Conheça algumas técnicas utilizadas em edificações, consideradas ecologicamente corretas
Conheça algumas técnicas utilizadas em edificações, consideradas ecologicamente corretas.

Alessandra Grisolia
Radar do Futuro

O futuro das construções aponta para modelos sustentáveis, que incluem materiais reaproveitados ou naturais e tecnologias de baixo impacto na natureza. Os benefícios das casas ecologicamente corretas são inúmeros, entre eles, conforto acústico e térmico, durabilidade, versatilidade, beleza arquitetônica, segurança e sustentabilidade. Alguns modelos construtivos remetem ao passado, enquanto outros andam de mãos dadas com avançadas técnicas, mas o que se vê atualmente entre as opções é a sustentabilidade dos projetos arquitetônicos.

 

Conheça algumas técnicas utilizadas em edificações, consideradas ecologicamente corretas:

Taipa de mão ou pau a pique

Está entre as construções mais econômicas. Amplamente utilizada no período colonial, a técnica é difundida nas zonas rurais e consiste no entrelaçamento de madeiras verticais fixadas no solo, com vigas horizontais, como bambus, amarradas entre si por cipós, fibras vegetais ou arame galvanizado.

Adobe

É uma técnica utilizada em todo o mundo, que mistura barro e pequena quantidade de areia. O barro é sovado e moldado em formas de madeira e, em seguida, levado para secagem à sombra. O Adobe é um dos sistemas mais sustentáveis do planeta, porque não inclui a queima do barro, proporcionando economia de energia e redução da poluição do planeta.

As construções em Adobe oferecem agradável sensação térmica e, desde que devidamente vedadas em sua estrutura, não se tornam ambiente propício para a proliferação do barbeiro.

Usada no Centro e no Norte do Brasil, a antiga técnica de construção é muito utilizada nos países árabes. Metade da população mundial vive em casas de terra.

Madeira de demolição

Tem a vantagem de ser resistente e durável e um dos tipos mais comuns é a Peroba Rosa, comumente utilizada em obras de casas durante décadas no Brasil. É encontrada em diversos locais como construções e linhas de trem. Por outro lado, apesar de ser ecologicamente correto, esse tipo de construção é inviável economicamente, devido à ganância dos empresários que encontraram uma forma garantida de lucrar com a comercialização da madeira de demolição.

São amplamente usados em países desenvolvidos, sem do que mais de 90% das casas fabricadas são CES (Construção Energitérmica Sustentável), sistema que se destaca pelo ótimo desempenho térmico e energético, tanto durante a edificação quanto depois da ocupação do imóvel.

O sistema ganhou popularidade após a Segunda Guerra Mundial, por ser uma construção rápida e segura, e ganhou notabilidade no Japão pós-guerra, que apresentava um déficit de 4 milhões de habitações. Mas a tecnologia foi apresentada pela primeira vez na Feira da Construção de Chicago, em 1933.

As residências em Wood Frame e Steel Frame são consideradas sustentáveis, porque são construídas com materiais ecológicos, como o OSB, sistema com ótimo desempenho térmico e acústico, que evita desperdício de materiais e gera menos de 1% de resíduos, além de reduzir o consumo de água e emitir baixos níveis de CO2.

Entre as vantagens da tecnologia estão a rapidez na execução da obra e no retorno do investimento; versatilidade, que permite construções em estilos arquitetônicos diversos; guma arantias que se estendem até 20 anos; durabilidade semelhante à alvenaria; resistência superior ao sistema convencional.

Além disso, as casas em Wood Frame ou Steel Frame, por terem uma estrutura que pode ser industrializada, elimina a presença de grandes quantidades de areia, brita, cimentos, madeiras e ferragens, o que contribui para um canteiro de obras mais limpo e seguro. É importante ressaltar a economia de energia na construção, em relação aos sistemas tradicionais, e a redução no consumo com equipamentos de condicionamento do ar.

Tanto o Steel Frame como o Wood Frame possuem diferenciais como: industrialização, pois a montagem dos perfis pode vir pronta; alto desempenho, principalmente no que diz respeito â resistência ao fogo, a terremotos e a furacões; e tecnologia equiparada ao que há de mais moderno em construções, com garantia de qualidade e durabilidade.

Casa container

Está entre as variadas formas de moradia. É uma das mais das mais cobiçadas, em função do charme, do custo inferior em relação à construção convencional, rapidez e sustentabilidade. É um modelo que está em ascensão, utilizado em residências e comércio.

Entre as vantagens da construção está a resistência, devido à sua estrutura rígida de aço. Originalmente utilizado para transporte de cargas, os containers podem ser utilizados na construção de casas de diversas formas, e também podem ser empilhados, permitindo edificações de mais de um andar.

Existem containers, novos ou usados, de diferentes tamanhos (6 ou 12 metros, ambos com aproximadamente 2,5 metros de largura), que permitem o uso da imaginação na hora de construir, com a utilização de diversos modelos de projetos e acabamentos. A única ressalva fica por conta dos containers que já foram utilizados para transportar materiais tóxicos, que devem ser evitados

A casa container pode ser construída em terrenos planos ou com declive, mas o ideal é que esteja em terrenos planos, porque evita cálculos necessários para garantir a segurança e até mesmo a construção de estruturas para dar equilíbrio à edificação, garantindo, assim, mais rapidez na obra. É importante lembrar que os containers são transportados e inseridos no terreno por um guindaste.

Entre as desvantagens da casa container está a falta de isolamento térmico, porque, por ser feita de aço, é suscetível ao frio e ao calor. Torna-se, então, indispensável nesse tipo de construção, investir em isolamento térmico para tornar o ambiente mais aconchegante.

O grande diferencial da casa container é que ela pode ser uma residência mais rústica, com a aparência original, ou se tornar um local mais moderno, que permite utilizar a imaginação para personalizar o ambiente interno e maximizar o espaço. O aço não impede que o acabamento seja feito em diferentes cores e tipos de material, como madeira, vidro e tijolos a vista.

A casa sustentável leva em conta, ainda, caraterísticas como o uso racional dos recursos naturais, com a instalação de painéis fotovoltaicos, que permitem a geração de energia elétrica a partir da incidência de raios solares, e telhados verdes; uso de janelas grandes para maior ventilação e aproveitamento da iluminação natural; implantação de cisternas para captação e armazenamento da água da chuva, utilização de eletrodomésticos e lâmpadas com maior eficácia energética.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.