Estudo desenvolvido pela Pew Research revela a crescente crise global de credibilidade das democracias.
Estudo desenvolvido pela Pew Research revela a crescente crise global de credibilidade das democracias.

Alexandra Castillo, Christine Huang e Laura Silver
Pew Research Center

O número de pessoas insatisfeitas é  maior do que as satisfeitas com a forma como a democracia está funcionando em seus países. A conclusão é de um novo relatório do Pew Research Center, baseado em uma pesquisa de 27 países realizada em 2018.

As pessoas que estão insatisfeitas com a democracia em seu país são menos propensas a sentir que as condições econômicas em seu país são boas, que a situação financeira das pessoas comuns melhorou nos últimos 20 anos e que as principais normas democráticas estão sendo respeitadas, revela o estudo.

Notavelmente, no entanto, a insatisfação com a democracia tem pouca relação com avaliações externas de como um país é rico ou democrático, com base em medidas do Banco Mundial , Freedom House , Economist Intelligence Unit e Electoral Integrity Project.

Conclusões

1. A insatisfação com a democracia não está relacionada com a riqueza geral de um país, mas está fortemente relacionada a visões pessimistas da atual situação econômica.

Este é o caso se a riqueza é medida como produto interno bruto ou como PIB per capita. Por exemplo, 9% dos brasileiros acham que a situação econômica pessoal é boa e 83% estão insatisfeitos com a forma como a democracia está funcionando em seu país. Os suecos, por outro lado, têm uma perspectiva muito mais otimista sobre sua economia e democracia: 81% acham que a situação econômica do país é boa, e apenas cerca de um terço (30%) dizem que estão insatisfeitos com a democracia.

2. As avaliações das pessoas sobre como a situação financeira da pessoa média mudou nos últimos 20 anos estão relacionadas à insatisfação com a democracia.

Na maioria dos países pesquisados, as minorias acreditam que a situação financeira da pessoa média melhorou em comparação com 20 anos atrás. O pessimismo com a democracia está fortemente relacionado ao modo como as pessoas se sentem em relação ao desempenho democrático.

Por exemplo, na Grécia, onde 7% dizem que a situação financeira da população média melhorou, 84% dizem que estão insatisfeitos com o funcionamento da democracia em seu país. Em contraste, na Índia, 65% acreditam que a situação financeira melhorou e apenas um terço está insatisfeito com a democracia.

3. A visão de que um país protege a liberdade de expressão informa como as pessoas acham que a democracia está funcionando em seu país.

As percepções sobre a capacidade de um país defender e respeitar a liberdade de expressão são cruciais para explicar a insatisfação com a democracia: as pessoas que dizem que a liberdade de expressão é protegida em seu país estão menos insatisfeitas com a democracia.

No entanto, não há relação entre insatisfação com a democracia ou a percepção de que a liberdade de expressão é protegida e medidas sobre se um país protege as liberdades civis, como aquelas compiladas pela Freedom House . Tome a Espanha: O país recebe uma pontuação máxima para a proteção desses direitos, mas apenas cerca de metade dos adultos espanhóis (48%) acreditam que seu país protege seus direitos à liberdade de expressão.

4. A percepção de que os tribunais são justos – mesmo que os especialistas digam que não são – molda a maneira como as pessoas se sentem em relação à democracia em seu país.

Se as pessoas acreditam que o sistema judiciário de seu país trata a todos de forma justa, ele desempenha um papel na maneira como eles pensam que a democracia está se saindo em seu país. Na Itália, cerca de um quarto dos adultos (23%) afirma que os tribunais tratam as pessoas com justiça, e sete em dez estão insatisfeitos com a democracia. Por outro lado, cerca de três quartos dos indonésios (74%) dizem que os tribunais tratam todos de forma justa e apenas um terço está insatisfeito com a democracia.

Como é o caso em visões de liberdade de expressão, há pouca relação entre a insatisfação com a democracia ou a percepção de que os tribunais de um país tratam a todos igualmente e de fora das determinações sobre se esse país tem um sistema de justiça equitativo.

Tomemos a Espanha como exemplo novamente: apenas 22% dos espanhóis dizem que o sistema de tribunais do país trata todos de forma justa, apesar do fato de o país ser classificado pela V-Dem como tendo igualdade perante a lei.