Eólica é a segunda fonte de energia renovável que mais emprega depois do biocombustível. Foto: Pixabay.
Eólica é a segunda fonte de energia renovável que mais emprega depois do biocombustível. Foto: Pixabay.

De acordo com a sexta edição do relatório Renewable Energy and Jobs da Agência Internacional para as Energias Renováveis (IRENA), o Brasil é o terceiro maior empregador no setor de renováveis, com 1,12 milhão de trabalhadores, ficando atrás apenas da China, que emprega 4,07 milhões de pessoas, e da União Europeia, com 1,23 milhão de trabalhadores.

O levantamento da IRENA revela que, em 2018, o país manteve a liderança em postos de trabalho na produção de biocombustível líquido, com 832 mil empregos, representando quase metade dos 2 milhões postos de trabalho na área de biocombustíveis na América Latina. Por outro lado, a maior parte das vagas está relacionada ao plantio e colheita de matérias-primas, que exigem mão-de-obra menos qualificada e possuem remuneração menor.

O relatório mostra que a energia eólica, segunda fonte empregadora no setor de energias renováveis, emprega apenas 34 mil pessoas no Brasil. A IRENA projeta que um terço dessas vagas estejam concentradas na fabricação de componentes, 42% em construção de usinas e as demais em operações e manutenção.

Segundo a pesquisa, o crescimento da energia eólica no Brasil abre precedentes para a geração de novos empregos no setor. Em terceiro lugar, no ranking dos empregos gerados no setor de renováveis, aparece o aquecimento solar de água, com 41 mil empregados. Já energia solar fotovoltaica absorve 15 mil pessoas no país.