Singularity University enfrenta problemas que levam à saída de diretores e à previsão de corte de 60 empregos. Foto: divulgação
Singularity University enfrenta problemas que levam à saída de diretores e à previsão de corte de 60 empregos. Foto: divulgação

Carlos Teixeira *
Jornalista I Editor

“A Singularity University, instituto do Vale do Silício que oferece educação sobre o futurismo, está considerando seu futuro incerto”. Carregada de alguma ironia, a notícia foi divulgada pelo site de negócios Bloomberg, ao avaliar as informações que cercam a saída do diretor-executivo da instituição do cargo e a perspectivas de cortes de equipe em breve.

A Singularity é uma escola de referência para grande parte da comunidade que atualmente dirige atenções para os impactos das transformações tecnológicas sobre o futuro. No Brasil, a organização vem se expandindo com acordos realizados com instituições de ensino superior de negócios ou especialistas que passaram por cursos realizados na sede da empresa, nos Estados Unidos.

Transição

Segundo a notícia publicada, as mudanças foram descritas em um email que a Bloomberg acessou, enviado ao corpo docente por Erik Anderson, presidente executivo. Eles marcam um  declínio prolongado para a empresa, que nos últimos anos perdeu uma concessão anual do Google e enfrentou alegações de agressão sexual, peculato e discriminação.

Rob Nail, que dirigiu a Singularity nos últimos oito anos, está saindo para buscar novas oportunidades de carreira, escreveu Anderson no e-mail. A Singularity está conduzindo uma busca no CEO, disse um porta-voz. O anúncio de cortes de empregos foi feito de acordo com a legislação trabalhista dos EUA, que exige aviso de 60 dias para empresas com mais de 100 funcionários, disse o porta-voz.

A instituição se recusou a especificar quantos empregos seriam afetados, mas uma pessoa familiarizada com o assunto elevou o total para cerca de 60. Essa pessoa disse que muitos desses trabalhadores foram informados das notícias enquanto participavam de uma cúpula da Singularity em Atenas, encerrada na terça-feira.

A Singularity — singularidade, em português –, que leva o nome da noção de que um dia os humanos se fundirão com as máquinas, foi criada em 2009, a partir de uma palestra do TED, feita pelo futurista Ray Kurzweil. O grupo opera com fins lucrativos, mas com um mandato de responsabilidade social. Muitos ex-alunos de seus programas dão crédito à organização por ensiná-los sobre conceitos de ponta e ajudá-los a pensar de forma mais abrangente.

Histórias desabonadoras

Outros, sem a notoriedade do outro grupo, reclamam que os programas são exagerados e culturalmente tóxicos. Uma ex-aluna alegou ter sido agredida em 2013 por um astronauta que lecionou na Singularity. Vários executivos foram acusados ​​de irregularidades financeiras, incluindo roubo e fraude. O Google encerrou o suporte a um programa importante na Singularity em 2017, embora uma gerente sênior de programas do Google, Jen Phillips, ainda apareça no site da Singularity como consultora. (O Google disse à Bloomberg no ano passado que ela havia deixado o conselho consultivo.)

Nos últimos anos, a Singularity expandiu suas iniciativas de conferência e educação executiva, incluindo um programa de uma semana de US $ 14.500 em seu campus em Mountain View, Califórnia. O principal programa de estudos de pós-graduação, uma vez gratuito para os alunos, agora é conhecido como Programa Global de Inicialização e custa US $ 30.000 por dois programas pessoais de três semanas, além de um ano em rede virtual.

No email enviado ao corpo docente, Anderson disse que a Singularity procuraria aumentar seu número de membros individuais e corporativos. Ele também transmitiu uma mensagem de Kurzweil e Peter Diamandis, outro fundador e diretor executivo. Os dois homens disseram que a necessidade de resolver “os maiores desafios da humanidade é mais importante do que nunca” e que “permanecem mais dedicados à Singularity do que nunca”.


Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.