Mundo bate recorde de produção de lixo eletrônico

0
888
A maior parte desse lixo é constituída por material plástico e metal barato, mas também há cobre, ouro e outros metais preciosos. foto: Pixabay
A maior parte desse lixo é constituída por material plástico e metal barato, mas também há cobre, ouro e outros metais preciosos.

Vivaldo José Breternitz *

A International Solid Waste Association é uma associação internacional sediada em Viena, Áustria, não governamental e sem fins lucrativos, que trabalha para promover e desenvolver os cuidados com resíduos sólidos ao redor do mundo, buscando uma sociedade sustentável.

Seu relatório anual informa que, no ano de 2019, o mundo bateu seu recorde de produção de lixo eletrônico, com boa parte sendo equipamento ligado à tecnologia da informação: 53,6 milhões de toneladas, o equivalente a 7,3 quilos por habitante – na Europa esse número chegou a 16,2 quilos por habitante.

Como diz o relatório anual, acredita-se que em 2030 serão 74 milhões de toneladas em todo o mundo.

A maior parte desse lixo é constituída por material plástico e metal barato, mas também há cobre, ouro e outros metais preciosos, que se fossem totalmente reciclados, valeriam cerca de 57 bilhões de dólares.

Deve-se registrar que materiais extremamente perigosos para a saúde e para o meio ambiente, especialmente os provenientes de telas e baterias, também compõem esse lixo.

Além disso, boa parte do pouco que é reciclado, é feito de forma manual, sem qualquer cuidado com a saúde dos trabalhadores envolvidos.

Infelizmente ainda estamos muito longe de termos uma tecnologia da informação realmente verde.


  • Vivaldo José Breternitz é Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.