Coronavírus: Economia global vai sofrer anos até se recuperar

0
207
Chefe da OCDE acredita que será necessária a adoção de algo como o Plano Marshall, iniciativa que ajudou a bancar a reconstrução da Europa depois da Segunda Guerra Mundial. Foto: Pixabay
Chefe da OCDE acredita que será necessária a adoção de algo como o Plano Marshall, iniciativa que ajudou a bancar a reconstrução da Europa depois da Segunda Guerra Mundial. Foto: Pixabay

Radar do Futuro

O mundo vai levar anos para se recuperar do impacto da pandemia do novo coronavírus. A avaliação, feita no final de março por Angel Gurría, secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) se firma como avaliação geral. Todas as correntes de pensamento econômico afastam rapidamente a possibilidade de um retorno rápido das atividades econômicas com após um período de redução dos casos de contaminação e morte de pessoas por conta do coronavírus.

Para o chefe da entidade, o clube dos países mais ricos do planeta, onde o governo de Bolsonaro sonha entrar com apoio dos Estados Unidos, o choque econômico já é maior do que a crise financeira de 2008 ou a de 2001, após os ataques de 11 de Setembro daquele ano. Um crescimento global previsto para este ano de 1,5%, disse, já soa otimista demais.

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) previu que a pandemia poderia custar à economia global até US$ 2 trilhões neste ano (cerca de R$ 10 trilhões). Países que dependem da venda de matérias-primas, como o Brasil, estão em uma situação delicada, alertou a UNCTAD.

O executivo da OCDE acredita que é quase uma confusão de desejo com realidade acreditar que os países vão se recuperar rapidamente, mesmo que não se saiba estimar direito qual será o tamanho do desemprego e das falências empresariais. Gurría prevê que quase todas as grandes economias do mundo entrarão, nos próximos meses, em recessão, ou seja, sofrerão declínio econômico por ao menos dois trimestres consecutivos. A entidade tem pregado aos países-membros que, como estratégia contra a pandemia, priorizem e ampliem maciçamente os gastos em diagnóstico e tratamento de pessoas infectadas.

Gurría afirmou que a incerteza instalada pela pandemia é a maior em décadas. “A razão é que não sabemos o quanto demandará a recuperação dos empregos porque não sabemos quantas ficarão desempregadas ao fim disso tudo. Também não sabemos o que precisaremos para resgatar as milhares de pequenas e médias empresas que já estão sofrendo.” Para o executivo, será necessária a adoção de algo como o Plano Marshall, iniciativa que ajudou a bancar a reconstrução da Europa depois da Segunda Guerra Mundial (1939-45).

Turbulências contínuas

Para Rick Rowden, professor Adjunto da Escola Americana de Serviços Internacionais os destinos dos países ricos e pobres nunca foram tão entrelaçados. Os preços das commodities estão em colapso, o comércio internacional está diminuindo e muitos países em desenvolvimento serão alvo das especulações financeiras, que colocarão em dúvida a capacidade de honrar suas dívidas.

Mas, assim que as economias ocidentais começarem a se recuperar da atual onda de coronavírus, elas continuarão a ser afetadas por turbulências contínuas em outros lugares e provavelmente enfrentarão uma grave escassez de matérias-primas essenciais, por exemplo, cobre de minas no Peru, Chile e Mongólia. Além dos efeitos econômicos e do contágio financeiro , também existem preocupações com a segurança nacional . O colapso das economias da América Latina e da África pode levar a migrações massivas, à medida que as pessoas tentam fugir de problemas em casa.

A maioria dos países em desenvolvimento não possui capacidade hospitalar suficiente , incluindo unidades de terapia intensiva, ou equipamentos como ventiladores necessários para tratar um grande número de pacientes, o que pode ser um desastre para esses países.

Mas experimentar um surto não é necessário para um país ver sua economia esmagada pela crise. Países que dependem de remessas enviadas para casa do exterior, importações e turismo, como Leosotho , Tajiquistão e alguns pequenos países insulares, viram poucos casos, mas ainda sofrem com o impacto.