Duas crianças brincam vestidas de astronautas. Como será a infância em 2030
Photo by Amina Filkins on Pexels.com

Artigo publicado na Forbes imagina histórias, as personalidades e os interesses de crianças em 2030, no ambiente de mudanças do planeta

Cathy Hack
Forbes.com
Futurista de tecnologia e palestrante com experiência em AR VR e o Metaverso
Traduzido por Wellington Porto – Teach The Future Brasil

As crianças são o nosso futuro, em todos os sentidos da palavra. Mas como pode ser esse futuro e como ele pode moldar a vida dos jovens? Graças à Covid e a várias outras mudanças sociais, ecológicas e tecnológicas que estão ocorrendo agora, o futuro da infância está evoluindo e sendo redesenhado.

Então, o que acontece quando três mulheres futuristas importantes se juntam para imaginar como as crianças do futuro seriam ou em que mundo elas poderiam habitar? O resultado é este artigo, que compartilha perfis criativos e instigantes de cinco crianças do futuro.

Solarpunk Kid

“Uma das cinco crianças do futuro se chama Solarpunk kid. Solarpunk é uma filosofia de sustentabilidade e estilo de vida. Tem uma estética de moda e design que lembra o steampunk. Enquanto o steampunk glorificou a Revolução Industrial, o Solarpunk tem tudo a ver com um futuro limpo e verde ”, disse Alexandra Whittington , futurista da Partners in Foresight.

Solarpunk é centrado na sustentabilidade. Para Whittington, o garoto Solarpunk de 2030 seria muito inspirado por tecnologias como biomimética (inovação inspirada pela natureza), IA, criptomoedas e impressão 3D, porque essas tecnologias criam abundância. Seus pais podem ter sido os primeiros a adotar Bitcoin, carros elétricos e casas inteligentes, então eles aprenderam cedo de uma forma muito pessoal que a tecnologia beneficia a humanidade.

“Uma criança Solarpunk pode ter uma grande ambição de vida, como fazer o primeiro aterro líquido zero do mundo ou inventar novos métodos de cultivo de safras sustentáveis. Eles carregam um senso de otimismo curioso, habilidades poderosas em STEM (Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática, em português) e uma necessidade criativa de mexer e usar a curiosidade. Eles desenvolvem truques de vida interessantes que ensinam a seus amigos, por exemplo como lucrar vendendo o excesso de energia cinética de sua mochila para o mercado e o que vestir para sua próxima viagem de psilocibina para dar um “reset” em seus cérebros , acrescentou ela.

No geral, esse garoto é alguém que se considera responsável pelas gerações futuras. Como tal, eles veem o potencial humano como nosso recurso mais valioso. Eles tratam essa responsabilidade como algo sagrado e a usam como um motivo para criar novas invenções, fazer brainstorming de novas ideias e liderar novas revoluções tecnológicas para um futuro positivo.

Criança existencial

O garoto existencial é provavelmente o jovem menos surpreendente do futuro. Quando completa 10 anos, a criança existencial já passou por inúmeros desastres resultantes de impactos antrópicos no planeta. Eles podem ter mudado de casa várias vezes, pois vários ecossistemas tornaram-se impossíveis de viver devido a secas ou fome, por exemplo. Quedas de energia e interrupções nos serviços de telecomunicações fazem parte de suas vidas. Espera-se que a criança existencial tolere muita incerteza.

“Eles têm uma mentalidade de sobrevivência que se traduz em uma sede de conhecimento sobre o ar livre, o clima, o mundo animal e os riscos. Eles gostam de acampar, exploram conteúdos sobre a natureza e estão sempre preparados para desastres e eventos atuais. O garoto existencialista não é um jovem despreocupado. Ele compartilha muitas preocupações com os pais, que geralmente não tentam amenizar a verdade ”, destacou Whittington.

“A criança existencial está constantemente esperando o outro sapato cair: guerra nuclear, pulso eletromagnético (EMP), singularidade da IA, colapso do clima e superbactérias são apenas algumas das coisas que eles estão preocupados com a possibilidade de acontecer em seu tempo de vida. Eles controlam diferentes dados e mídias para monitorar situações em torno dos riscos existenciais que a espécie humana enfrenta. Eles podem gostar de estudar ciência, jornalismo, comunicação, psicologia, tecnologia e história – assuntos que podem gerar conexão ou razão para a imprevisibilidade da vida. ”

Whittington prevê que os especialistas em desenvolvimento infantil e os professores que encontrarem uma criança existencial podem estar preocupados com ansiedade, paranoia, agorafobia, distúrbios anti-sociais e fobias incomuns. Seus pais podem ter que ajudá-los a encontrar hobbies e interesses saudáveis ​​que equilibrem seus medos.

Por volta de 2030, ser uma criança existencial pode se tornar um grito comum, mas preocupante, por ajuda. Alguns adultos podem forçar a ‘resiliência’ enquanto outros aplaudem o realismo prático dos jovens. O garoto existencial sempre tem a vantagem, porque os adultos não podem negar o Zeitgeist (espírito do tempo) ansioso da época ”.

Designer Baby Kid

Em 2030, é possível que existam humanos vivos que chamaríamos de Bebês Projetados. Esta é uma criança cujos pais utilizaram a engenharia genética com CRISPR ou alguma outra tecnologia exponencial para selecionar suas características e habilidades específicas. Eles seriam os mais novos dos cinco filhos do futuro – provavelmente bebês literais em 2030.

Para Whittington, alguns bebês projetados podem ter sido projetados para evitar doenças hereditárias ou como profilático para doenças futuras, como HIV ou câncer. Alguns bebês podem ter um hack de gene que os torna imunes a picadas de mosquitos, por exemplo, sendo naturalmente resistentes à malária. Outros podem ser super atraentes ou ter cérebros aprimorados.

“Como uma pequena fatia da população, as crianças Designer Baby se sentem tão diferentes quanto geneticamente únicas. Suas vidas são bastante celebradas, já que seus pais tendem a ser ricos e conectados. Eles podem ser famosos. Uma criança Designer Baby costuma ser algum tipo de prodígio, dependendo dos genes que os pais selecionam. Eles não são “crianças normais”, acrescentou ela.

Para Joana Lenkova , estrategista e futurista, autora do próximo livro interativo de previsão “Choose Your Own Future”, as crianças Designer Baby podem ser nossos super-heróis modernos. “Eles podem ser exploradores da Galáxia, provavelmente os primeiros“ cidadãos solares ”geneticamente protegidos dos efeitos da antigravidade e das ondas radioativas. Alguns podem durar mais no espaço, outros embaixo d’água. Eles podem trazer novos conhecimentos sobre assuntos curiosos que sonhamos aprender, segredos que temos desejado descobrir, elevando assim o nível geral da inteligência humana ”, acrescenta Lenkova.

Por lei, uma criança Designer Baby não será capaz de ter mais de um “superpoder” e a força física seria limitada aos níveis humanos para evitar os perigos de um poder físico superior. Mas essas crianças mais saudáveis ​​desafiariam o envelhecimento e viveriam vidas saudáveis ​​por muito mais tempo. Eles seriam respeitados, mas também um pouco temidos. Eles não estariam acostumados a fazer amizade com as crianças “normais” e formariam uma espécie de “elite”.
“No entanto, eles podem ajudar a raça humana a se adaptar às mudanças nas condições de vida na Terra, ou até mesmo povoar outros planetas. Evolução acelerada por meio da engenharia genética ”, diz Lenkova.

O Digikid

A melhor coisa sobre a infância é que nossa imaginação não conhece fronteiras. Somos livres para sonhar, explorar, experimentar e acreditar na magia! Em algum lugar ao longo do caminho para a idade adulta, perdemos um pouco dessa centelha. Você já se perguntou como seria fazer uma pergunta ao seu eu mais jovem ou sentir a magia novamente? Bem, você pode conseguir. Existe um lugar onde a infância pode durar para sempre e não depende de nossa capacidade ou desejo de ter filhos no mundo físico.

“O Digikid nasce no universo virtual de um pai humano, que vive no universo físico. Pode ser modelado nos próprios pais, alguma outra criança que viveu em um determinado momento, ou ser uma versão totalmente nova de si mesmo desenvolvida por um algoritmo que combina características de um banco de dados humano global aleatoriamente ”, prevê Lenkova.

O Digikid vive, brinca, interage e cresce no metaverso (local onde se replica a realidade através de dispositivos virtuais e digitais) . Existem muitas razões para os pais escolherem ter Digikids. Alguns fazem isso por questões ambientais, outros já têm um filho e querem criar um irmão digital, ou simplesmente querem obter os benefícios da paternidade em um ambiente mais seguro e controlado. Alguns querem voltar à infância e reviver algumas experiências que acreditam tê-los moldado quando adultos.

Para Lenkova, o pai, irmão ou tutor tem responsabilidades e direitos, assim como no mundo físico. Eles entram no metaverso para se comunicar com as crianças digitais, aprender e brincar juntos e ter tempo para a família.
Os digikids também podem esperar o dia em que realmente trabalharão em tempo parcial ou integral no metaverso criando skins ou acessórios para avatares, ou até mesmo vivendo de seus NFTs (tecnologia que permite adquirir e validar propriedade de arquivos digitais) herdados de seus avós coletados e repassados ​​a eles como parte de seu legado.

“Os Digikids podem ser educados em uma variedade de assuntos, como as crianças humanas, e podem até frequentar as mesmas escolas de metaverso que seus colegas humanos. O percurso escolar é escolhido pelo tutor. O Digikid tem certa autonomia e pode escolher seus próprios amigos – humanos ou digitais, vestir roupas virtuais, decorar quartos virtuais, escolher hobbies como surfar ou tocar em uma banda, e até se apresentar ao vivo para o público ”, destaca.
O Digikid algum dia cresceria e se tornaria um adulto? Ainda estamos para decidir.

O Maverick Kid

“Nascido no século 21, apelidado de Geração Alfa, o garoto Maverick viveria bem até o século 22, por causa de hackeamentos de vida que desafiam o envelhecimento e longevidade prolongada. Mais tempo na Terra, mais tempo para causar impacto! Essa geração chega em números recordes, principalmente na Índia, China e África.

Lenkova prevê que a maioria das crianças dessa geração são moldadas pela tecnologia e não conhecem o mundo sem ela. Nascidos neste mundo digital, eles alcançariam a superioridade tecnológica em relação a qualquer adulto aos 8 anos de idade. Eles vêm com uma tarefa pesada em seus ombros e uma missão clara: Salvar o mundo!

“A criança da Geração Y, com um Zoomer como irmã mais velha, a criança Maverick é poderosa, curiosa, opinativa, apaixonada pela humanidade e pela natureza, orgulhosa de sua individualidade, mas com uma forte conexão com a comunidade. Um verdadeiro empreendedor que acredita que pode salvar o mundo! E eles realmente podem! Na verdade, eles são nossa única esperança ”, ela imagina.

Lenkova continua: “O garoto Maverick pertence a uma rede internacional de crianças com ideias semelhantes, muitas vezes adquirida na primeira infância por meio de plataformas de jogos e interações. Algumas dessas amizades durariam para o resto da vida, apesar de nunca terem se conhecido pessoalmente. ”

Outras evoluiriam para parcerias de negócios na adolescência. O poder desse cérebro global é imenso em encontrar soluções inovadoras e maneiras impactantes para enfrentar grandes problemas mundiais como pobreza, acesso a aprendizagem e informação, ar puro, oceanos e água potável, abrigo seguro contra o clima severo e tempestades de areia inesperadas.
O garoto Maverick faz parte do conselho de grandes organizações como um “futuro titular”. Ela desafia nossos valores, sistemas e práticas mundiais. Conectada e confiante em suas habilidades, ela permite que a compaixão seja uma força motriz em suas decisões.

“A criança Maverick não está interessada em educação formal, ela aprende por meio de experimentação, orientação e rede internacional. Seus sonhos envolvem construir experiências memoráveis, desfrutar das maravilhas do mundo e do espaço e construir um legado que ela espera que a próxima geração melhore e evolua ainda mais ”, conclui Lenkova


Por que precisamos prever o futuro da infância hoje

O futuro da infância está evoluindo

O futuro é impossível de prever, mas é necessário imaginar. Neste artigo, descrevemos apenas cinco cenários de como pode ser o futuro da infância. Antever o futuro permite inovações que mudem o mundo. Não devemos subestimar o poder da criatividade e paixão infantil para desafiar visões de mundo arraigadas.

Indo em frente, para quem a Gen Alpha passaria o bastão? Entre na geração Beta! Mal podemos esperar para ver que marca eles deixarão no mundo.


Este artigo foi escrito em colaboração e com a visão das companheiras futuristas Alexandra Whittington e Joana Lenkova. Publicado originalmente em https://www.forbes.com/sites/cathyhackl/2021/04/18/five-kids-from-the-future/?sh=10500e167a37

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.