A Cidade do Cabo tem mais tempo para resolver a crise da água. Como ele vai usá-lo? Creative Commons
A Cidade do Cabo, na África, respira aliviada diante do adiamento provisório da falta de água

Radar do Futuro

As administrações públicas de cidades do mundo continuam sendo salvas pela bola na trave da crise de abastecimento de águ. Assim como ocorreu em algumas grandes cidades brasileiras e nos Estados Unidos, uma crise de falta de água pode ser adiada na Cidade do Cabo, na África do Sul.

Iniciativas voltadas à economia do produto essencial deram certo e, alividadas, as autoridades locais anunciaram o prologamento da oferta. A nova data em que a cidade poderá ficar sem água cairá no período chuvoso da região, o que significa que “Dia Zero” não deve chegar até 2019.

A busca por uma solução continua. No início deste ano, havia motivos sérios para acreditar que Cape Town, na África do Sul, se tornaria a primeira grande cidade do mundo a ficar totalmente sem água . Agora, o sinistro prazo “Dia Zero” da crise da água mudou para 27 de agosto, de acordo com estimativas anteriores. Antes, as previsões eram para março ou abril.

O dia 27 de agosto está bem dentro do período do ano em que a região geralmente experimenta chuvas intensas. Como tal, funcionários da cidade disseram que não é mais adequado estabelecer uma data sem levar em consideração essa precipitação, de acordo com um relatório da Buzzfeed.

Ameaça permanece

No entanto, isso não quer dizer que a ameaça acabou. Se houver tão pouca precipitação neste ano como aconteceu em 2017, Day Zero atingirá o início de 2019. Os moradores estão sendo elogiados por seus esforços para conservar a água, o que ajudou a empurrar o Day Zero no próximo ano. O Buzzfeed informa que a Cidade do Cabo normalmente usa cerca de 1,2 bilhões de litros de água por dia, mas, no final, o consumo diário caiu entre 510 e 520 milhões de litros.

Mesmo assim, a cidade exige uma solução a mais longo prazo para suas necessidades de água. A atual crise da água veio de chuvas reduzidas, levando a uma seca de três anos, que é mais provável que aconteça em um futuro com mudança climática.

Houve uma série de sugestões para ajudar a Cidade do Cabo em sua atual escassez, que vão desde dessalinizar a água do oceano até arrastar um iceberg de sete toneladas das ilhas Canárias ( sim, realmente ). Como o site Quartz ressalta, Cape Town também pode aprender de cidades como Melbourne, na Austrália, que manteve hábitos de água mais conservadores após uma seca similar.

Em Melbourne, as medidas obrigatórias e voluntárias no uso da água – que vão desde multas para irrigação diurna do gramado, até descontos para a compra de máquinas de lavar mais eficientes – reduziram o consumo de água quase a metade desde 1996.

O objetivo final ainda é o mesmo, mas o prazo expandido poderia oferecer soluções que não eram viáveis ​​quando restavam apenas semanas até que os recursos estivessem esgotados. A quantidade de chuva que vem nos próximos meses será crucial, e as autoridades terão de tirar o máximo proveito do breve indulto para chegar a um plano de ação.

 

Com informações de Futurism.com