As crianças das gerações mais jovens estão sob a ameaça de uma “grave ameaça” de eventos climáticos extremos e à sua segurança.

eventos climáticos extremos
Enchentes município de Trizidela do Vale no estado do Maranhão
Antonio Cruz/Agência Brasil

Carlos Plácido Teixeira
Radar do Futuro

Uma criança nascida em 1960 teria a probabilidade de ser exposta a um fenômeno climático severo, como uma grande enchente ou um furacão, por duas vezes durante a sua infância. Uma outra nascida agora, na década de 2020, pode ser testemunha de uma quantidade de eventos catastróficos duas a sete vezes maior do que a representante da geração dos seus avós. Divulgada pelo site NPR, a projeção é da revista Science, em mais um estudo que reforça as perspectivas pessimistas para o futuro do planeta.

Segundo os cientistas, a taxa atual de aquecimento global e as políticas nacionais que não conseguem fazer os cortes necessários na poluição responsável por reter o calor tendem a garantir que os eventos climáticos, como ondas de calor, continuarão a aumentar em frequência, intensidade e duração. Isso deixa as crianças das gerações mais jovens sob a ameaça de uma “grave ameaça” à sua segurança.

O estudo analisou eventos climáticos extremos, como ondas de calor, secas, quebras de safra, inundações, incêndios florestais e ciclones tropicais. Os pesquisadores usaram dados recentes do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas de 2021. O relatório inclui dados e informações como a expectativa de vida global, tendências populacionais e trajetórias projetadas de temperaturas globais.

As previsões sobre o impacto dos eventos sobre a vida dos mais jovens foram considerados surpreendentes. Pense em um morador dos Estados Unidos, com 60 anos hoje. O neto dele, de seis anos, experimentará o dobro de ciclones e incêndios florestais , três vezes mais inundações de rios, quatro vezes mais quebras de safra e cinco vezes o número de secas . As ondas de calor serão o evento climático extremo mais prevalente, ocorrendo com frequência 36 vezes maior na história da criança de seis anos.

Impactos desiguais

As gerações mais jovens em nações de baixa renda serão as mais afetadas

No Dia Mundial da Água relatório da ONU reforça desafios gerados pelo desequilíbrio da oferta e acesso ao produto essencial à sobrevivência da humanidade - foto: Pixabay

O estudo mostra que eventos climáticos extremos podem afetar as gerações mais jovens em várias regiões do mundo de forma diferente. Pessoas com menos de 25 anos em 2020 no Oriente Médio e no Norte da África provavelmente terão mais exposição a eventos climáticos extremos em comparação com outras regiões. Os pesquisadores afirmam que, em geral, as gerações mais jovens em países de baixa renda enfrentarão a piora do clima a uma taxa mais elevada do que seus pares nos países mais ricos.

Os dados do estudo mostram como a limitação do aumento do aquecimento global e a adaptação de políticas que se alinham ao acordo climático de Paris são benéficas, argumentam os pesquisadores. Mas mesmo assim, as gerações mais jovens ainda são deixadas com “exposição a eventos extremos sem precedentes”, eles escrevem.

Jovens indignados

O site NPR destaca que o lançamento do estudo ocorre no momento em que jovens ativistas do clima se reuniam em setembro em Milão, Itália. A cúpula da Youth4Climate contou com discursos de Greta Thunberg, da Suécia, e Vanessa Nakate, de Uganda, que criticaram os líderes mundiais por não tomarem medidas significativas sobre a mudança climática.

Thunberg, 18 anos, acusou os líderes de muitas palavras vazias. “Isso é tudo que ouvimos de nossos chamados líderes: palavras. Palavras que parecem ótimas, mas até agora não levaram a nenhuma ação. Nossas esperanças e sonhos se afogam em suas palavras e promessas vazias”, disse ela. “Claro, precisamos de um diálogo construtivo, mas eles já tiveram 30 anos de blá, blá, blá. E aonde isso nos levou?”

Nakate, 24 anos, também apontou como as mudanças climáticas afetam desproporcionalmente o continente africano – apesar de suas emissões de carbono serem menores do que a de todos os outros continentes, com exceção da Antártica. “Para muitos de nós, reduzir e evitar não é mais suficiente. Você não pode se adaptar a culturas, tradições e história perdidas. Você não pode se adaptar à fome. É hora de os líderes colocarem perdas e danos no centro das negociações climáticas”, afirmou Nakat.

Simplificação necessária

Articulista do NPR, Rebecca Hersher defende o combate ao “jargão climático’, salientando que cientistas passam a entender a necessidade de buscar mensagens mais claras sobre temas como aquecimento global. Segundo, Hersher, um estudo recente descobriu que alguns dos termos mais comuns na ciência do clima são confusos para o público em geral. O estudo testou palavras que são freqüentemente usadas em relatórios climáticos internacionais e concluiu que os termos mais confusos eram “mitigação”, “carbono neutro” e “transição sem precedentes”.

Um exemplo da complexidade da mensagem é identificável na frase “os humanos devem mitigar o aquecimento global buscando uma transição sem precedentes para uma economia neutra em carbono”. “Acho que a mensagem principal é evitar jargões”, diz Wändi Bruine de Bruin, cientista comportamental da Universidade do Sul da Califórnia e principal autora do estudo . “Isso inclui palavras que podem parecer que todos deveriam entendê-las.”

Por exemplo, os participantes do estudo confundiram a palavra “mitigação”, que comumente se refere a esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, com a palavra “mediação”, que é uma forma de resolver disputas. E mesmo termos simples como “carbono” podem ser enganosos, concluiu o estudo. Às vezes, carbono é uma abreviatura de dióxido de carbono. Outras vezes, é usado para se referir a vários gases de efeito estufa.

Bruine de Bruin reconhece que os especialistas em um determinado campo podem não perceber quais palavras são jargões. É necessário um exercício de simplificação e de empatia, no final das contas. O estudo é a indicação mais recente de que os cientistas precisam se comunicar melhor sobre o aquecimento global, especialmente quando o público-alvo é o público em geral.

A articulista da NPR reforça que uma comunicação clara sobre o clima torna-se mais importante a cada dia porque a mudança climática está afetando todas as partes da vida na Terra. Enfermeiros, médicos, agricultores, professores, engenheiros e executivos de negócios precisam de informações confiáveis ​​e acessíveis sobre como o aquecimento global está afetando seus pacientes, plantações, estudantes, edifícios e empresas.

E as condições climáticas extremas neste verão – de inundações a incêndios, furacões a secas – enfatizam a urgência de uma comunicação clara sobre o clima. “Acho que mais e mais pessoas estão ficando preocupadas por causa dos eventos climáticos extremos que estamos vendo ao nosso redor”, disse Bruine de Bruin. “Espero que este estudo seja útil para cientistas do clima, mas também para jornalistas e qualquer pessoa que se comunique sobre ciência do clima.”

Relatórios acessíveis

Melhor comunicação é uma prioridade para a equipe de cientistas que atualmente trabalha na próxima Avaliação do Clima Nacional, o relatório de mudança climática mais abrangente e voltado para o público dos Estados Unidos. A quinta edição da avaliação sai no final de 2023. “Você não deveria precisar de um diploma avançado ou de um anel decodificador para descobrir uma Avaliação Climática Nacional”, diz Allison Crimmins, diretora da avaliação.

Crimmins diz que uma de suas principais prioridades é tornar as informações do próximo relatório dos EUA claras para o público em geral. Os cientistas do clima e as pessoas que comunicam sobre as ciências do clima têm a responsabilidade de pensar sobre a terminologia que usam. “Enquanto a ciência sobre mudança climática avançou, também avançou a ciência da comunicação climática, especialmente como falamos sobre risco”, diz ela.

Crimmins diz que uma maneira de tornar as informações mais claras é apresentá-las de muitas maneiras diferentes. Por exemplo, um capítulo sobre a seca pode incluir um texto técnico denso com tabelas e gráficos. Essa seção seria destinada a cientistas e engenheiros. Mas a mesma informação poderia ser apresentada como um vídeo explicando como a seca afeta a agricultura em diferentes partes dos EUA, e uma postagem na mídia social com uma versão ainda mais condensada de como a mudança climática está afetando a seca.

As Nações Unidas também têm tentado tornar seus relatórios sobre mudanças climáticas mais acessíveis. O relatório mais recente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU tinha mais de 3.900 páginas e era altamente técnico, mas também incluía um resumo de duas páginas que afirmava os pontos principais em linguagem simples, como: “É inequívoco que a influência humana aqueceu a atmosfera, o oceano e a terra. “

Mas mesmo o resumo simples está repleto de palavras que podem ser confusas. Por exemplo, uma das chamadas declarações de manchete do relatório do IPCC é: “Com o aquecimento global crescente, todas as regiões deverão experimentar mudanças múltiplas e simultâneas nos fatores de impacto climático”. Basicamente, o clima continuará mudando em todos os lugares à medida que a Terra ficar mais quente.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.