Como os conflitos por água devem aumentar em meio às mudanças climáticas

0
48
De chuvas erráticas a secas severas, o aquecimento global está aumentando a concorrência por água em todo o mundo, com conflitos relacionados à água.

Uma em cada quatro crianças em todo o mundo estará vivendo em áreas de estresse hídrico extremamente elevado até 2040

Carlos Plácido Teixeira
Radar do Futuro

Mais de dois bilhões de pessoas vivem em países que sofrem de estresse hídrico “alto”. A projeção é do World Resources Institute (WRI), organização não governamental ambientalista e conservacionista, sediada em Washington, nos Estados Unidos. O registro torna ainda mais urgente as ações de conservação de florestas, pântanos e bacias hidrográficas, incluindo aquelas ao redor das cidades. São iniciativas que ajudam a absorver as chuvas, ajudando a conter as perdas das culturas com inundações e secas.

Matéria publicada por Anastasia Moloney, correspondente da América Latina e Caribe da Fundação Thomson Reuters
destaca que do Iêmen à Índia e partes da América Central ao Sahel Africano, cerca de um quarto das pessoas do mundo enfrentam extrema escassez de água que está alimentando conflitos, agitação social e migração. Com a população mundial aumentando e as mudanças climáticas trazendo chuvas mais erráticas, incluindo secas severas, a concorrência por água mais escassa está crescendo, com sérias consequências.

“Se não houver água, as pessoas começarão a se mover. Se não houver água, os políticos vão tentar colocar as mãos nela e podem começar a lutar por isso”, alertou Kitty van der Heijden, chefe de cooperação internacional do Ministério das Relações Exteriores dos Países Baixos. “São ameaças como essas que me mantêm acordado à noite”, disse a diplomata em um webinar organizado WRI. De acordo com o instituto, 17 países enfrentam níveis “extremamente altos” de estresse hídrico, enquanto mais de dois bilhões de pessoas vivem em países que sofrem de estresse hídrico “alto”.

Agravamento do cenário

As mudanças climáticas estão agravando o desafio, disse ela, com cidades como Chennai, da Índia, e cidade do Cabo, da África do Sul, lutando contra severa escassez de água nos últimos anos relacionadas em parte a chuvas irregulares. As disputas sobre a água serviram como ponto de inflamação, gerando instabilidade política e conflitos, disseram os especialistas em água. E “os riscos de disputas relacionadas à água estão crescendo .. em parte por causa da crescente escassez sobre a água”, disse Peter Gleick, co-fundador do Pacific Institute, com sede na Califórnia, que publicou conjuntamente o relatório com a WRI e a The Water, Peace and Security Partnership.

Mas à medida que a escassez de água cresce, os sistemas de água também estão se tornando alvos em outros tipos de conflitos, disse Gleick, cujo instituto compilou uma cronologia dos conflitos hídricos que remonta a 5 mil anos. No Iêmen, anos de combates destruíram a infraestrutura hídrica, deixando milhões sem água potável para beber ou cultivar culturas. Poços e outras instalações de água também foram alvos na Somália, Iraque, Síria e outros países, disse ele.

As secas recorrentes em partes da América Central e do Sahel Africano nos últimos anos desencadearam a migração de agricultores de subsistência, cujas colheitas foram dizimadas por baixas chuvas, buscam refúgio e empregos em outros países. Uma das chaves para combater a escassez de água é aumentar o investimento em mais escassez de água na agricultura, uma indústria que absorve mais de dois terços da água usada pelas pessoas a cada ano, disseram os especialistas.

Busca por soluções

Os agricultores em algumas áreas atingidas pela seca estão mudando para irrigação mais eficiente ou irrigação por gotejamento. E estão usando ferramentas de monitoramento remoto para garantir que apliquem a quantidade certa de umidade no momento certo e no lugar certo. Conservar florestas, pântanos e bacias hidrográficas, incluindo aquelas ao redor das cidades, pode ajudar a absorver as chuvas, ajudando a conter as perdas das culturas com inundações e secas.

“Sempre que possível, essa infraestrutura verde deve ser usada com ou em vez de infraestrutura física tradicional, como barragens, reservatórios (ou) reservatórios”, disse Charles Island, chefe de iniciativas globais e nacionais de água da WRI. Isso é tanto porque pode custar menos e porque incentiva a preservação dos ecossistemas, afirmou. Os especialistas reivindicam que, à medida que a água se torna mais preciosa, as comunidades que vivem em pontos quentes escassos de água devem ser incluídas na tomada de decisões sobre seu uso e gestão.

“Só dessa forma podemos fazer progressos reais”, disse a diplomata Heijden, observando que mulheres e jovens precisam ter uma voz forte nessas decisões. Ela destaca que há uma série de opções disponíveis para lidar com o agravamento da escassez de água. Mas o grande desafio é colocar as alternativas em prática. “Sabemos das muitas soluções que existem, mas para realmente implementá-las ainda enfrentamos muitas barreiras, sejam elas técnicas, financeiras ou em termos de vontade política”, avalia.

Texto original:

Water wars: How conflicts over resources are set to rise amid climate change

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.