No cenário da geopolítica, a cooperação global é mais vital do que nunca

0
371
O grande desalinhamento global é que, no momento, a cooperação é mais vital do que nunca para enfrentar desafios urgentes, está em declínio.
No cenário da geopolítica, a cooperação é mais vital do que nunca para enfrentar desafios urgentes. Mas ela está em declínio.

Carlos Plácido Teixeira
Jornalista I Radar do Futuro

A intenção dos Estados Unidos de utilizar o poder econômico e político para comprar os estoques de remédios em desenvolvimento para combater o coronavírus revela que um “novo normal” da vitória da virtude sobre o mal não virá tão facilmente. O cenário permanece tão complexo quanto sempre na busca por soluções para os problemas gerados pela pandemia. Além da falta de espírito de cooperação de alguns países, como o caso norte-americano, acusado, em abril, de fazer “pirataria de respiradores”, há o risco de uma corrida entre países por ações separadas.

Em artigo publicado no site “The Japan Times”, o presidente do Forum Econômico Mundial, Borge Brende, recorda que, no final de junho, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, já havia alertado que “há total falta de coordenação entre os países”. Ele compara o processo de busca global por uma vacina COVID-19 à corrida espacial entre os Estados Unidos e a União Soviética, onde cada lado procurava “vencer” à custa do outro. “Embora lamentável, não deve surpreender que o coronavírus esteja demonstrando falta de cooperação global e até abrindo uma nova linha de frente para a concorrência”, assinala Borge Brende.

É importante considerar que o alerta parte de um político e diplomata norueguês, do Partido Conservador, presidente de uma instituição que representa os interesses do capitalismo global. O contexto traçado no artigo inclui a constatação de que a pandemia atingiu um mundo já instável. Um cenário de instabilidade em que profundas mudanças de poder estavam ocorrendo e fazendo com que os instintos competitivos ultrapassassem as mentalidades cooperativas. Mas o vírus também pode servir para redefinir esses instintos, lembrando aos atores globais que a coordenação é a chave para avançar não apenas prioridades compartilhadas, mas também interesses próprios.

As preocupações ganham corpo com a percepção de que, hoje, o mundo está ainda mais entrelaçado do que há 12 anos, quando ocorreu a crise financeira que espalhou instabilidade por todo o planeta. O coranavírus, cujos efeitos ultrapassaram fronteiras e indústrias, deixa isso claro. E assim como o coronavírus não respeita nenhuma linha no mapa, ciberataques, emissões de gases de efeito estufa e desafios econômicos desafiam o conjunto dos países. “Somente por meio de ações coordenadas o mundo poderá sair de uma recessão mais profunda do que o esperado em 2020, conforme projeto do Fundo Monetário Internacional, com a produção global diminuindo 4,9%.”, atesta Borge Brende.

Esse momento de crise pode servir de lembrete aos líderes de que a coordenação global é de fato do interesse nacional de cada país. Enquanto os US $ 9 trilhões em medidas combinadas de estímulo que os governos do G20 injetam em suas economias são vitais para a recuperação de cada país, a OCDE afirmou que não apenas a coordenação entre os países tornaria as medidas de estímulo “consideravelmente mais eficazes”, como “ações descoordenadas ou unilaterais” exacerbar os custos sociais e econômicos gerais ”.

Atritos da geopolítica

Borge Brende reconhece que os atritos não são uma novidade em tempos recentes. Eles estavam aumentando antes do surto do coronavírus. O sistema econômico global foi usado nos últimos anos como um mecanismo para sancionar rivais. Basta verificar o comportamento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Eventuais acordos internacionais baseados em uma premissa de ganha-ganha, mesmo que relativos, se transforam em ações de obtenção de vantagem às custas de um concorrente global. No final de 2019, o Fundo Monetário Internacional alertou que o aumento das tensões comerciais representaria um empecilho para o crescimento econômico de aproximadamente US$ 700 bilhões em 2020.

O mesmo aumento no atrito estava se manifestando na área de tecnologia. Depois de anos em que os Estados Unidos e a China identificaram áreas para cooperação em ciência e tecnologia, uma “corrida tecnológica” está se desenvolvendo rapidamente. Essa competição é alta: o número de usuários da Internet passou de 1,6 bilhão durante a crise financeira de 2008 para 4,1 bilhões hoje. E a inteligência artificial pode aumentar o crescimento econômico em até 30% nos próximos 15 anos nos países que dominam a tecnologia. É por isso que existe uma sensação de que controlar – em vez de cooperar – em tecnologias de fronteira é um caminho para ganhos materiais e geopolíticos.

No contexto polarizado de hoje, muitos apontaram a coordenação que ocorreu após a crise financeira de 2008 como um exemplo de partidos que se unem para enfrentar um desafio comum e urgente. Apenas algumas semanas após o colapso do Lehman Brothers, os bancos centrais de todo o mundo coordenaram a redução das taxas de juros. Logo depois, os membros do G20 se reuniram em Washington, DC e emitiram uma declaração conjunta de que estavam “determinados a melhorar nossa cooperação e trabalhar juntos para restaurar o crescimento global e alcançar as reformas necessárias nos sistemas financeiros do mundo”.

A principal lição da crise financeira de 2008 foi que a coordenação não decorreu do desinteresse entre as partes, mas precisamente porque era do interesse de cada parte trabalhar em conjunto. A economia global estava tão interconectada que uma crise financeira em um país afetou os mercados, não apenas em outro, mas em todos os países do mundo.


Fonte: The Japan Times .


Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.