Notas econômicas: 22 a 26 de março de 2021

0
174
praia vazia no litoral do Rio de Janeiro por causa da pandemia
Foto; Fotos públicas

Governos fecham praias e batem cabeça enquanto a pandemia evolui no Brasil. Confira mais informações de destaque nas Notas Econômicas da semana

Coleta de informações semanais feita pelo Economista Paulo Roberto Bretas

Pandemia e Economia: Num cenário de piora da pandemia e lento avanço da vacinação, o Brasil está próximo de um “choque patrimonial” no orçamento das famílias, o que adiciona incerteza sobre a recuperação do consumo. A economia já tem contratada uma desaceleração, ainda que temporária, no primeiro semestre, com dois trimestres de queda de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), na previsão do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV). No fim de 2020, as famílias já se encontravam com pouco fôlego financeiro, com índice de endividamento de 56,4% em relação à renda dos últimos 12 meses, o maior percentual já registrado, segundo dados do Banco Central. (Valor)

Carta de Economistas: O agravamento da pandemia no país levou um grupo de economistas de diferentes matizes ideológicas e mesmo de pensamentos econômicos diversos a assinar uma carta com críticas e sugestões ao governo para a condução do combate à covid-19. A carta, batizada de “O País Exige Respeito; a Vida Necessita da Ciência e do Bom Governo – Carta Aberta à Sociedade Referente a Medidas de Combate à Pandemia”, apresenta uma compilação de dados para mostrar como a falta de eficácia no combate à pandemia já custou caro ao país. (Valor)

Ambiente econômico

Indicadores

Inflação e Desemprego: A estimativa do Ibre é que a taxa de desemprego termine 2021 em 15,6%, de 13,5% na média do ano passado. Além do mercado de trabalho ainda fraco para os informais, a inflação pressionada e o ciclo de alta dos juros completam o quadro de “abismo de renda”, na definição do Ibre/FGV. No acumulado em 12 meses, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve bater em 8% em meados do ano, nas estimativas do instituto. (Valor)

Projeção do PIB: O PIB deve recuar 0,5% no primeiro trimestre em comparação com os três últimos meses de 2020 e mais 0,5% no segundo trimestre, segundo o Ibre. O cálculo considera as restrições à circulação impostas desde o início do ano, mas ainda sem computar a chance de “lockdowns” ou fechamento mais extenso da economia. Também está contemplada a nova rodada do auxílio emergencial, que vai injetar R$ 44 bilhões na economia a partir de abril, assim como outros R$ 50 bilhões de antecipação do 13º salário para abril e maio. (Valor) 

IPCA-15: O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) acelerou a alta para 0,93% em março, após elevação de 0,48% um mês antes, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado é o maior para um mês de março desde 2015 (1,24%). Em 12 meses, o IPCA-15 acumulou aumento de 5,52% em março, ante 4,57% até fevereiro. (Valor)

Índice de Confiança Empresarial: Os sinais de piora no curto prazo são antecipados pelos índices de confiança. Uma prévia das sondagens da FGV, com dados coletados até o dia 10 de março, apontou quedas de 5 pontos do Índice de Confiança Empresarial (ICE) e de 7,8 pontos do Índice de Confiança do Consumidor (ICC), equivalentes a recuos, ante o mês anterior, de 5,5% e 10%, respectivamente. Se confirmadas, as retrações serão as mais intensas por essa comparação desde abril de 2020, especialmente para o comércio e os serviços. (Valor)

Confiança do Consumidor: O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), caiu 9,8 pontos em março, para 68,2 pontos, o menor nível desde maio de 2020 (62,1). “Os consumidores percebem a piora da situação econômica atual com sérios riscos ao emprego e à renda e são também afetados psicologicamente pelo medo de contrair a doença e pela necessidade de isolamento social”, diz Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das sondagens da FGV, em comentário no relatório. (Valor)

Confiança Industrial: O Índice de Confiança da Indústria (ICI) calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), recuou 3,7 pontos em março, para 104,2 pontos, menor nível desde agosto de 2020 (98,7 pontos). Em médias móveis trimestrais, o índice caiu 3,6 pontos. (Valor)

Setores

Agronegócio e a Produção de Vacinas: Instigado pelo Ministério da Agricultura, o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) colocou à disposição do governo, para a produção de imunizantes contra a covid-19, as quatro unidades instaladas no país dedicadas à fabricação de vacinas contra a febre aftosa – doença que, até a década de 1990, era comum no rebanho bovino brasileiro. (Valor)

Vacinação e Marketing 1: Os pontos de venda nos EUA da Krispy Kreme Doughnut Corp. darão uma rosquinha glaceada grátis para quem mostrar seu cartão de vacinação contra a covid-19, enquanto a startup Drop, que dá aos usuários descontos em compras na internet, promete dar pontos equivalentes a US$ 50 para quem compartilhar “selfies” de sua vacinação e as atrelar aos termos #DropCovid e @JoinDrop. (Valor)

Vacinação e Marketing 2: O mundo do marketing nos EUA foi reagindo à pandemia à medida que ela foi se desenrolando. Começou no segundo trimestre de 2020 quando retiraram as campanhas planejadas e as substituíram por mensagens mais moderadas, reconhecendo os “tempos incertos”. Posteriormente, iniciaram um marketing cauteloso, relacionado ao fim das medidas iniciais de confinamento. Mais para a frente, em fevereiro, na final do futebol americano nos EUA, o Super Bowl, a Budweiser não veiculou seu já tradicional comercial durante o jogo e prometeu redirecionar o investimento para a conscientização sobre a vacina. (Valor)

Revisão do Crescimento do PIB: O Banco Central (BC) revisou sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano de 3,8% para 3,6%, conforme divulgado dia 25-03-2021, no Relatório de Inflação (RI) de março. A autoridade monetária observou que o seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) continuou crescendo em janeiro e disse que indicadores mais tempestivos não sugerem recuo expressivo da atividade econômica em fevereiro. Ainda assim, ponderou que a incerteza segue acima da usual sobre o ritmo de crescimento da economia, derivada tanto da evolução da pandemia como da resposta de governantes, empresas e da população em geral à crise sanitária. (Valor)

Revisão do Crescimento do Setor Serviços: Os serviços deverão ter expansão de 2,8% em 2021, ante previsão de 3,8% apresentada no Relatório de Inflação anterior pelo BC. A revisão decorre, principalmente, da intensificação da pandemia, que deverá prejudicar o processo de normalização da prestação de serviços, em particular daqueles mais diretamente relacionados com mobilidade e contato social — como transportes, armazenagem e correio; e outros serviços, que inclui atividades como alojamento, alimentação fora de casa e atividades artísticas —, especialmente na primeira metade do ano. (Valor)

Projeções para Investimentos: Em relação aos investimentos, o principal fator para a mudança na projeção (de 3,5% para 5,1%) no relatório do BC foram as importações de equipamentos para a indústria de petróleo e gás, no âmbito do programa Repetro, ocorridas no primeiro trimestre de 2021, em montante acima do esperado no relatório anterior. (Valor)

Projeções para Exportação e Importação: As exportações e as importações de bens e serviços devem crescer 5,8% e 5,4% em 2021, na ordem, ante projeções respectivas de 6,1% e 2,6% apresentadas no RI anterior pelo BC. (Valor)

Exportação de Ovos: As exportações brasileiras de ovos totalizaram 3,17 mil toneladas no primeiro bimestre de 2021, aumento de 150,6% ante o mesmo período do ano passado (1,26 mil toneladas). Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). A receita dos embarques aumentou 152,8%, para chegaram a US$ 4,128 milhões. Principal destino das exportações de ovos do Brasil, os Emirados Árabes Unidos compraram 2,356 mil toneladas no primeiro bimestre deste ano, volume 209,7% superior ao registrado no mesmo período de 2020. (Valor)

Carros Elétricos Tesla no Brasil: Os carros da Tesla chegaram no Brasil via serviço de assinatura. O primeiro modelo disponível no país é o Model 3, o mais popular da montadora de veículos elétricos. O plano do Osten Group, responsável pela locação no Brasil, é em um segundo momento, oferecer também os Model Y, X e S. O serviço de assinatura varia de acordo com a quilometragem que o motorista escolhe percorrer por mês e a duração do contrato. Mas os preços são salgados: começam a partir de R$ 15.900 ao mês. (Meio)

Mercado de trabalho

Desligamento de Empregados: A Eletrobras pretende desligar mais 476 empregados como parte do seu plano de aposentadoria voluntária até o fim do ano. De acordo com o ex-presidente e conselheiro da Eletrobras Wilson Ferreira Júnior, o custo dos desligamentos previstos para 2021 está estimado em R$ 245 milhões. A companhia tinha 26.008 empregados em 2016, número que caiu para 12.527 funcionários ao fim de 2020, após o plano de reestruturação conduzido nos últimos anos pelo ex-presidente em preparação para a capitalização da estatal. (Valor)

Finanças

Subida dos Juros: O Banco Central (BC) reforçou que projeta uma nova alta de 0,75 ponto percentual da Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que acontece em maio. No encontro de março, a autoridade monetária elevou a taxa de juro de 2% para 2,75% ao ano. O Copom ressalta que essa visão para a próxima reunião continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, e das projeções e expectativas de inflação”, afirmou no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março. (Valor)

Choque de Realidade: O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse que seria preciso algo “bastante atípico” para intensificar ainda mais o ritmo de alta de juros, em uma declaração que procurou esvaziar apostas crescentes no mercado financeiro de um movimento de alta superior a 0,75 ponto percentual na próxima reunião do Copom. Ele também negou que o BC esteja “atrás da curva” no aperto e frisou que pretende manter a taxa básica em nível estimulativo no fim do ciclo de alta iniciado na semana passada. Foi outro recado ao mercado, que vinha colocando, cada vez mais, as fichas na hipótese de aumento dos juros para o patamar neutro. (Valor)

Dívida Pública 1: A Dívida Pública Federal subiu 2,75% em termos nominais na passagem de janeiro para fevereiro, somando R$ 5,198 trilhões. O Plano Anual de Financiamento determina uma oscilação entre R$ 5,6 trilhões e R$ 5,9 trilhões em 2021. A Dívida Pública Mobiliária Federal Interna registrou uma alta de 2,68%, para R$ 4,950 trilhões em fevereiro. Já a Dívida Federal Externa somou R$ 247,93 bilhões (US$ 44,83 bilhões), o que representa uma alta de 4,22% na comparação com os números de janeiro. (Valor)

Dívida Pública 2: A participação de investidores estrangeiros na dívida mobiliária federal interna subiu em termos percentuais de 9,27% em janeiro para 9,43% em fevereiro. Em valor absoluto, a fatia saiu de R$ 446,94 bilhões para R$ 467,02 bilhões. (Valor)

Dívida Pública 3: O custo médio acumulado nos últimos 12 meses do estoque da Dívida Pública Federal fechou fevereiro em 8,11%, uma queda em relação ao índice de 8,29% ao ano registrado em janeiro. Já o custo médio da Dívida Pública Mobiliária Federal Interna manteve-se estável em fevereiro ao marcar 7,15% ao ano. (Valor)

Dívida Pública 4: A reserva de liquidez da dívida pública encerrou fevereiro com R$ 933,2 bilhões, ante R$ 805,7 bilhões em janeiro, refletindo principalmente o efeito da emissão líquida do mês de fevereiro. O nível atual é suficiente para 6,7 meses a frente de vencimentos e cabe destacar que os meses de março, abril e maio de 2021 concentrarão vencimentos estimados em R$ 581,2 bilhões. (Valor)

Projeção da Inflação: O Banco Central (BC) projeta que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) aumente 3,5% em 2023, conforme divulgado nesta quinta-feira no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março. As estimativas são de avanço de 5% para 2021 e de elevação de 3,5% para 2022. A meta de inflação é de 3,75% para 2021, 3,5% para 2022 e 3,25% para 2023. O intervalo de tolerância é de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. (Valor)

Subida dos Juros: O Banco Central (BC) reforçou que projeta uma nova alta de 0,75 ponto percentual da Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que acontece em maio. No encontro de março, a autoridade monetária elevou a taxa de juro de 2% para 2,75% ao ano. O Copom ressalta que essa visão para a próxima reunião continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, e das projeções e expectativas de inflação”, afirmou no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março. (Valor)

Déficit em Transações Correntes 1: O Brasil registrou um déficit em suas transações correntes de US$ 2,326 bilhões em fevereiro, conforme divulgado pelo Banco Central (BC). A autoridade monetária estimava um déficit de US$ 2,3 bilhões. No mesmo mês de 2020, o saldo da conta corrente foi negativo em US$ 4,662 bilhões. O Investimento Direto no País (IDP) somou US$ 9,007 bilhões em fevereiro, segundo o BC. A estimativa da autoridade monetária era de ingresso de US$ 6,5 bilhões. Em fevereiro do ano passado, por sua vez, o IDP tinha somado US$ 2,580 bilhões. (Valor)

Déficit em Transações Correntes 2: O Banco Central (BC) calcula déficit de US$ 1,3 bilhão em conta corrente em março. Já a estimativa para os Investimentos Diretos no País (IDP) é de US$ 7 bilhões. Nos saldos parciais de março até o dia 23, o IDP soma US$ 5,757 bilhões. Já os lucros tiveram saída de US$ 1,738 bilhão no período. (Valor)

Ambiente social

Estagnação da Classe Média 1: Decisiva na política e na economia, a chamada classe média, alvo de atenções em períodos eleitorais, quase não aumentou de tamanho em relação à população total nos últimos 40 anos, um “congelamento” que retrata o fracasso do País em trilhar o caminho de todos os que conseguiram se desenvolver, processo que passa necessariamente pela ampliação dessa camada da sociedade. (Carta Capital)

Estagnação da Classe Média 2: A estagnação da economia desde 2015 bloqueou as oportunidades de trabalho para os segmentos menos favorecidos que, entre 2004 e 2014, buscavam ascender socialmente por meio do ensino superior, seja com a utilização de programas do governo como o ProUni e o Fies, de apoio ao ingresso em faculdades privadas, seja por meio da matrícula em universidades públicas, em especial nas federais, que se multiplicaram de modo significativo no governo Lula. (Meio)

Novo Auxílio Emergencial 1: Pesquisa Datafolha mostra que a procura pelo novo auxílio emergencial deve ser similar à verificada no ano passado, apesar de o governo prever que o acesso ao benefício será mais restrito neste ano. De acordo com o levantamento, 38% dos entrevistados pretendem pedir o auxílio previsto para começar a ser pago em abril. As pessoas que vão pedir o novo auxílio podem ser divididas em: beneficiados em 2020 (71%), pessoas que tiveram o pedido negado antes (8%) e aqueles que vão pedir pela primeira vez (21%). (Valor)

Novo Auxílio Emergencial 2: O governo estima que o benefício será pago a 45,6 milhões de famílias. São 28,6 milhões de pessoas que se cadastraram nas plataformas da Caixa, 10,7 milhões do programa Bolsa Família e 6,3 milhões do cadastro único de programas sociais. O programa permitirá que apenas uma pessoa por família receba o benefício. Em 2020, governo autorizou o pagamento para até duas pessoas por lar. (Valor)

Novo Auxílio Emergencial 3: O limite de gasto com a nova rodada da assistência é de R$ 44 bilhões. Nas MPs, porém, o governo anunciou a liberação de R$ 43 bilhões, incluindo despesas operacionais. Em 2020, o auxílio consumiu quase de R$ 300 bilhões​. (Valor)

Novo Auxílio Emergencial 4: 16 governadores assinam carta direcionada aos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal para que o Congresso disponibilize os recursos necessários para o auxílio emergencial em níveis que superem os valores noticiados de R$ 150, R$ 250 e R$ 375. Os governadores defendem auxílio emergencial de R$ 600, com os mesmos critérios de acesso. (Valor)

Auxílios Regionais: Enquanto a população espera o pagamento do auxílio emergencial da União, pelo menos um terço dos Estados e oito das 26 capitais do país anunciaram oficialmente ou já estão oferecendo programas de transferência de renda como forma de mitigar os efeitos da pandemia. Os auxílios são considerados instrumentos para dar meios à população de seguir as regras de isolamento social num momento em que elas se tornam ainda mais rígidas com a escalada de casos de covid-19. Conjuntamente, os programas devem pagar este ano montante superior a R$ 1 bilhão e revelam uma diversidade nos valores e no recorte de beneficiários. (Valor)

Ambiente político

Censo 2021 Inviabilizado: A redução do orçamento do próximo Censo Demográfico para R$ 240 milhões, segundo o parecer final do relator do Orçamento 2021, senador Marcio Bittar (MDB-AC), provocou forte mobilização ontem do próprio Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de oito ex-presidentes – que assinaram um manifesto – e do sindicato de trabalhadores. A situação ainda é mais delicada porque o montante previsto já tinha sido reduzido duas vezes (era de R$ 3,4 bilhões em 2019 e de R$ 2,3 bilhões em março de 2020, antes do adiamento por causa da pandemia) em função do contingenciamento de recursos do governo. (Valor)

Perda de Protagonismo de Paulo Guedes: Uma eventual migração do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do Ministério da Economia para o Palácio do Planalto não é vista como um problema grave pela equipe do ministro Paulo Guedes. A pasta já trabalhava nas privatizações antes de receber o comando do PPI, e pode continuar a fazê-lo. Fontes do Planalto disseram que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, poderá ser acomodado no comando do PPI e a estrutura deve migrar para o Palácio do Planalto. O problema é que, em desenho ainda a ser definido, o PPI pode ficar no guarda-chuva da Secretaria-Geral, comandada por Onyx Lorenzoni. Isso pode reeditar conflitos entre o Planalto e a equipe econômica que ocorreram em 2019. (Valor)

Governo

Falta de Proteção de Dados: A Polícia Federal detectou pagamentos no exterior ao hacker responsável pelo vazamento de dados de 223 milhões de brasileiros e descobriu que informações sigilosas do Imposto de Renda foram colocadas à venda. Além disso, detectou alto número de transações de criptomoedas envolvendo o segundo hacker alvo da investigação. Com essas informações, a PF deflagrou a Operação Deepwater, que prendeu dois hackers envolvidos no caso e cumpriu busca e apreensão contra eles. (Valor)

Arrecadação Federal: A arrecadação federal registrou alta real de 4,30% em fevereiro, na comparação com o mesmo mês de 2020, e chegou a R$ 127,747 bilhões. Na série atualizada pela inflação, o resultado de fevereiro é o melhor desde o ano 2000. Os dados são da Receita Federal. Sem correção inflacionária, a arrecadação mostrou elevação de 9,72% em fevereiro, ante um ano antes, quando a arrecadação total somou R$ 116,430 bilhões (valor corrente). Além de traduzir melhoria na lucratividade e rentabilidade das empresas, os dados foram impulsionados por pagamentos extraordinários. Houve crescimento também importante nos tributos relacionados ao comércio exterior. (Valor)

Desonerações Tributárias: O governo deixou de arrecadar R$ 14,877 bilhões nos primeiros dois meses de 2021 devido a desonerações tributárias. Em mesmo período de 2020, abriu mão de R$ 13,533 bilhões. Apenas em fevereiro, as desonerações somaram R$ 6,967 bilhões. No ano, somente com Simples e MEI (Microempreendedor Individual), o governo deixou de receber R$ 2,611 bilhões em tributos. Além disso, a desoneração relativa ao IOF Crédito somou R$ 990 milhões. (Valor)

Subsídios para Habitação: O governo estuda reformular a política de subsídios, ou melhor, a concessão de descontos na compra do imóvel por famílias de baixa renda no programa Casa Verde e Amarela. Atualmente, esses descontos são custeados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O objetivo é promover ajustes para priorizar a população de menor renda de pequenos municípios e impedir situações em que uma mesma família esteja sujeita a três cenários de taxa de juros. (Valor)

Pronampe 1: A nova fase do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), a ser deflagrada em meados deste ano, deverá contar com cerca de R$ 16 bilhões, disse a subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedorismo e Artesanato, Antonia Tallarida. É um valor próximo ao de 2020, que foi de R$ 18 bilhões. Aprovados o Orçamento e a perenização do programa, o Pronampe será regulamentado e passará a ser oferecido pelos bancos. A expectativa é que isso ocorra até meados do ano. (Valor)

Pronampe 2: Na comparação com a versão de 2020, o Pronampe agora tem taxas de juros mais elevadas: Selic mais até 6%, ante Selic mais 1,25%. Isso é reflexo da menor cobertura das perdas dos bancos com inadimplência. Deverá ficar em 30%, ante 85% no ano passado. (Valor)

Ambiente internacional

Comércio Mundial: O comércio mundial cresceu em janeiro no ritmo mais rápido em mais de três anos, graças à recuperação econômica da China. O volume do comércio global de bens aumentou 5,7% em janeiro na comparação com mesmo mês de 2020, de acordo com Centro de Análise Econômica (CPB), da Holanda. (Valor)

Falta de Representatividade Racial: Dez bilhões de dólares (cerca de R$ 55 bilhões) todo ano. Isso é quanto a indústria cinematográfica e de TV dos EUA deixa de faturar por ano devido à falta de representatividade racial, indica um relatório da consultoria de gestão McKinsey. A empresa entrevistou profissionais negros e brancos que atuam no setor e constatou que, além de as produções não terem foco no público não branco, a indústria é mais fechada racialmente que outros setores da economia. (Folha) (Meio)

Ambiente tecnológico

Viva os Indígenas Brasileiros: A Motorola anunciou esta semana a inclusão de dois idiomas indígenas do Brasil em seus smartphones. Com a mudança, todos os aparelhos da empresa atualizados com Android 11 poderão ser configurados nas línguas Kaingang e Nheengatu. (Meio)

Méritos da Embraer: Pela primeira vez, a Embraer mostrou em voo o seu “carro voador” elétrico. O protótipo é em tamanho reduzido e decolou esta semana da sede da Embraer em Gavião Peixoto (SP). Desde 2018 o conceito vem sendo desenvolvido pela fabricante brasileira. Ano passado, criou a startup Eve para focar no desenvolvimento do veículo elétrico de decolagem e pouso vertical (eVTOL) com passageiros. No início, o táxi-aéreo da Embraer deverá ter um piloto, mas a ideia é de que, no futuro, o voo seja autônomo. (Meio)

Tik Tok: O app Tik Tok ultrapassou o Instagram e chegou a 1,289 bilhão de usuários ativos, só perdendo para Facebook, com 2,740 bilhões, e YouTube, com 2,291 bilhões. Deixou para trás o Instagram, que tem 1,221 bilhão, segundo a plataforma de dados Statista. (Valor)

Gamificação: A Amazon está expandindo aos seus armazéns nos EUA seu programa de gamificação para aumentar a produtividade. Chamado de FC Games, o programa inclui até seis mini-jogos no estilo arcade que podem ser jogados apenas ao completar tarefas no local de trabalho. Desde 2019, a Amazon usa gamificação para incentivar a produtividade, mas essa é a primeira vez aplicada em armazéns. Para alguns, é uma forma de reduzir o tédio e a repetição do trabalho. Mas outros temem que sirva como ferramenta de monitoração. (Meio)

Notas econômicas

Conteúdo produzido semanalmente pelo economista Paulo Roberto Bretas

Fontes:

Fontes: Jornal Valor, Folha, Canal Meio Newsletter, Poder 360, Carta Capital.


Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.