pigmentos industria quimica foto pixabayComo estão e quais as perspectivas do mercado de engenharia química?

 Paulo M. Moreira – Estudante, 17 anos

Como estão e quais as perspectivas do mercado de engenharia química?
Creio que seja uma área interessante, já que está relacionada com a produção de alimentos. Imagino também que o mercado está progredindo muito como consequência da evolução da produção de alimentos. A gente vê os transgênicos, novas formas de produção, temas que têm muito a ver com a engenharia química. Fico pensando que juntar a química que eu gosto com a natureza pode ser bom demais.

Paulo,

Antes de mais nada, é importante ressaltar que a engenharia química é uma área de ciência exata. Ou seja, é engenharia em primeiro lugar, desempenhada em ambientes industriais. O profissional trabalha com processos químicos em grande escala. dimensionando equipamentos, projetando procedimentos e acompanhando as etapas da produção.

No processo de escolha de carreiras, há alguma confusão com atribuições de formados em química. Nas indústrias, o químico cumpre tarefas como a realização de experimentos, análises e controles de produtos químicos, principalmente em laboratórios. O engenheiro químico também lida com processos químicos, mas em escala industrial. 

 Outras pesquisas sugeridas

  • Engenharia de alimentos
  • Química

VISÃO DO ESPECIALISTA

Engenharia Química: “Tecnologia para a vida”.

 Prof. Dr. Kássio André Lacerda
Coordenador do Curso de Engenharia Química – Universidade FUMEC.

A Engenharia Química (EQ), nos moldes atuais, tem origem nas universidades alemãs: Göttingen, Giessen, e Heidelberg, que formaram discentes dos cursos de química utilizando conhecimentos de ciência básica aliados aos processos produtivos em grande escala. A abordagem alemã consorciava a formação de profissionais da química com expertise da engenharia mecânica.  Já no século 21, outra ciência, a biologia, integrou-se aos fundamentos da Engenharia Química. Essa maior abrangência de conhecimento, trouxe para os profissionais da Engenharia Química, novos desafios, focados em uma formação pautada por bases cientificas clássicas, tais como: matemática, física e química; bem como, os saberes da biologia e bioquímica.

A sinergia dessas ciências resultou em novas tecnologias, pautadas pela síntese e/ou processamento de substâncias funcionais e com alto grau de complexidade, gerando propriedades superiores às dos materiais naturais e abundantes. Os engenheiros químicos atuais têm habilidades e competências para trabalhos interdisciplinares, transdisciplinares e colaborativos, para o empreendedorismo e para a inovação.

CENÁRIO ATUAL

Na atualidade, os postos de trabalhos dos engenheiros químicos estão nos setores industriais de transformação da matéria. Em geral, são indústrias de processos extrativista, química e petroquímica, transformação, geradoras de energia. Essas indústrias têm experimentado mudanças profundas em suas atividades.

O caminho traçado por esses setores industriais passa obrigatoriamente pelo desenvolvimento das chamadas tecnologias limpas (ou verdes). Nesse cenário, os profissionais da química têm o objetivo de mitigar os impactos ambientais, buscando soluções sustentáveis. Alguns exemplos: Polietileno Verde (derivado da cana de açúcar), bioenergias e biocombustíveis, plantas e alimentos transgênicos (tecnologia genômica), materiais avançados (fulerenos, nanotubos de carbono, grafeno e outros).

CENÁRIO FUTURO

As perspectivas para os setores industriais e seus operadores são bastante promissoras, com destaque para os engenheiros químicos que tenham competências para desenvolver arranjos produtivos de alta tecnologia, sustentáveis nos aspectos econômicos, sociais e ambientais. Com foco no empreendorismo e inovação para produtos e processos produtivos em grande escala, com reduções das emissões.

As tecnologias portadoras de futuro que permitirão avanços significativos, principalmente nos setores extrativistas, agronegócios, geração de energias, transporte de massas, biomédicos, aeroespaciais, dentre outras, são:  

  • Nanotecnologia: está associada à manipulação química em escala molecular para a obtenção de novos materiais com propriedades superlativas.
  • Bioprocessos: atua no processamento de biomateriais a partir de agentes como enzimas e microrganismos.
  • Engenharia metabólica: foca na produção de compostos através da manipulação de caminhos de transdução de sinais, através da Engenharia Genética.
  • Engenharia verde: desenvolvimento de produtos e processos onde o impacto sobre o meio ambiente é nulo ou muito pequeno.
  • Engenharia de tecidos: este campo se preocupa com a modelagem e a produção de biomateriais que mimetizem o funcionamento de órgãos do corpo humano. 

CONCLUSÕES

Segundo o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, a demanda por engenheiros químicos deve crescer lentamente nos próximos anos, até 2024, abaixo de outras engenharias. Pesa no desempenho o fato de que o setor industrial como um todo passa por uma tendência de ajuste da economia global.

Mas a atividade é extremamente dinâmica. Vanguardista, a profissão se beneficia da criação de campos gerados pelas novas tecnologias, migrando para novos campos, como a nanotecnologia, energias alternativas e da biotecnologia, contribuindo assim para sustentar a demanda por serviços de engenharia em muitas indústrias de fabricação.. 

 

SUGESTÃO DE LEITURA

Para você especialmente, segue uma sugestão de leitura:
https://www.quora.com/What-is-chemical-engineering