibilitem ao profissional realizar testes rápidos e aplicar outras tecnologias. As unidades funcionarão como centros de saúde, integrados não só com profissionais em atividade presencial mas, também, a distância.

Contexto

A profissão farmacêutica se beneficia das perspectivas de inovação e das necessidades humanas em suas diversas áreas. É uma área que vive de inovação. Agora, as condições ideais para o salto exponencial da combinação de conhecimentos científicos com tecnologias estão prontas. Mesmo com o cenário adverso no Brasil, onde os cortes em investimentos públicos e o cenário econômico criam grandes incertezas, a atividade para empresas e profissionais vai continuar a gerar novos campos no futuro.

Entidades calculam que hoje existem entre 70 e 135 especialidades que favorecem contratação de farmacêutico. Desde análises clínicas, especificação de medicamentos, cosmética, acupuntura, perícia criminal e área ambiental. Hoje, todas as unidades de farmácias são obrigadas a ter um profissional responsável. Órgãos reguladores favoreceram a profissionalização do mercado. As redes de farmácias respondem por 56% das contratações, seguidas pela administração pública em geral, com 15,1% do total.

Pontos fortes

  • É da área de saúde: profissional exerce serviço essencial
  • Profissão regulamentada e protegida por conselho profissional
  • Diversidade de opções de mercado
  • Demanda habilidades técnicas muito especificas
  • Atividades não rotineiras
  • Requer habilidades humanas de relacionamento, empatia
  • Formação acadêmica oferece conhecimento nas diversas áreas da atuação farmacêutica.

Pontos fracos

  • Concorrência crescente entre novos profissionais
  • Concorrência com profissões com áreas de sombra
  • Atividade de conflito com os interesses econômicos, priorizando os aspectos éticos
  • Pouca divulgação da importância das atividades farmacêuticas 
  • Profissionais despreparados no mercado de trabalho 

Forças de mudanças

Até 2025 serão criadas inúmeras terapias com mecanismos como os tratamentos genéticos, entre outras oportunidades em consolidação, que impactam positivamente nas perspectivas do mercado para empresas e profissionais. Há um mundo vasto. Hoje são conhecidas algo entre 5 mil a 8 mil doenças raras, em busca de remédios, afetando de 27 a 63 milhões de pessoas no mundo, representando 6 a 8% do total do público alvo de novos medicamentos.

Oportunidades

  • Atividade em evolução: novos mercados
  • Demandas: doenças sem remédio
  • Envelhecimento da população
  • Avanços tecnológicos
  • Desconcentração geográfica da população
  • População cresce, mesmo que mais lentamente
  • Alta incidência de problemas decorrentes de más práticas
  • Formulação de novos medicamentos
  • Reconhecimento pela sociedade da importância da Assistência Farmacêutica nos cuidados da saúde. 

Ameaças

  • Número de profissionais crescente: concorrência
  • Queda dos preços dos serviços
  • Tecnologias substitutas de processos: inteligência artificial
  • Concentração de renda: redução da classe média + empobrecimento
  • Esvaziamento do setor público: cortes de investimentos

Tendências

Novos modelos de negócios

Tecnologias que possibilitam o exame e o resultado instantâneo, sem a necessidade de coleta sangue e o uso de reagentes. Medicamentos personalizados. Redes de atendimento desconcentrados. O futuro da profissão passa pela revisão de modelos de negócios. Os grandes laboratórios, fortes contratantes de profissionais farmacêuticos, já se movem rumo à adoção de alternativas, em que o usuário deixa de ir às suas unidades de atendimento.

Arranjos de mercado

Os segmentos produtivos vão se adequando às novas demandas. E desenvolvendo. A atividade se apropria de inovações em processos, matérias-primas e tecnologias digitais para desenvolver os campos tradicionais, com novas abordagens, ou criar mais áreas de atuação.

Confira: Profissões & Setores – Perspectivas da profissão farmacêutica

Depoimento: profissão do futuro

Farmacêutica formada em 1982 na Universidade Federal de Minas Gerais, Maria Goretti Martins Melo comemora pelo menos um aspecto positivo nestes tempos de pandemia. No cenário do atendimento aos milhares de pacientes hospitalizados e à busca acelerada para encontrar e adminiPe4rsstrar produtos que enfrentem a contaminação pelo vírus, a profissão teve ganhos importantes de imagem perante a sociedade.

Agora mesmo, enquanto cresce a urgência de atendimento em unidades de saúde, os farmacêuticos estão na linha de frente para a aplicação correta de medicamentos que salvam vidas e amenizam o sofrimento. Nas unidades de terapia intensiva, a inserção do especialista nas equipes garante a administração com o equilíbrio correto. “O grande desafio é minorar os efeitos das drogas”, atesta Maria Goretti.

Da mesma forma, o papel desempenhado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária tem a participação essencial dos farmacêuticos. A liberação das vacinas, como o processo que ocorreu no domingo, dia 17, depende do conhecimento do farmacêutico e da capacidade de trabalho integrado com outros especialistas.

Otimismo

“Sou muito otimista com a profissão”, garante Maria Goretti. Depois de cumprir uma trajetória que incluiu atividades em uma empresa farmacêutica privada de grande porte e, posteriormente, atividades na vigilância sanitária de Minas Gerais e na Anvisa, atualmente é diretora da M&M Soluções Farmacêuticas, com consultoria, auditoria e assessoria regulatória e jurídica.

Para a farmacêutica, a produção do setor avançou muito, criando um leque grande de oportunidades. No início da década de 1980, a profissão era limitada a algumas poucas especialidades. Hoje, o setor se beneficia do leque de alternativas decorrentes dos avanços tecnológicos. Os insumos são outros, além daqueles que eram utilizados na produção dos remédios tradicionais. Um levantamento do Conselho Federal de Farmácia, existem hoje 135 especialidades farmacêuticas no Brasil. Desde análises clínicas, especificação de medicamentos, perícia criminal, análise ambiental, farmácia clínica, medicamentos biológicos e produção de vacinas.

A nova dinâmica na utilização de insumos farmacêuticos ativos (IFA), decorrentes de processos biotecnológicos, para a fabricação de medicamentos biológicos e biosimilares, demonstra o avanço nas pesquisas nessa área e o envolvimento do profissional farmacêutico. Além de ser uma alternativa para a autonomia do País na produção dos IFAS.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.