Notas econômicas – 4 a 8 de janeiro de 2021

0
136
médico conversa com paciente na fila da vacinação do reino unido. foto: Fotos públicas
A única certeza é a incerteza: a vacinação prossegue no exterior, enquanto no Brasil a população permanece em dúvidas sobre quando haverá um programa de imunização

Acontecimentos que marcaram o noticiário político e econômico da semana

Paulo Roberto Bretas
Economista e Conselheiro do Corecon-MG

Pesquisa BCG: Quase metade dos brasileiros acredita que irá perder renda neste ano e apenas um a cada cinco crê num aumento, segundo pesquisa concluída em novembro pela consultoria Boston Consulting Group (BCG). Esse cenário leva a um represamento da demanda, que deve ser liberada de forma gradual, após o avanço na vacinação contra a covid-19. (Valor)

Percepção Pessimista: Praticamente sete em cada dez brasileiros têm a avaliação de que a situação econômica do país não irá melhorar nos próximos meses, de acordo com pesquisa Datafolha. Para 41% dos entrevistados, a expectativa é de piora. Para 28%, a situação vai ficar como está, segundo levantamento realizado de 8 a 10 de dezembro de 2020. Para outros 28%, ela vai melhorar. (Valor)

Fim do Auxílio 1: A redução do auxílio emergencial pela metade colocou a renda de cerca de 7 milhões de pessoas abaixo do nível de pobreza de até R$ 5,50 por dia, em outubro de 2020, em relação ao verificado em setembro, e esse número deve subir para quase 17 milhões com a extinção do benefício, de acordo com estudo do pesquisador Vinícius Botelho, do Ibre/FGV.

Fim do Auxílio2: A pesquisa do Datafolha mostrou que o auxílio emergencial ainda era a única fonte de renda para 36% das famílias que receberam pelo menos uma parcela do benefício no ano passado.  (Valor)

Entendendo Economia – CDB: O CDB é um dos títulos de dívida privada mais conhecidos pelos brasileiros para investimentos financeiros com aplicações de longo prazo. São títulos emitidos e garantidos pelos bancos, com aplicações mínimas definidas, para quem procura bons rendimentos, com segurança. Ou seja, trata-se de um título de renda fixa privado, que na data de vencimento, já deposita na conta do aplicador o valor corrigido e líquido de impostos. O rendimento do CDB depende do que foi combinado no momento da aquisição do título, mas é possível conseguir até o dobro da poupança. (Meio)

Ambiente econômico

Indicadores

Confiança Empresarial: Sem auxílio emergencial e com fraca atividade nos setores de comércio e de serviços em meio a aumento de casos de covid-19 no país, a confiança empresarial deve continuar a cair no começo de 2021, informou o superintendente de Estatísticas do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/Ibre) Aloisio Campelo. Ele fez a observação ao comentar o recuo de 0,4 ponto no Índice de Confiança Empresarial (ICE) de dezembro de 2020, para 95,2 pontos. (Valor)

Índice Gerente de Compras: O Índice Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial da IHS Markit para o Brasil foi de 61,5 em dezembro, ante 64,0 em novembro. Segundo a consultoria, apesar da queda, o indicador ainda é consistente com um crescimento acentuado.

PMI Brasil: O Índice Consolidado de Dados de Produção (PMI, na sigla em inglês) do Brasil mostrou expansão dos negócios pelo quinto mês consecutivo em dezembro de 2020, embora tenha recuado ligeiramente em relação a novembro, de 53,8 para 53,5 pontos. A sondagem foi divulgada dia 06-01-2021 pela consultoria IHS Markit, que vê continuidade da recuperação econômica do setor privado brasileiro no último mês de 2020. Números acima de 50 indicam crescimento do nível de atividade. (Valor)

Balança Comercial 2020: A balança comercial brasileira registrou déficit de US$ 41,6 milhões em dezembro, segundo números divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. No mesmo mês de 2019, havia sido registrado um superávit de R$ 5,9 bilhões. Com o resultado de dezembro, a balança acumulou superávit de US$ 50,994 bilhões em 2020, aumento de 7% sobre 2019. No acumulado de 2020, as exportações somaram US$ 209,920 bilhões, queda de 6,1%, pela média diária, em relação a 2019. Já as importações ficaram em US$ 158,926 bilhões, recuo de 9,7% na mesma base de comparação. (Valor)

Taxa de Desocupação: A taxa de desocupação chegou a 14,2%, o maior percentual da série histórica da Pnad Covid, segundo pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) iniciada em maio do ano passado para mensurar os efeitos da pandemia no país. Esse indicador considera o mercado informal de trabalho, autônomos e funcionários públicos. (Valor)

Balança Comercial 2021: Em 2021, a balança comercial brasileira deve registrar um superávit de US$ 53 bilhões, prevê a Secex. O saldo representaria alta de 3,9% sobre 2020. As exportações devem somar US$ 221,1 bilhões, alta de 5,3% sobre 2020. Já as importações devem ficar em US$ 168,1 bilhões, aumento de 5,8%. A corrente de comércio deve somar US$ 389,2 bilhões, alta de 5,5% em relação a 2020. (Valor)

Bitcoin: A criptomoeda bateu mais um recorde e atingiu, pela primeira vez o valor de US$ 34 mil. Em dezembro, fechou com uma alta de 50%, quando ultrapassou inéditos US$ 20 mil. Para Antoni Trenchev, sócio-gerente e cofundador da Nexo em Londres, a moeda pode chegar a US$ 50 mil no primeiro trimestre de 2021. A alta tem sido motivada pela injeção de recursos dos bancos centrais e também pela entrada de mais empresas e investidores nesse mercado. (Globo) (Meio)

Finanças

Relatório Focus 1: A mediana das projeções do mercado para o desempenho da economia brasileira em 2020 saiu de recuo de 4,40% para baixa de 4,36%, conforme o Relatório Focus, do Banco Central (BC), divulgado dia 04-01-2021 com estimativas coletadas até 31-12-2020, vindo de um piso de queda de 6,54% no fim de junho de 2020. Para 2021, o ponto-médio das expectativas para a variação do Produto Interno Bruto (PIB) foi reduzido de 3,49% para 3,40% de crescimento. (Valor)

Relatório Focus 2: A mediana das projeções dos economistas do mercado para a inflação oficial em 2020 caiu ligeiramente, de 4,39% para 4,38%. Para 2021, o ponto-médio das expectativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) também foi revisada para baixo, de 3,34% para 3,32% de aumento. (Valor)

Relatório Focus 3: A mediana das estimativas do mercado para a taxa básica de juros (Selic) no fim de 2021 saiu de 3,13% para 3%, entre os economistas em geral. (Valor)

Relatório Focus 4: A mediana das estimativas para o dólar no fim de 2021 foi mantida em R$ 5,00.

Inflação do Produtor: O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que mede inflação das indústrias extrativa e de transformação, aumentou 1,39% em novembro de 2020, informou o IBGE. O indicador mede a variação dos preços dos produtos na porta de fábrica, sem impostos e fretes. Foi a menor taxa desde junho de 2020 (0,60%). Em outubro de 2020, o IPP havia subido 3,41%, taxa revisada de alta de 3,40%. No acumulado do ano até novembro de 2020, o índice somou 18,92% de alta, em 12 meses, acumulava taxa de 19,69%. (Valor)

Inflação da Baixa Renda: O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) subiu 1,39% em dezembro de 2020, 0,44 ponto percentual acima do apurado um mês antes, quando o índice registrou taxa de 0,95%, informou a FGV. Com este resultado, o indicador, que mede a variação da cesta de consumo de famílias com renda mensal entre 1 e 2,5 salários mínimos, acumula alta de 6,30% em 2020. (Valor)

Real desvalorizado: Em 2020, o real caiu 22,7% ante o dólar, em termos nominais, um dos piores desempenhos entre as principais moedas. (Brasil 247)

Fluxo Cambial : O fluxo cambial ficou negativo em 27,923 bilhões de dólares, após rombo de 44,768 bilhões de dólares em 2019, ano de maior debandada de recursos por esse canal. O fraco desempenho de 2020 foi puxado pelas operações financeiras – por onde passam fluxos de empréstimos, remessas de lucros e dividendos e investimentos em portfólio, entre outros -, com forte saída líquida de 51,173 bilhões de dólares. Na conta comercial (câmbio contratado para exportação menos o para importação), houve superávit de 23,250 bilhões de dólares. (Brasil 247)

Expansão do Crédito 2021: Os bancos preveem expansão de 7% no crédito em 2021, liderada pelas operações com recursos livres, aponta a edição de dezembro da Pesquisa Febraban de Economia Bancária, realizada entre os dias 17 e 21 de dezembro de 2020. Os bancos também preveem que o saldo das operações de crédito tenha avançado 13,7% no ano passado, ante 11,8% na projeção feita em novembro. No ano que se encerrou, porém, o crescimento foi liderado pelas linhas com recursos direcionados, refletindo as modalidades de empréstimos para as empresas atravessarem a crise e a forte demanda por crédito imobiliário. Os bancos preveem a inadimplência em 2021 em 4%. (Valor)

Setores

Efeitos Negativos na Indústria: Com os estoques em baixa, a produção da indústria tem um quadro positivo de curto prazo por causa da necessidade de recomposição do nível de produtos armazenados. Mas, a partir do segundo trimestre em diante, o setor deve sentir mais os efeitos negativos do desemprego, da queda da renda e do recrudescimento da covid-19, fatores que podem conter o consumo das famílias. (Valor)

Recorde na Exportação de Petróleo: O Brasil registrou em 2020 um recorde de exportação de petróleo, disse o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. As vendas da commodity para o exterior somaram, em média, 1,4 milhão de barris/dia no ano passado. (Valor)

Recorde de Produção de Petróleo: A Petrobras anunciou uma nova marca histórica na produção de óleo e gás com 2,84 milhões de barris diários de óleo equivalente (BO/dia), superou o recorde anterior, de 2015, de 2,79 milhões de BOE/dia. A companhia também informou que atingiu recorde na produção de petróleo, isoladamente. A empresa produziu, no ano passado 2,28 milhões de barris/dia, ante os 2,23 milhões de barris/dia apurados em 2015. (Valor)

Vendas de Máquinas Agrícolas: Com um forte aumento em dezembro, as vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias alcançaram 47.077 unidades no mercado doméstico em 2020, 7,3% mais que em 2019 (43.855), segundo dados divulgados hoje pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). (Valor)Produção Industrial: O patamar da indústria brasileira em novembro de 2020 encontra-se 2,6% acima do observado no cenário pré-pandemia, em fevereiro. A informação é do economista do IBGE, André Macedo, gerente da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF). No caso de bens de capital, o patamar em novembro de 2020 encontra-se 12,2% acima de fevereiro. Bens duráveis, por sua vez, estão 2,7% acima de fevereiro. Bens de consumo semi e não duráveis se encontram 1,5% acima de fevereiro de 2020; e bens intermediários, 2,7% superior ao patamar pré-pandemia. (Valor)

Venda de Veículos: As vendas de veículos caíram 26,16% em 2020, para 2,78 milhões de unidades, segundo dados divulgados pela Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores (Fenabrave). O levantamento apontou que no ano passado foram emplacados 1,95 milhão de carros, o que representou uma queda de 26,62% ante o registrado em 2019. (Valor)

Venda de Cervejas sob Ameaça: O mercado brasileiro de cerveja terá um cenário duro a enfrentar em 2021, após ter apresentado uma aceleração no segundo semestre de 2020 que compensou as perdas da primeira metade do ano. O risco dos governos adotarem novas medidas de isolamento social em janeiro por causa do avanço da pandemia, o cancelamento do carnaval e a proibição de festas podem pressionar as vendas de bebidas alcoólicas durante o verão, que é tradicionalmente o período mais intenso em volume vendido no ano. (Valor)

Lenta Recuperação de Viagens e Transportes: A demora na vacinação em massa em escala global, além de mudanças de hábito mais duradouras, como a realização de reuniões de negócios por videoconferência deve seguir contendo gastos com viagens e transportes, duas subcontas relevantes da balança de serviços brasileira. (Valor)

Custo do Frete Marítimo: O frete marítimo na rota China-Brasil disparou. O custo das importações já vinha em alta no último trimestre e, nesta semana, atingiu um patamar considerado inédito de US$ 10 mil por TEU (medida padrão usada para contêineres), segundo importadores e empresas de navegação. Há um ano, o custo dessa mesma rota estava na faixa dos US$ 2 mil por TEU. (Valor)

Meio ambiente

Destruição de Biomas 1: O número de focos de queimadas no Brasil em 2020 subiu 12,73% na comparação com 2019, segundo dados do Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). No total, o país registrou 222.798 focos em 2020, ante 197.632 no ano anterior. Isso representa o maior número de focos em uma década. (Valor)

Destruição de Biomas 2: Embora quase metade das queimadas tenha ocorrido na Amazônia, o pior aumento foi visto no Pantanal: 120%. Foram registradas 22.116 queimadas em 2020 no bioma — mais do que o dobro dos 10.025 registros em 2019. Foi o maior número de focos desde 1998, ano do início da série histórica. Houve alta também na Amazônia: foram 103.161 focos de queimadas, contra 89.171 registradas em 2019. Isso representa um aumento de 15,68%, e é o maior número observado pelo Inpe desde 2017. (Valor)

Cenários

A Certeza é a Incerteza: A recuperação da economia brasileira em 2021 é observada com bastante cautela por analistas, seja entre aqueles que acham que o consumo poderia liderar o processo, seja para quem espera uma retomada pelos investimentos. O cenário é repleto de incertezas na saúde, no mercado de trabalho e nas contas públicas. Projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) acima de 3% podem parecer fortes em um país que cresceu um pouco acima de 1% nos anos pré-pandemia, mas, descontada a herança estatística de 2020, sobra pouco espaço para um “avanço efetivo” da atividade em 2021. (Valor)

Tendência da Internet do Comportamento: Um conceito ainda pouco conhecido é o da internet do comportamento. A expressão designa o uso de dados recolhidos em diversas fontes digitais para prever o comportamento das pessoas e influenciar suas decisões. Como fica a privacidade do cidadão? (Valor)

Tendência ao Trabalho Remoto: O trabalho remoto, que parecia impossível para muitas empresas, tornou-se não só viável como, em muitos casos, um plano definitivo para 2021. O notebook foi um grande aliado no “home office” com avanço de 32% em vendas no ano passado, em relação a 2019, segundo a IDC Brasil. O que era emergencial vira permanente em 2021. O plano de muitas companhias é adotar escritórios menores e fazer revezamento entre as equipes que não exercem atividades essencialmente presenciais, mesmo após a imunização completa dos funcionários. (Valor)

Trabalhadores de Tecnologia se Organizam: Em um movimento inédito no Vale do Silício, os funcionários do Google criaram um sindicato. A indústria tecnológica é conhecida por resistir a organizar sua força de trabalho. Mas com o Alphabet Workers Union, os funcionários querem ir além de contratos de trabalho e focar no ativismo de questões como diversidade, discriminação salarial e assédio sexual. Desde 2018 o Google sofre críticas e greves internas contra suas políticas e recentemente voltou ao centro do debate com a demissão de Timnit Gebru, pesquisadora negra de inteligência artificial. (New York Times) (Meio)

Tendência à Telemedicina: A telemedicina é regulada no Brasil desde 2002, quando o Conselho Federal de Medicina publicou uma resolução sobre o assunto, mas sua prática só ganhou força no ano passado, depois que os pacientes passaram a evitar os hospitais, com medo de se expor ao coronavírus. A lei 13.989/2020, de abril, autorizou o emprego emergencial da telemedicina, enquanto durar a pandemia. Cerca de 75% dos hospitais privados do país já fazem uso de procedimentos on-line e 58,3% deles possuem serviços próprios de telemedicina, segundo a associação do setor. A expectativa é que a tendência se fortaleça, mas há desafios. Os procedimentos vão requerer regulamentação definitiva e há risco do abismo social se aprofundar: 70% da população depende do sistema público de saúde, no qual a adoção da telemedicina tende a ser mais lenta do que no setor privado. (Valor)

Tendência ao Ensino à Distância: A tendência é que parte dos hábitos de ensino à distância seja incorporada permanentemente à educação. Na graduação, o número de calouros nos cursos de educação a distância superou o dos presenciais pela primeira vez em 2019, segundo o Ministério da Educação, com 1,5 milhão de candidatos aos cursos on-line e um milhão nos tradicionais. A situação de pandemia estendeu o modelo aos demais ciclos de ensino. Especialistas advertem, no entanto, que a urgência levou à improvisação na adoção das aulas on-line e que há muito a aprimorar. Preocupa também o gargalo de infraestrutura entre os mais pobres, que não contam com equipamentos adequados e internet rápida. (Valor)

Tendência à Robótica: Na pandemia, os robôs vêm ganhando protagonismo em atividades como atender clientes sem interação humana, ajudar pessoas a identificar sintomas da covid-19 ou mesmo auxiliar em processos de seleção e integração de novos funcionários durante o isolamento social. Os brasileiros são os que mais interagem com interfaces de inteligência artificial, mas acham que falta uma interação mais natural. É justamente nessa etapa que setores como varejo e serviços estão investindo. (Valor)

Paulo Gala: “… Vivemos um boom de tomada de risco desde a eleição de Biden e graças a monumentais estímulos monetários, creditícios e fiscais. Esse boom de preços de commodities e ativos financeiros trará mais dólares ao Brasil em 2021. A moeda brasileira apesar de valorização recente tem ainda uma das piores performances do mundo, tornando os ativos brasileiros ainda baratos em dólar. Esse rally que inflou preços de ativos no mundo inteiro continua beneficiando muito o Brasil apesar dos temores fiscais. Para inflação no Brasil a trajetória mais provável para 2021 é de arrefecimento de preços de atacado com a estabilização da taxa de câmbio no patamar de R$5. O ipca deve convergir para a meta de 3,75%. Os IGPs devem voltar para a casa dos 5% ao ano. Os salários seguem muito deprimidos. Com o fim do auxílio emergencial e medidas de estímulo de crédito do BC podemos ter mais desaceleração do PIB. O consumo e investimento agregados seguem ainda muito deprimidos.

Existe ainda grande capacidade ociosa na indústria, no setor imobiliário, no varejo em geral e no mercado de trabalho. Nosso PIB deve crescer algo como 3% em 2021, abaixo do necessário para recuperar a queda de 5% em 2020. Nesse cenário, o Comitê de Política Monetária deve seguir ainda com taxa Selic na casa dos 2% no curto prazo. Mas é importante ressaltar que estamos no momento com juros reais negativos que podem incomodar o BC. Os juros extremamente baixos em 2020 deram algum fôlego de retomada ao setor de construção civil via crédito, mas sem aumento consistente de emprego e renda, o movimento não será sustentado. O câmbio mais desvalorizado continua ajudando a indústria, mas, sem um vigoroso impulso de demanda esse movimento pode se exaurir. O setor de serviços está ainda abaixo do nível pré crise. O varejo físico tem situação dramática. O investimento privado segue em mínimas históricas. Esse contexto aponta para um cenário ainda benéfico para ativos financeiros graças a juros extremante baixos no Brasil e no mundo.” (Blog do Paulo Gala)

Mercado Financeiro Otimista: Para 2021, as expectativas do mercado financeiro são de retomada do crescimento, após a contração da economia registrada em 2020 por causa da pandemia. Esse crescimento, no entanto, não será suficiente para repor as perdas verificadas no ano passado, o que só deve ocorrer em 2022. Para o primeiro semestre deste ano, o cenário é de mais incertezas, em razão do tempo necessário para o início do programa de vacinação e da evolução da pandemia da covid-19 no país. (Valor)

Ambiente social

Arrimos de Família 1: Os avós são arrimos de família no Brasil, eles estão absorvendo parte do impacto do desemprego e da instabilidade econômica já há muito tempo. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em novembro de 2018 revelou que 91% dos idosos no Brasil contribuíam com o orçamento em casa. 

Arrimos de Família 2: Com o aumento dos óbitos por covid de idosos (pessoas acima de 60 anos), em dezembro de 2020, que atingiu 74% do total de mortes, muitas famílias perderão sua principal fonte de renda. Foram aproximadamente 131 mil idosos que perderam a vida no Brasil.

Arrimos de Família 3: Se fizermos a suposição de termos um idoso para cada família, considerando que 91% deles colabora com a renda doméstica ou são arrimos de família, teremos cerca de 120 mil famílias com redução drástica de renda devido à morte de idosos.

Endividamento das Famílias 1: Após três meses consecutivos de queda, a parcela de famílias que se declararam endividadas encerrou 2020 em alta, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de dezembro de 2020, elaborada pela instituição, a fatia dos que se declararam endividados ficou em 66,3% no último mês. Esse porcentual ficou acima de novembro de 2020 (66%) e de dezembro de 2019 (65,6%). (Valor)

Endividamento das Famílias 2: No caso dos indicadores de inadimplência, a parcela de endividados que declarou atraso no pagamento de contas ficou em 25,2%, abaixo de novembro de 2020 (25,7%), mas acima de dezembro de 2019 (24,5%). O percentual de inadimplentes que declarou não ter condições de quitar suas dívidas ficou em 11,2%, também inferior a novembro de 2020 (11,5%), mas superior a dezembro de 2019 (10%). (Valor)

Política

Brasil e o Banco dos Brics: O Brasil começa o ano perdendo uma fatia de seu poder de voto no Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), o chamado banco do Brics, porque o governo brasileiro não honrou o pagamento de uma parcela do aporte de capital à instituição. Cada sócio do banco – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – detém 20% do capital. Porém, com o retardo, o efeito imediato é que o Brasil perde uma fatia inferior a 3% de seu poder de voto. A situação voltará ao normal assim que a contribuição brasileira for feita. (Valor)

Centrais Sindicais: Centrais sindicais apresentaram uma agenda de reivindicações ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, e aos candidatos às presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Entre as prioridades estão a prorrogação do auxílio emergencial de 600 reais e a publicação de um plano de vacinação contra a Covid-19. Além da vacinação e da manutenção do auxílio, as entidades pedem medidas de geração de empregos, firmam compromissos em manter campanhas de solidariedade e reforçam a necessidade de recuperar a organização sindical. (Carta Capital)

Governo

Cortes nos Investimentos em Ciência e Tecnologia: Cortes orçamentários, restrição de bolsas de estudo, congelamento de salários, perda de pessoal qualificado, fechamento de unidades, encerramento de pesquisas. É grande a lista dos estragos promovidos pelo governo de Jair Bolsonaro na Ciência, Tecnologia e Inovação nos dois últimos anos. Por outro lado, a mobilização das entidades representativas do setor em defesa de décadas de avanços e conquistas consolidou um polo de luta contra a política bolsonarista. (Carta Capital)

Pesquisas Nada Científicas do Presidente 1: Para o presidente da República, “menos da metade” da população vai se imunizar. Bolsonaro disse ter chegado a essa conclusão fazendo uma pesquisa “na praia, em tudo que é lugar”. (Meio)Pesquisas Nada Científicas do Presidente 2: O “resultado” não bate com a  pesquisa de verdade feita pelo PoderData, onde 75% dos entrevistados pretendem se vacinar, contra 16% que não querem o imunizante. Mesmo entre os que se declaram apoiadores do presidente, 65% querem a vacinação. (Meio)

Vencimento de Títulos de Dívida Pública: Até abril de 2021 vencerão R$ 668,9 bilhões em títulos públicos da dívida interna, o que representa alta de 88% em relação ao mesmo período do ano passado. No acumulado de 2021, por sua vez, os vencimentos somam R$ 1,310 trilhão, crescimento de 67% em relação a 2020. O Tesouro Nacional aproveitou a janela de oportunidade aberta no último trimestre de 2020 para acelerar o ritmo de emissões e garantir maior folga a seu caixa para enfrentar a quantidade significativa de vencimentos no primeiro semestre de 2021. (Valor)

União Honra Dívidas dos Estados 1: A União desembolsou R$ 13,33 bilhões para honrar dívidas não pagas por Estados e municípios em 2020, de acordo com o Relatório de Garantias Honradas pela União, elaborado pela Secretaria do Tesouro Nacional. O valor é o maior da série histórica, iniciada em 2016, e representa alta de 59,6% em relação a 2019, de R$ 8,35 bilhões. (Valor)

União Honra Dívidas dos Estados 2: Cinco Estados foram responsáveis por 94,6% do valor bancado no ano passado: Rio de Janeiro (R$ 8,25 bilhões), Minas Gerais (3,18 bilhões), Goiás (R$ 553,18 milhões), Pernambuco (R$ 354,85 milhões) e Maranhão (R$ 280,16 milhões). (Valor)

Risco de Rompimento do Teto de Gastos 1: A questão foi colocada com maior clareza depois que o presidente Jair Bolsonaro elevou o salário mínimo do país para R$ 1.100, a partir de 1º de janeiro deste ano. O mercado passou a questionar se o impacto do aumento do piso salarial nas contas públicas não romperia o teto. Na verdade, as dúvidas sobre a preservação do teto de gastos, a única âncora fiscal brasileira, já vinham sendo colocadas desde que a inflação ganhou fôlego nos últimos meses. (Valor)

Risco de Rompimento do Teto de Gastos 2: O valor do teto de gastos foi reajustado em apenas 2,13%, de acordo com a regra que consta da emenda constitucional 95/2016. Ou seja, o limite para as despesas da União em 2021 será o mesmo válido para 2020, corrigido pela inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 2,13%. O problema é que, a partir de julho, a inflação foi se acelerando. A mediana do mercado para o IPCA de 2020 estava em 4,39% na semana passada, de acordo com o boletim Focus do Banco Central. (Valor)

Risco de Rompimento do Teto de Gastos 3: Pela legislação em vigor, o INPC corrige o salário mínimo, os benefícios assistenciais e todos os benefícios previdenciários, inclusive aqueles de valor acima do piso salarial. O Ministério da Economia informou que sua expectativa, em linha com o mercado, é de um INPC em 2020 de 5,22%. O salário mínimo foi corrigido por esse índice, mais um arredondamento. Se a previsão se confirmar, as principais despesas da União serão corrigidas em 5,22%, enquanto o teto foi corrigido em apenas 2,13%. Para que o teto seja mantido, despesas não obrigatórias terão que ser cortadas. E o corte terá que ser muito grande. (Valor)

Caixa do Tesouro: O caixa federal é composto por recursos originados de arrecadação de impostos, contribuições e outras receitas, assim como de dinheiro originado da emissão de títulos públicos. Depois de passar por um período de forte aperto e aumento da percepção de risco de refinanciamento da dívida, o caixa do governo federal cresceu fortemente desde agosto e atingiu em novembro a marca de R$ 1,24 trilhão. O volume, segundo dados do Tesouro Nacional, está 66% superior ao ponto mais baixo, verificado em julho e já mais próximo dos níveis em torno de R$ 1,3 trilhão verificados nos meses anteriores à pandemia. (Valor)

Ambiente internacional

Global Economic Prospects 1: O crescimento da economia global em 2021 será ligeiramente menor do que o previsto inicialmente pelo Banco Mundial. É o que mostra o relatório Global Economic Prospects, divulgado pela entidade, que prevê agora um avanço de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial neste ano, contra uma expansão de 4,2% estimada em junho de 2020 para o mesmo período. (Valor)

Global Economic Prospects 2: O Banco Mundial revisou as projeções para a economia global em 2020. Agora, a previsão é de contração de 4,3%. Em junho, o Banco Mundial previa uma queda do PIB mundial de 5,2%. (Valor)

Global Economic Prospects 3: O Brasil deve crescer 3% em 2021, o mesmo crescimento previsto em um relatório divulgado em outubro. Em junho, a entidade estimativa que o PIB brasileiro cresceria 2,2%. (Valor)

Trump e a Nova Guerra Fria: Como uma última investida contra as empresas de tecnologia da China, Trump ordenou a proibição de transações, nos EUA, de oito plataformas de pagamento digital chinesas, incluindo a Alipay do Ant Group. No entanto, a medida será colocada em prática em 45 dias, assim, caberá ao presidente eleito Joe Biden decidir se a política deve ser cumprida. (Meio)

Domínio da China no Aço: Em 2020, até novembro, a proporção chinesa na produção mundial de aço foi de 57,5%, segundo uma análise de dados da Associação Mundial do Aço (WSA, na sigla em inglês) feita pela MySteel. Em comparação, a porcentagem em todo ano de 2019 foi de 53,3%. (Valor)

Estratégia Chinesa de Crescimento: A estratégia industrial da China cederá espaço a uma abordagem econômica diferente, embora o quadro como um todo dependa da recuperação mundial e do que ocorrer no país. A recuperação da China deverá entrar em uma fase puxada pela recuperação plena do consumo doméstico, afastando-se da pesada dependência em relação à indústria. Dados oficiais mostram, contudo, que, até agora, o crescimento das vendas varejistas vem ficando para trás em comparação ao da produção industrial, que em novembro superou o da maior parte dos meses de 2019. (Valor)

Capital para Países Emergentes: Os ativos de mercados emergentes atraíram US$ 45,9 bilhões em dezembro, em um dos meses mais voláteis de 2020 em termos de fluxo para os portfólios, afirma o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês). As entradas de capital para portfólio de mercados emergentes somara US$ 313 bilhões em 2020, ou cerca de US$ 48 bilhões abaixo de 2019. O resultado foi obtido ainda que a pandemia tenha levado, segundo o IIF, “a um dos mais profundos e violentos episódios de saída de capitais já registrados”. Em termos de regiões, a Ásia “foi uma clara vencedora” em termos de fluxo, com entradas de US$ 21,9 bilhões. A América Latina conseguiu em dezembro US$ 11,9 bilhões, enquanto a África e Oriente Médio, US$ 7 bilhões e a Europa emergente, US$ 5,2 bilhões. (Valor)

Mais Rico do Mundo: Após três anos na liderança, Jeff Bezos não é mais o homem mais rico do mundo. Com a alta de 4,8% nas ações da Tesla no dia 05-01-2021, o patrimônio de Elon Musk chegou a US$ 188,5 bilhões, o que representa US$ 1,5 bilhão a mais do que Bezos. (Meio)

Stellantis: A Fiat Chrysler (FCA) e a PSA anunciaram dia 04-01-2021 que os investidores aprovaram uma fusão de US$ 52 bilhões que criará a quarta maior montadora do mundo, e que as ações da nova companhia, que se chamará Stellantis, começarão a ser negociadas. Com uma produção mundial anual de cerca de 8 milhões de veículos e receitas de mais de € 165 bilhões (US$ 203 bilhões), a empresa recém-formada deverá ter um papel-chave no salto da indústria automobilística rumo à nova era da eletrificação. (Valor)

Ambiente tecnológico

Cidades Inteligentes: A Qualcomm tornou a sua própria sede em San Diego, na Califórnia, em um local de teste de tecnologias para uma cidade inteligente. O campus agora possui 20 sistemas diferentes e sensores para otimizar de tudo. Postes de luz funcionam como pontos de acesso à internet, por exemplo. Segundo a empresa, várias cidades dos EUA já estão em negociações para a adoção de algumas dessas tecnologias. (Época Negócios) (Meio)

Alta Demanda por Consoles de Jogos: A Microsoft pediu ajuda da fabricante de chips AMD para disponibilizar mais unidades do Xbox. Segundo o vice-presidente executivo de jogos da Microsoft, Phil Spencer, o pedido foi feito como tentativa para suprir a alta demanda dos novos consoles. Os Xbox Series X e Series S estão atualmente em falta em todos os varejistas onde são vendidos, de acordo com o site do Xbox. A Sony também foi atrás da AMD para acelerar sua produção do processador do PlayStation 5. O console, que está sendo vendido exclusivamente online devido à pandemia, ainda está com poucas unidades disponíveis ou com entregas prometidas para daqui dois ou três meses. (Meio)

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.