O mundo seguirá dominado pelas cinco gigantes do mercado digital. Amazon, Apple, Facebook e Google, agora integrante de uma empresa-mãe denominada Alphabet, além de uma revigorada Microsoft, continuarão a desempenhar papel central nos rumos do mundo dos negócios digitais. São todas ganhadoras, contra todas as apostas de representantes do Vale do Silício que têm como esporte jogar fichas sobre qual será a primeira a sofrer crises no mercado. 

A avaliação é de Farhad Majoo, autor da coluna Estado da Arte, do New York Times. A posição é coerente com a tese de que os vencedores da corrida da quarta revolução industrial, os grandes grupos terão influência global. A não ser que cometam algum grande erro de avaliação, terão o seu poder garantido. E expandirão a sua influência, levando grande margem de vantagem em relação ao restante do mercado, 

Houve, recentemente, quem tenha apostado em possível dificuldade do Google, que parecia estar em uma situação difícil diante do avanço do Facebook sobre o seu negócio de publicidade. A multinacional das pesquisas recuperou campos no mercado. E a Apple despontou como foco de atenções, diante das informações sobre queda das vendas do iPhone. O que não quer dizer que essas empresas não podem morrer. Há alguns poucos anos, as pessoas pensavam que IBM, Cisco Systems, Intel e Oracle seriam imbatíveis em tecnologia “Hoje, todas elas ainda são grandes empresas, mas com muito menos influente do que tinham antes”, diz o articulista. 

Quem apostar na derrocada do grupo dominante atual, tende a perder, pois o cenário tem os seus momentos de instabilidades, mas o poder das cinco grandes permanece. Para Farhad Majoo, nas mitológicas garagens de onde saem as empresas de tecnologia, os desenvolvedores gostam de imaginar o setor como um mar turvo, repleto de momentos de ruptura. Cada vencedor é vulnerável a um ataque surpresa, vendo de um inimigo que ainda sequer existe. Segundo o colunista do NYT, o presidente-executiv da Alphabet, Eric Schimidt, gosta de dizer que “alguém, em algum lugar em uma garagem está mirando em nós”.

A torcida contrária não tem dado muito certo. “Você pode apostar que eles continuarão a ganhar”, diz Farhad Majoo, que define o grupo das cinco gigantes pelo “Frightful Five” – as cinco assustadoras. As cinco empresas de tecnologia estão ficando maiores, mais enraizadas em seus próprios setores, mais poderosas em novos setores e mais isoladas contra a concorrência surpreendente de empresas iniciantes.

Embora a competição entre as cinco permanece acirrada, mesmo que ocorram altos e baixos, é cada vez mais difícil imaginar que alguma delas perca influência sobre o cenário de negócios e sobre a sociedade. Geoffrey G. Parker, professor de negócios da Universidade de Tulane, diz que as cinco montaram uma onda perfeita da mudança tecnológica. Elas se beneficiam de uma queda incrível no custo de TI, muito mais conectividade de rede e a ascensão de telefones celulares. “Essas três coisas vieram juntos, e lá eles foram, perfeitamente posicionados para crescer e aproveitar a mudança”, diz o professor.

Parker reconhece que o poder das “cinco grandes” não necessariamente impede que empresas mais recentes da tecnologia se agigantem. A Uber pode derrubar a indústria de transporte, a Airbnb pode governar hospitalidade e a Netflix avança na área de entretenimento. Mas eles somam, se posicionando ao lado das grandes, sem perspectivas de ocupar espaços. 

Na verdade, diz Farhad Majoo, o grupo das “cinco terríveis” é bem protegido contra start-ups. Na maioria das situações, o surgimento de novas empresas só solidifica a liderança delas. A Netflix hospeda seus filmes na nuvem da Amazon. O braço de capital de risco do Google tem um enorme investimento na Uber. 

Não bastasse esse cenário, todas as empresas ampliam seus interesses, com investimentos sobre novos domínios de negócios. A Amazon e o Google são exemplares nos testes de serviços de armazenagem, distribuição e entrega de produtos de consumo. As empresas dominam plataformas centrais para a realização de novos negócios, criando dependência de novos negócios que seriam seus potenciais concorrentes. 

Continuidade

O poder das líderes de mercado da tecnologia se mantém em mercados onde se destacaram. O Windows ainda é o rei de computadores pessoais, o Google domina a pesquisa na web, Google e Apple controlam sistemas operacionais de telefonia móvel e os aplicativos que são executados neles. O Facebook e Google controlam o negócio de publicidade na Internet. E  Amazon, Microsoft e Google controlar a infra-estrutura de nuvem no qual muitas start-ups executado. Amazônia tem uma infra-estrutura comercial e de transporte que tende a se tornar central no sistema varejista, enquanto o Facebook mantém acumulando mais poder na medida em que mais fundamental de plataformas: relações sociais humanas.

Muitas dessas plataformas gerar o que os economistas chamam de “efeitos de rede” – à medida que mais pessoas usá-los, eles estão cada vez mais indispensável. Por que você conversar usando o Facebook Messenger ou WhatsApp, também de propriedade do Facebook? Porque é onde todo mundo é.

Suas plataformas também dar a cada um dos cinco uma enorme vantagem quando buscar novos mercados. Veja como streaming de assinatura de serviço de música de fim de to-market da Apple conseguiu atrair 10 milhões de assinantes em seus primeiros seis meses de operação, ou como Facebook alavancado a popularidade de seu aplicativo principal para empurrar os usuários a baixar seu stand-alone mensageiro app.

Depois, há os dados enterrados nas plataformas, também uma fonte rica para novos negócios. Isso pode acontecer diretamente – por exemplo, o Google pode tocar tudo o que aprende sobre como usamos nossos telefones para criar um mecanismo de inteligência artificial que melhora nossos telefones – e de forma mais tortuosos. Ao observar o que é popular em sua loja de aplicativos, a Apple pode obter insights sobre quais recursos para adicionar ao iPhone.

“De certa forma, um monte de os custos de pesquisa e desenvolvimento estão a ser suportada pelas empresas fora de suas quatro paredes, o que lhes permite fazer melhor desenvolvimento do produto”, disse Parker.

Isso explica por que as visões dessas empresas são tão expansivo. De várias maneiras pequenas e grandes, o Frightful Cinco estão empurrando para as indústrias de entretenimento e notícias; eles estão fazendo ondas nos cuidados de saúde e das finanças; eles estão construindo carros, aviões, robôs e mundos de realidade virtual imersiva. Por que tudo isso? Porque suas plataformas – os usuários, os dados e todo o dinheiro que eles geram – fazer estes reinos distantes parecem ao seu alcance.

 

E um cético poderia vir com ameaças significativas para os cinco gigantes.Uma possibilidade poderia ser a crescente concorrência do exterior, as empresas de hardware e software especialmente chineses que estão acumulando plataformas igualmente importantes. Depois, há a ameaça de regulamentação ou outras formas de intervenção do governo. Os reguladores europeus estão já perseguindo vários dos Frightful Cinco por razões de defesa da concorrência e à privacidade.

Mesmo com essas dificuldades, não está claro se a dinâmica maior pode mudar muito. Digamos que Alibaba, a empresa de comércio eletrônico chinês, eclipses negócios de varejo da Amazon na Índia – bem, OK, então, em seguida, ele satisfaz-se com o resto do mundo.

A intervenção do governo muitas vezes limita um gigante em favor de outro: Se a Comissão Europeia decide lutar Android por razões de defesa da concorrência, a Apple ea Microsoft poderiam ser os beneficiários. Quando o Departamento de Justiça acusado de Apple com orquestrar uma conspiração para aumentar os preços e-book, que ganhou? Amazon.

Então, se acostumar com estes cinco. Com base em preços de suas ações este mês, os gigantes estão entre as 10 melhores empresas americanas mais valiosos de qualquer tipo. Maçã, alfabeto e Microsoft são os três primeiros; Facebook é o número 7 e Amazon é No. 9. Wall Street dá a cada marcas elevadas para a gestão; e três deles – alfabeto, Amazon e Facebook – são controlados pelos fundadores que não têm se curvar aos caprichos dos potenciais investidores ativistas.

E

 

 

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.