O maior risco que as bibliotecas podem correr nos próximos anos é que se expanda e consolide a crença de que elas perderão utilidade diante das projeções de morte do livro em papel e do avanço das publicações digitais. São, no final das contas, duas teses a olhar com parcimônia dobrada. Em países de baixos investimentos em cultura, como o Brasil, onde os espaços dedicados aos livros são raros, os riscos tendem a ser maiores. 

É essencial reconhecer que as discussões sobre o futuro das bibliotecas são frequentemente marcadas pelo tom nostálgico. O tom premonitório inclui lamentos pela perspectiva de inclusão da atividade de gestão de publicações no catálogo de funções em extinção. Há, no exterior, e menos ainda no Brasil, poucos exercícios que tentem desvendar alternativas para o futuro. 

Especialista em tecnologia e cultura, , colaborador do site Slate, ressalta a preocupação com a ausência de uma busca de alternativas, diante do viés pessimista das análises predominantes no mercado. É necessário buscar um meio-termo entre o conformismo diante de um fim próximo e as propostas com visão exclusivamente de adaptação à realidade futurística. “Quem imagina bibliotecas como espaços puramente digitais também erra o alvo”, assinala o artigo publicado pelo Slate.

Jacob Brogan assinala que, segundo um relatório do instituto de pesquisa Pew Research Center, o fechamento de bibliotecas provavelmente afetaria a população de baixa renda e Pelo menos nos Estados Unidos, as bibliotecas públicas não são apenas destinos educacionais. Elas também fornecem acesso às oportunidades econômicas disponíveis.

De acordo com um estudo da União Internacional de Telecomunicações, de 2014, mais de 4 bilhões de pessoas ainda não têm acesso básico à internet. A entidade reconhece que algumas soluções apontadas como democratizantes para o acesso ao conhecimento, como o site Wikipedia. Há um acriticismo a combater no caminho. Para Jacob Brogan, embora alguns dos serviços digitais inovadores, como a enciclopédia colaborativa, possam reduzir o fosso do acesso ao conhecimento, também ameaçam impor novas formas de desigualdade. O rico fica com a internet plenta, enquanto os pobres ficam com o Wikipedia e o Facebook. 

Serviços de acesso gratuito à internet, como os desenvolvidos pelo Google ou Facebook, em áreas remotas do planeta, podem criar ilusões também. ” Mas bibliotecas também oferecem uma variedade de outros serviços-e em informações complementares, criticamente, a assistência para ajudar os visitantes a dar sentido a eles. Em apoio da alegação de que iniciativas taxa zero não são tão limitante como parecem, notas Ocidente “Na realidade, as pessoas que vão de acesso on-line outros produtos e encontrar formas de limitar as suas taxas de capitalização de dados.” Embora ele não faz imediatamente elaborar sobre esta afirmação, as bibliotecas públicas oferecem ambos os “outros produtos” e assistência em usá-los. E como programas Internet.org e semelhantes se tornam normativos, tais serviços públicos vai crescer ainda mais necessária.

Isto significa que as bibliotecas também podem desempenhar um papel importante na evolução social e política. A Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias defende este ponto quando propõe que as bibliotecas contribuir para a transparência do governo e a participação cívica. Este praças com as conclusões do relatório Pew, que mostram que nos Estados Unidos, a maioria dos adultos que usam instalações da biblioteca estavam ativamente envolvidos em suas comunidades, e um percentual significativo também tinha trabalhado para influenciar a política do governo. 

Claro, não é claro que as bibliotecas causar tal participação, mas parece que eles estão conectados a participação do público em geral. Importante, a IFLA também salienta que os bibliotecários podem se inserir neste processo, facilitando e promovendo o acesso à informação.

Percepções similares também estão no coração de Bill e Melinda Gates Foundation bibliotecas global de estratégia.  The Gates Fundação afirma que as bibliotecas podem oferecer Internet de formação, bem como o acesso simples. Ao fazer isso, ele propõe, essas instituições podem afetar tudo, desde saúde pública ao ativismo ambiental.

Para este fim, a fundação financiou o trabalho de organizações como Read Global, que constrói biblioteca e recursos centros em todo regiões rurais no Sul da Ásia. Como Tina Sciabica, diretor-executivo do Read, me disse, no processo de servir comunidades inteiras essas instalações também proporcionar um espaço seguro para as mulheres, alguns dos quais são de outra maneira incapaz de deixar a casa sem a permissão de seus maridos. 

“Uma vez lá, as mulheres podem ter acesso a aulas de alfabetização, grupos de auto-ajuda (cooperativas de poupança), programas de saúde e formação de subsistência que de outra forma não seria capaz de acessar,” Sciabica me disse. Até certo ponto isso é possível porque Read envolve ativamente as comunidades locais no estabelecimento de bibliotecas e requer co-investimento, incutir um senso de propriedade coletiva.

Naturalmente, as bibliotecas não será capaz de funcionar nesta capacidade, sem alterar-se. Como um relatório do Instituto Aspen (produzido em colaboração com a Fundação Gates) reconhece, a associação entre as bibliotecas e os livros físicos provavelmente vai diminuir nos próximos anos, um processo que já está bem encaminhado. No entanto, o relatório sublinha, “A biblioteca pública continua a ser um destino para muitos usuários, que serve a muitos propósitos.” É esta abertura a diversas necessidades que é mais importante, especialmente a partir de uma perspectiva de desenvolvimento, já que permite que bibliotecas para responder a necessidades específicas: Em Botswana , por exemplo, onde a diversificação económica é uma prioridade, a Fundação Gates ajudou a criar serviços de biblioteca destinados a incentivar o desenvolvimento de pequenos negócios. Em vez de imperialisticamente imprimindo o mesmo modo de aprendizagem em todos os lugares, as bibliotecas podem responder às indicações de mudança de diferentes comunidades e contextos.

Bibliotecas são poderosos precisamente porque são espaços de potencialidade. Eles são, como o relatório de Aspen coloca, “plataformas”, alicerces sobre os quais muitas estruturas podem ser construídas. Para falar de seu futuro, então, deve ser a falar de uma coletiva futuro, uma da qual ninguém é excluído.

Jacob Brogan escreve para Slate sobre tecnologia e cultura. Ele está escrevendo um livro sobre a história cultural de lovesickness. Siga-o no Twitter.

Participe das conversas sobre o futuro. Deixe a sua opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.