Home Notícias Insights Empresas investem no estímulo às habilidades humanas

Empresas investem no estímulo às habilidades humanas

0
1449
Empresas investem em cursos que estimulam os funcionários a desenvolver as habilidades humanas. Foto: Pixabay
Empresas investem em cursos que estimulam os funcionários a desenvolver as habilidades humanas. Foto: Pixabay

Empatia, simpatia, capacidade de colaboração e poder de comunicação e de interação. As características, do grupo das habilidades humanas, ou soft skills, no jargão do mercado de trabalho, estão sendo cada vez mais valorizadas e procuradas. A demanda crescente por competências inacessíveis, pelo menor por enquanto, aos robôs, tem sido registrada, por exemplo, pela Descola.org, startup especializada em cursos online voltados para inovação, capacitação e empreendedorismo.

A startup, que nasceu justamente da busca pelo conhecimento não oferecido nas graduações tradicionais e trabalha para levar essas soft skills para profissionais de todo o país, viu a procura por seus cursos crescer, principalmente, por parte de empresas visando a capacitação de seus colaboradores. No cenário de expansão do uso de robôs, da automação e da inteligência artificial, parte das competências formais, adquiridas em escolas, tende a ser substituída por novas exigências.

Em outras palavras, atestam os especialistas em RH, possuir títulos de graduação, pós, MBA e outros cursos técnicos é importante, porém, cada vez mais passam a não ser suficientes para se destacar no mercado de trabalho. De acordo com uma pesquisa feita pela Capgemini Digital Transformation Institute, em 2017, 60% das empresas identificavam carência de soft skills em seus funcionários.

“Desde a criação da Descola.org, atendemos mais de 100 empresas procurando nossos cursos para oferecer as soft skills aos colaboradores, entre elas Natura, Boticário, Nextel, Globo e Fiat. Ao todo são mais de 10 mil alunos vindos de grande corporações. O que se percebe é uma movimentação por parte das empresas para capacitar os funcionários e não buscar essas habilidades em pessoas de fora”, conta André Tanesi, CEO da Descola.org.

A edtech possui uma taxa de conclusão dos cursos de planos corporativos bem alta: entre 80% e 90%. Isso evidencia a preocupação dos profissionais em se desenvolver e permanecer em evidência num mercado cada vez mais exigente.  “As soft skills interferem no relacionamento interpessoal das empresas, mudando também as formas de os colaboradores interagirem entre eles e, consequentemente, na produtividade do grupo. Daqui para a frente, cada vez mais organizações buscarão essas aptidões em seus funcionários”, finaliza Tanesi.

As soft skills mais buscadas em cursos da Descola.org:

Produtividade: habilidade relacionada a gestão de tempo e de tarefas, como se organizar e, principalmente, como se comportar para aumentar sua produtividade no ambiente de trabalho.

Design Thinking: uma nova forma de pensar e agir frente a um problema, desenvolve um pensamento mais amplo sobre como identificar um problema e principalmente os caminhos para resolução. Aprende-se como prototipar, testar e iterar usando o ser humano como centro do processo.

Negociação: aprender diversas técnicas e ferramentas para que as pessoas saibam negociar melhor, é fundamental para qualquer profissional.

Apresentações: Todo mundo precisa saber apresentar, estruturar seus pensamentos, organizar seu conteúdo, ter uma boa presença de palco e saber contar histórias.

 


Com informações da assessoria de imprensa

Sem comentários

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: