NBIC: novo campo de trabalho ganha impulso no cenário pandêmico

0
107
a man and a woman holding a test tube
um homem e uma mulher trabalham com um tubo de teste
O que é NBIC
Photo by Artem Podrez on Pexels.com

A integração de tecnologias sob a sigla NBIC ganha um cenário favorável com a maturidade dos campos de inovação, sinalizando novas tendências de produtos

Carlos Plácido Teixeira
Jornalista I Radar do Futuro

Quatro amigos de adolescência se encontram em um bar com o objetivo de matar saudades, lembrar das histórias do passado e, claro, saber o que estão fazendo atualmente. Cada um deles seguiu um caminho diferente na formação acadêmica. Um se especializou em nanotecnologia. Outro em biotecnologia, mais outro em tecnologia da informação. E mais outro em ciências cognitivas. As conversas saem das lembranças dos tempos de farra em direção a assuntos sérios. E ao final da noite, todos decidem largar as suas atividades atuais para fundar uma empresa.

Estes quatro especialistas terão identificado a oportunidades geradas pela tendência de formação de um campo profissional que, como outros no cenário pandêmico, ganharam força de aceleração. Nanotecnologia, biotecnologia, tecnologia da informação e ciência cognitiva (NBIC, na sigla em inglês) formam a sigla de um conjunto de tecnologias às vezes chamadas de “tecnologias convergentes para melhorar o desempenho humano”. É um campo de estudos inter-relacionados que muitas vezes se sobrepõem e impacta uns aos outros.

Para os quatro amigos e suas especializações, a junção para criação de uma única estrutura de geração de conhecimento e desenvolvimento de inovações se destina, entre outros objetivos, a melhorar a aplicação da tecnologia à cognição humana, saúde humana e até mesmo às aplicações sociais e comunitárias. Eles enxergam oportunidades crescentes. E argumentam que o uso de tecnologias convergentes, ou princípios NBIC, pode permitir que as populações humanas do futuro sejam mais fortes, saudáveis ​​e capazes em geral.

O momento parece propício. Propostas da convergência das áreas existem desde 2001. As condições ideais estão dadas agora. Os conceitos associados aos projetos geralmente se relacionam com a ideia de “singularidade“, que postula o surgimento da inteligência artificial e um ponto onde as tecnologias se aproximam da mente humana em termos de simulação, colaboração ou outros resultados. A visão de futuro repleto de novos mercados carrega, em si, riscos e dilemas éticos que serão a razão de debates intensos nos próximos anos.

Cada tipo de tecnologia envolvida em NBIC desempenha um papel no quadro geral:

  • A nanotecnologia é importante porque as estruturas orgânicas se desenvolvem a partir da nanoescala.
  • A biotecnologia envolve a aplicação de tecnologia avançada a organismos biológicos.
  • A tecnologia da informação representa um setor específico desses tipos de aplicações.
  • A ciência cognitiva se aplica de várias maneiras à pesquisa relacionada à TI e à busca de itens como tecnologias que mapeiam o cérebro.

A principal característica da convergência NBIC é o fato de que ela aponta para a dissolução gradual das fronteiras estreitas entre as ciências físicas e biológicas.

Technopedia

O relatório “From Bio to NBIC Converge”, produzido pelo Comitê de Bioética do Conselho Europeu, assinala que a busca por convergência tecnológica, ou seja, a combinação de diferentes tecnologias, sempre foi uma fonte importante de inovação, porque os avanços tecnológicos muitas vezes ocorrem nas fronteiras entre tecnologias e setores industriais. Em particular, a convergência da tecnologia da informação em uma ampla gama de disciplinas científicas e processos industriais e de serviço, e em cada aspecto da sociedade, caracteriza a revolução da informação.

O estudo diz que não é nenhuma surpresa que o termo “convergência” foi usado cada vez mais no setor de TI durante a década de 1980. Um exemplo de tal convergência naqueles anos é a mecatrônica, ou seja, a combinação de TI e tecnologias de produção. Uma década depois, a internet resultou da convergência entre TI e tecnologias de comunicação. Durante esse período, o projeto Genoma Humano também forneceu um excelente exemplo de tecnologia convergência: entre biologia e TI (a chamada convergência de BI). O mapeamento do humano o genoma é fortemente dependente do poder do computador. E vice-versa, desenvolvimentos e conceitos de a biologia também inspiraram a comunidade de TI, conforme ilustrado por noções como redes neurais, enxame inteligência e computadores de DNA.

Distinções

Tradicionalmente, as ciências físicas estudavam sistemas não vivos, enquanto as ciências biológicas estudavam organismos vivos. A convergência de NBIC implica em na integração das diferentes áreas destas ciências. Essa fusão ocorre em ambos os sentidos. “Cada um deles representa uma megatendência da bioengenharia que pode ser definida pelos os bordões ‘biologia está se tornando tecnologia’ e ‘a tecnologia está se tornando biologia'”, atesta o relatório europeu.

A convergência NBIC é uma forma frutífera de sinalizar novas tecnologias emergentes. Como resultado das pesquisas e do desenvolvimento de produtos inovadores, o número de maneiras de intervir no corpo humano aumentará muito, não só por meio da biotecnologia, mas cada vez mais também por forma de nanotecnologia e tecnologia da informação. Além disso, devido ao advento das tecnologias cognitivas, nossas mentes irão ser cada vez mais objeto de intervenção.

Ao estudar nossa própria condição humana, as duas megatendências de engenharia podem ser concebidas em termos de três tendências. Primeiro, os seres humanos são cada vez mais vistos como máquinas. O homem como máquina não é uma ideia nova. Já no século 17, René Descartes introduziu um visão de mundo mecanicista. A convergência NBIC está revitalizando a ambição da engenharia para ser capaz de restaurar e melhorar permanentemente o corpo humano. Mas fora do campo oficial da ciência, muitas experimentações também continuam a ocorrer.

Inovações

Por exemplo, uma empresa chamada Foc-us colocou um fone de ouvido no mercado que faz uso de estimulação transcraniana por corrente contínua (tDCS), que deve permitir aos jogadores estimular o seu córtex pré-frontal. Além disso, os membros do movimento biohacking literalmente tenta hackear seu próprio corpo, por exemplo, para adquirir novos sentidos táteis ou visuais. Além de tudo, máquinas se tornam cada vez mais humanóides — ou pelo menos os engenheiros têm a ambição de desenvolver características humanas para que as máquinas possam detectar e retratar o comportamento social e emocional e começar a moldar nosso comportamento.

E, terceiro, as interações entre as pessoas mudam, precisamente porque as máquinas estão cada vez mais penetrando em nossa privacidade e vida social. Isso pode nos fazer pensar na chegada de smartphones e mídias integradas com redes sociais e o uso generalizado de sensores embutidos em todos os tipos de consumidores conectados à produtos – de sapatos “inteligentes” a telefones celulares. As empresas e os membros do movimento do self quantificado prosperam com as oportunidades fornecidas por este processo de ‘sensorização’ para coletar grandes quantidades de dados biológicos.

Consequentemente, a convergência NBIC está criando um ponto de inflexão histórico em que a distância entre a tecnologia e nós diminui rapidamente.

Deixamos a tecnologia entrar em nós, com a nossa aquiescência. E, como resultado, o a tecnologia cada vez mais reúne informações sobre nós e pode até operar como nós, ou seja, imitando facetas de nosso comportamento individual. Em suma, o homem e a máquina são capazes de se fundir a um grau extenso, de modo que dificilmente é uma metáfora dizer que estamos nos tornando mais íntimos com tecnologia. Isso deixa claro que o uso de dispositivos médicos e tecnologias e a coleta e a análise de dados biológicos não é mais reservada à prática de pesquisa médica e saúde.

Cuidados necessários

Nosso estudo mostra que a convergência NBIC está permitindo uma nova onda de tecnologias emergentes. Até
embora muitos desses desenvolvimentos ainda sejam altamente incertos e só possam se materializar no próximo
ou em um futuro mais distante, as questões já estão surgindo desses desenvolvimentos, que podem ser altamente
desafiadores à luz dos atuais marcos éticos e regimes regulatórios.

Estas tecnologias emergentes levantam todos os tipos de questões éticas e sociais bem conhecidas, como segurança, privacidade, autonomia, responsabilidade, integridade física e mental, consentimento informado e acesso à tecnologia. Mas problemas e fenômenos menos conhecidos também estão na mira dos estudos, como questões sobre aprimoramento humano e social, propriedade de dados biológicos, liberdade de informação, competências dos consumidores e medicalização.

Além disso, várias questões intrigantes foram levantadas, tais como: devemos ter o direito de nos aprimorarmos por meio da tecnologia, temos o direito de não ser medidos, analisados ​​e treinados, como evitamos ser manipulados por tecnologias semelhantes às humanas, que tarefas sociais podem nós humanamente delegamos às máquinas, e quais conhecimentos, habilidades e meios financeiros um necessidade individual de usar adequadamente certas tecnologias biomédicas na vida diária?

Em síntese: sobre a NBIC

A nanotecnologia, a biotecnologia, a tecnologia da informação e as ciências cognitivas formariam os blocos constituintes da Convergência Tecnológica do século XXI. Em particular, as nanotecnologias estariam relacionadas aos átomos, as biotecnologias aos genes, as tecnologias de informação aos bits e as ciências cognitivas aos neurônios. É essa combinação de átomos-genes-bits-neurônios que engendraria as megatendências às quais os seres humanos estariam expostos com a evolução das ciências e da tecnologia.

Externalismo ativo e convergência tecnológica nbic : o advento da 2020 hipercognição / Murilo Karasinski

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.