Como prever o futuro: 5 variáveis que devem ser percebidas

0
68
A identificação de tendências que possibilitem prever o futuro requer a conscientização sobre a complexidade do ambiente social e mudanças de valores.

Conheça cinco fatores que podem intervir de forma negativa na capacidade de das pessoas que desejam antecipar as tendências para prever o futuro.

Carlos Plácido Teixeira
Jornalista I Radar do Futuro

Talvez nunca se tenha errado tanto nas previsões de início do ano como ocorreu agora, em 2020. Dos astrólogos aos especialistas em futurismo, ninguém cravou com a mínima precisão que seja a possibilidade de ocorrência da pandemia. Olhando o passado após dez meses de isolamento é fácil dizer agora que parecia tudo tão certo neste ano. Os analistas de tendência e de conjuntura esperavam algum crescimento da economia global, mesmo com as incertezas geradas pelos conflitos econômicos criados pelos Estados Unidos, e Olimpíadas no Japão. Um ou outro destacava a possibilidade de fenômenos climáticos severos, como tormentas e secas que estão ocorrendo em alguns cantos.

A pandemia foi o fato extra, inesperado, que mudou toda a trajetória da sociedade, inclusive de quem vive de antecipar acontecimentos possíveis. Alguns dirão que previsões são assim mesmo, imprevisíveis ou incertas. Há quem diga que, diante de duas alternativas, um chimpanzé com uma flecha tem a mesma probabilidade de acertar o alvo de uma previsão do que um especialista com formação em Harvard.

Exageros à parte, a avaliação de acontecimentos futuros possíveis requer algumas habilidades específicas.  

No passado, as pessoas faziam previsões olhando para o céu para identificar se iria chover ou não, por exemplo. Hoje, a antecipação de tendências se tornou profissão para alguns, com utilização de técnicas e estatísticas. Mas nem por isso exata, com podemos perceber nas apresentações sobre o clima dos próximos dias. O fato é que ainda sobrevivem as limitações do previsor e da metodologia usada. Se essas deficiências podem ser identificadas, então a compensação pode ser feita, mas reconhecê-las nem sempre é fácil.

Confira abaixo alguns dos comportamentos que impactam a qualidade das previsões:

1- Super simplificação

As pessoas demonstram a dificuldade de prever o futuro quando não percebem que os fenômenos do mundo são complexos. E preferem prever acontecimentos com base na simplificação levada ao extremo. “A economia vai retomar o crescimento” diz o empresário que decide construir um novo prédio após ouvir apenas um comentarista econômico em quem ele confia. Outra pessoa diz que “não existe o aquecimento climático”, levando em conta a análise de um amigo “que entende muito dessas coisas”.

O ser humano tem enorme dificuldade de enxergar as coisas em suas multiplicidades. Ou seja, quais as variáveis envolvidas. Que interesses estão em jogo. A super simplificação é um artifício de quem, inconscientemente, se recusa a gastar energia cerebral para entender o cenário complexo. A neurociência vem descobrindo que o cérebro prefere economizar energia necessária para o funcionamento do corpo. E realmente é complicado pensar as diferentes variáveis que, por exemplo, estão envolvidas na discussão do futuro da questão climática.

2- Crenças arraigadas

As pessoas têm visão de mundo influenciada pela educação, cultura e ambiente sociais. Somos resultado do meio onde vivemos e adotamos dogmas. E as nossas visões de futuro tendem a refletir tais formações de crenças e valores. Embora possamos fazer todos os esforços para ser objetivos e entender a multiplicidade de variáveis envolvidas nos acontecimentos presentes, que vão impactar o futuro, a objetividade é uma tarefa extremamente difícil.

3- Repetição de padrões

Se algo aconteceu no passado, vai acontecer novamente no futuro. A previsão mais fácil, e possivelmente mais equivocada, é aquela baseada nas tendências passadas e na suposição de que continuarão no futuro. Esta pode ser uma suposição válida para um curto intervalo, mas eventualmente a linha de tendência mudará. Identificar e prever pontos de inflexão é um dos aspectos mais difíceis da previsão. Quanto mais longe se olha para o futuro, é mais provável que eventos imprevistos distorçam a perspectiva. O conhecimento de eventos passados ​​pode ajudar a identificar os ciclos, mas às vezes até os ciclos não se repetem.

4- Dados ruins

Uma previsão quantitativa baseada em dados históricos pode ser distorcida se os dados forem insuficientes ou ruins. Como exemplo extremo, não se pode fazer uma previsão precisa de cinco anos se ela se basear em dados de apenas um ano. E mesmo assim a previsão pode ser falha. Outro problema de dados pode surgir se a previsão for baseada em suposições incorretas. Nessa situação, dados bons são mal utilizados para produzir previsões ruins. Somente uma avaliação crítica pode garantir que uma previsão seja tão precisa quanto possível.

5- Horizonte temporal

As previsões tornam-se menos precisas quanto mais longe no futuro se prevê. Os eventos do próximo mês ou trimestre são facilmente previstos. Assim como a previsão do tempo é baseada em uma probabilidade – 20% de chance de chuva – uma boa previsão de negócios deve incluir uma gama de probabilidades. O intervalo deve ser expandido para incluir a distribuição entre os melhores e os piores resultados. A maioria dos analistas não faz isso e, se o fizerem, a maioria das pessoas que interpretam uma previsão se concentrará em apenas um número – geralmente o mais otimista.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.