Pesquisa da ONU aponta medos e esperanças em relação ao futuro

0
252
Pessoas, como a moradora de Saint Kitts e Nevis, no Caribe, participaram como representantes de todos os 193 Estados Membros da ONU

Pesquisa compartilhou as expectativas de um milhão de pessoas em todo o planeta

Sobre a pesquisa

  • Pessoas responderam de todos os 193 Estados Membros da ONU
  • Homens e mulheres participaram em números iguais
  • 51% dos entrevistados tinham menos de 30 anos.
  • 30% dos entrevistados vieram do centro e sul da Ásia
  • A próxima área geográfica mais envolvida com 23,5% foi a África Subsaariana, com a Europa não muito atrás com 15%.

Os resultados são de uma pesquisa massiva e sem precedentes de crowdsourcing da opinião internacional, lançada em janeiro de 2020 para marcar o 75º aniversário das Nações Unidas. Participantes de todas as esferas da vida, mulheres, homens, meninas e meninos em países desenvolvidos e em desenvolvimento foram encorajados a compartilhar suas esperanças e medos para o futuro e como a ONU pode ajudar a trazer mudanças.

Não importa de onde eles vieram, sua origem, idade ou sexo, os participantes do exercício foram, a ONU disse, “notavelmente unidos” em sua visão do futuro.

Aqui estão cinco conclusões principais do relatório publicado pela ONU

1) Melhores serviços básicos

O mundo inteiro continua dominado pela pandemia COVID-19 , então talvez não seja surpreendente que a prioridade imediata da maioria das pessoas que participaram da pesquisa, que tem continuado durante todo o bloqueio global causado pela pandemia, seja melhorar o acesso aos serviços básicos. O que inclui saúde, água e saneamento, bem como educação. Muitos acreditam que o acesso à educação e aos direitos das mulheres acabará melhorando.

Segundo um entrevistado no México, “o vírus tirou empregos, interações, educação e paz. O medo está em toda parte e as pessoas não estão respondendo bem a ele ”.

2) Mais cooperação internacional

A pandemia COVID-19 sublinhou, segundo as Nações Unidas, a necessidade de cooperação internacional para desenvolver, produzir e distribuir uma vacina para que todos os países, ricos e pobres, beneficiem. É parte da importância que a ONU dá ao multilateralismo; países trabalhando de forma colaborativa e produtiva para o bem comum.

E parece que muitos dos um milhão de entrevistados concordam que isso é bom. Um significativo número de 87 por cento das pessoas acreditam que a cooperação internacional é vital para lidar com os desafios globais e que a COVID-19 tornou a solidariedade internacional ainda mais urgente.

Um entrevistado da Albânia sublinha a importância da responsabilidade social partilhada: “É de suma importância que a recuperação seja construída sobre o espírito da humanidade. A lição que aprendemos com a pandemia é que literalmente ninguém está seguro a menos que todos estejam seguros ”.

3) Ação climática

A aparente incapacidade da humanidade de desacelerar o aquecimento do planeta, de prevenir mudanças climáticas irreversíveis e a destruição resultante do meio ambiente natural, é a preocupação avassaladora de médio e longo prazo das pessoas que foram pesquisadas. Outras preocupações de longo prazo incluem o aumento da pobreza, corrupção governamental, violência comunitária e desemprego.

Um jovem da China diz que todos são afetados pela mudança climática: “A atual mudança climática global como resultado da poluição ambiental está colocando indivíduos e populações inteiras em maior risco”.

4) Mais envolvimento da ONU

Olhando para o passado, seis em cada dez entrevistados acreditam que a ONU tornou o mundo um lugar melhor e 74% dizem que a ONU é “essencial” para que os desafios globais sejam enfrentados com eficácia. No entanto, mais da metade de todas as pessoas que responderam à pesquisa ainda não sabem muito sobre a ONU e a consideram “remota” de suas vidas.

Muitos recomendaram o estabelecimento de um conselho da juventude para aconselhar altos funcionários da ONU e um entrevistado do Brasil sugeriu mais engajamento em nível regional e local: “A ONU poderia agir fazendo maiores engajamentos com atores regionais e locais, investindo no futuro fornecendo meios que fomentem o desenvolvimento da autonomia dos atores sociais. ”

5) Crença em um futuro melhor

Quando se trata do futuro, os participantes mais jovens e os de muitos países em desenvolvimento tendem a ser mais otimistas do que os mais velhos ou que vivem em países desenvolvidos. Pessoas na Ásia Central e Meridional e na África Subsaariana tendem a ser mais otimistas do que as que vivem na Europa e na América do Norte.

“Ninguém está impotente.” diz um estudante japonês de 17 anos de idade.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.