A odontologia evolui com novas técnicas, materiais e tecnologias Pioneiro, dentista Paulo Coelho Andrade antecipa sinais futuros da odontologia

Paulo Coelho Andrade: pioneiro, antecipa tendências da odontologiaDe um dia para outro, muita gente anda soltando o sorriso. Rindo com vontade, sem qualquer vergonha de ser feliz. Não que tenha ganhado mais dinheiro com suas atividades. Ou por um prêmio na loteria. As demonstrações públicas e desinibidas de felicidade são o resultado imediato de implantes, que eliminam um certo complexo que inibia pessoas de todas as idades no dia a dia há alguns anos, por conta de doenças ou perda de dentes.

A renovação do sorriso não é a novidade no caso dos portadores da dentição renovada. O que há de novo é que o processo de colocação da prótese vem sendo realizado rapidamente, em apenas um dia, em alguns casos, indicando uma tendência hoje restrita a poucos pacientes, mas que vai proliferar no futuro próximo, como um dos novos padrões da profissão dos dentistas. O “day clinic”, ou “dia da clínica”, procedimento em que o cliente passa por uma intervenção completa em um dia, deve ser expandida nos próximos anos.

Em Belo Horizonte, a abordagem vem sendo adotada largmente pelo especialista em implantodontia Paulo Coelho Andrade, um pioneiro na área. Na clínica, o dentista recebe pacientes de várias regiões de Minas e do país. Com um vasto currículo, que inclui pós-graduações de Campinas à Alemanha, ele se consolida no mercado como o típico pioneiro em tratamentos inovadores. “Uma intervenção que levava um ano para ser realizada, hoje pode ser feito em uns poucos dias”, atesta.

O consultório e o histórico de intervenções de Paulo Coelho Andrade mostram que a agilidade do “day clinic”, também conhecido por “spa odontológico”, evolui como uma tendência, viável no futuro. Há pelo menos dois pilares importantes: a digitalização de imagens e a utilização de equipamentos capazes de fazer a “impressão” de peças que serão implantadas nas bocas dos clientes.

Um passo importante da evolução dos procedimentos pela clínica de Paulo Coelho Andrade há dois anos, quando foi adotado o Cerec, um equipamento para a realização de tomografias. O escaneamento propicia imagens digitais em terceira dimensão e a consequente modelagem de peças. Em parte, é uma má notícia para quem vive de produzir próteses e para os laboratórios especializados em radiografias. “Mas ainda leva um bom tempo”, assinala o especialista em odontologia estética.

O futuro da odontologia é digital 

Antigamente, em um passado até relativamente recente, para a população da classe média e de alta renda, um dentista tinha, para os pacientes, duas atividades básicas. Eliminar cáries e fazer tratamento de canal. Se não houvesse um jeito de recuperar um dente, o destino era o uso do alicate – para parte da população, de baixa renda, a medida extrema ainda permanece. Era um das origens da grande quantidade de banguelas, que parecem mais raros atualmente, pelo menos em cidades de algum porte, abastecidas por água tratada, com sistemas de saúde que funcionem razoavelmente bem e com mudanças de mentalidade da odontologia, cada vez mais preventiva.

Parece impensável, para os padrões atuais, mas crianças que se comportassem bem na cadeira, diante da broca estridente, eram premiados com uma bala. A partir de algum tempo, os profissionais de odontologia mudaram a forma de atuar. E se dedicam à tarefa de educar os seus pacientes, com o objetivo de prevenir contra maus hábitos, inclusive com o estímulo à escovação correta.

A proliferação de pessoas utilizando aparelhos para correção, o que até recentemente era um privilégio de poucos, é o sinal mais evidente de como a atividade dos dentistas está mudando. E vai mudar. “A odontologia vem evoluindo de uma mentalidade corretora para uma preventiva”, atesta Paulo Coelho Andrada, mestre em implantodontia e dono de um currículo de 20 anos, que inclui mais de 50 mil implantes.

Ele reconhece que arrancar dentes, como ocorria no passado, era uma questão quase cultural. A decisão radical decorria da inexistência dos recursos avançados disponíveis hoje, com os avanços das ciências e das tecnologias. A profissão caminhará para o reposicionamento no mercado, inclusive encontrando novas responsabilidades e conexões com outros segmentos da saúde. “Novas áreas vêm surgindo na odontologia, como odontologia do sono – tratamento de ronco e apneia- , tratamento de dores orofaciais, bruxismo e uso de botox estético e terapêutico, entre outros”, assinala Paulo Coelho Andrade.

Com o passar dos anos, os profissionais estarão mais especialistas do que generalistas. Os conhecimentos se ampliarão cada dia mais em cada área especifica. E o aprimoramento das técnicas existentes e surgimento de novas levarão os profissionais especialistas a se manterem em constante atualização. Há também novas exigências, como a necessidade de adaptação a novos equipamentos lançados pelos fornecedores. Como o Cerec, um equipamento odontológico alemão, constituído por um computador acoplado a uma câmara intraoral 3D, software e uma fresadora local, que permite ao dentista produzir coroas e facetas em uma única visita.  

Evolução

Os sinais das mudanças das relações entre clientes e profissionais e da evolução do mercado vão se acumulando e evoluindo com o tempo. Como exemplo recente das transformações do mercado, o implante dentário, que era um tratamento muito restrito há alguns anos, passa a ser mais acessível. É a consequência da consolidação da técnica moderna, dos resultados excelentes registrados e dos custos em queda. Novos tratamentos tendem a ser popularizados, na onda em formação constante. Os tratamentos estéticos como facetas de porcelana, facetas em cerômero, clareamento a laser, gengivoplastias, entre outros, são, para Paulo Coelho Andrade são tendências sólidas.

“Com a queda do índice de cárie e doenças gengivais, abre-se espaço para pessoas tratarem o que as incomoda esteticamente desde que a saúde bucal esteja boa”, assinala o especialista. “Vivemos hoje uma era com um apelo estético muito grande, a cada dia aumenta a procura por tratamentos desse tipo por serem rápidos, pouco invasivos e com resultados satisfatórios. Poderão ser no futuro os principais procedimentos odontológicos”, prevê o especialista.