Rumo à distopia, a sociedade colhe exemplos de iniciativas que, curiosas à primeira vista, sinalizam decisões que favorecem o controle social e individual. No caso agora, a empresa Three Two Market, situada em Wisconsin, nos Estados Unidos, pretende se tornar uma das primeiras empresas do mundo a oferecer implante de microchips para seus funcionários.

Pense bem. Os implantes são voluntários. Assim, os mais de 50 trabalhadores da companhia “esperando” para serem “implantados” não precisam fazê-lo. Sem pressão.

De acordo com um comunicado à imprensa enviado pela 32M (é assim que a empresa estiliza seu nome), o procedimento de US$ 300 será pago pela companhia, enquanto os implantes serão realizados pela BioHax International, uma empresa sueca comandada por Jowan Osterland. O CEO da 32M, Todd Westby, vê os dispositivos RFID que possuem o tamanho de um grão de arroz – e que são colocados na membrana entre o polegar e o dedo indicador – como de grande utilidade para “abrir portas, utilizar máquinas de cópias, logar nos computadores do escritório, desbloquear smartphones, compartilhar cartões de negócios, armazenar informações médicas e de saúde e utilizar como forma de pagamento em outros terminais RFID”.

Jowan Osterland liderou um programa similar de “implantes” há alguns meses para a empresa sueca Epicenter, um espaço de coworking para startups e “primeiro lar de inovação digital de Estocolmo“. O “Diretor de Disrupção” da Epicenter, Hannes Sjöblad, conheceu Osterland em círculos de biohacking e disponibilizou implantes voluntários de US$ 120 para seus empregados e convidados. Ao contrário da 32M, esses implantes tinham que ser pagos do bolso de quem os solicitava.

De acordo com o CEO da Epicenter, Patrick Mesterton, os pequenos implantes RFID são “primariamente [usados] para abrir portas (acesso ao prédio, escritórios e salas de reunião), mas têm sido utilizados para máquinas de vendas automática (máquina de smoothie) e impressoras também”. Dito isso, ele estima que cerca de 200 pessoas tenham realizado o implante pela Epicenter, com todos os lucros indo direto para a BioHax.

A segurança é uma grande preocupação porque representa uma nova oportunidade para que hackers roubem dados e para que as empresas espiem seus funcionários. “[Dados] são armazenados em um microchip que se comunica com um dispositivo (leitor, celular, etc)”, disse Mesterton ao Gizmodo por email. “Nenhum dado é armazenado pelo Epicenter ou monitorado.” Não fica claro, no entanto, se algum dado é armazenado na BioHax ou se essa configuração poderia ser alterada a partir de uma solicitação da empresa.

Um espaço de coworking seduzido pelo vago aroma da tecnologia disruptiva faz um belo par com o implante de RFID. Agora, como a BioHax se envolveu com a 32M, uma empresa que desenvolve softwares para “micro markets” de salas de descanso, é algo menos claro.

Quais provisões, se existir alguma, estão em vigor para remover ou desabilitar os chips quando alguém for demitido, pedir demissão ou quiser sair do programa? Ninguém está preocupado com cirurgias eletivas que se tornem uma forma abusiva de coerção do empregador? Qual é a diferença significativa entre um “micro market” e “um par de máquinas de vendas automáticas”? Iremos atualizar a publicação quando recebermos as respostas da 32M.

A “festa do implante” está agendada para o dia primeiro de agosto, e a morte lenta dos direitos de privacidade do trabalhador deve começar logo em seguida.

[KTSP via Softpedia]